Publicidade

A guerra dos brinquedos

Se os jogos Detetive ou Cara a Cara estiverem na sua lista de compras de natal, melhor correr: eles o correm o risco de serem destruídos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação para o trader investidor

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: A guerra dos brinquedos; invistaja.info;


AESB3 | P/ACL: -0.86 | Mrg.Liq.: 0.3644 | Liq.2meses: 18459700.0 | EV/EBIT: 123.73 | EV/EBITDA: 123.73 | Pat.Liq: 2223480000.0

ListenToMarket: A guerra dos brinquedos – Áudio gerado às: 8:10:41

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

de serem não apenas retirados das prateleiras em breve, mas destruídos.

Tudo isso tem a ver com uma guerra judicial que começou em 2007. Até lá, a fabricante de brinquedos Estrela mantinha um contrato de licenciamento com a Hasbro, fabricante americana de brinquedos e dona dos registros de propriedade industrial.

+Uruguai atrai brasileiros para ExpoCannabis; perspectivas para o segmento abrem espaço para novas opções de investimento

A parceria vinha desde a década de 1970 e foi o que fez o The Game of Life virar Jogo da Vida, Monopoly ser conhecido como Banco Imobiliário e G.I. Joe ser rebatizado de Falcon e Comandos em Ação.

A Estrela produzia os brinquedos desenvolvidos pela Hasbro, vendia e pagava os royalties devidos. Em 2008, contudo, a Hasbro abriu uma subsidiária própria no Brasil e passou, ela mesma, a comercializar seus brinquedos.

Sentido-se lesada, a Estrela simplesmente parou de pagar os royalties mas continuou comercializando os produtos, alegando que suas versões foram adaptadas e apresentam diferenças em relação aos produtos originais.

Em novembro, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que a Estrela devolva os registros de propriedade industrial de 18 brinquedos da Hasbro e pague R$ 64 milhões em royalties. Pela decisão, tudo que foi produzido deveria ser recolhido das prateleiras e destruído, um tratamento semelhante àquilo que acontece com produtos piratas. Os produtos não poderiam, portanto, ser doados.

Estrela cadente

hotWords: guerra brinquedos

Anuncie no invistaja.info

A Estrela também perdeu uma batalha judicial contra a Mattel, dona da Barbie, que pedia uma indenização de R$ 64 milhões (que coincidência, não?) após a americana romper a parceria no final dos anos 1990. A Estrela alegou ter sido obrigada a retirar a boneca Susi do mercado para não atrapalhar as vendas da Barbie. O tribunal, contudo, considerou o pedido improcedente e o argumento descabido.

A fabricante nacional foi fundada em 1930 e mergulhou em uma grave crise com a abertura às importações depois que brinquedos mais baratos começaram a chegar por aqui. Como reflexo da crise, a empresa chegou a fechar seu capital em 2015 — que estava aberto desde 1968. No ano passado, teve um prejuízo de R$ 16 milhões. Seria o fim da Estrela no seu Jogo da Vida?

Este texto faz parte da newsletter IMpulso, enviada todas as quintas-feiras, pela manhã. Inscreva-se grátis para receber o conteúdo.

palavras-chave: A guerra dos brinquedos; invistaja.info;

BRASIL | negocios | invistaja.info – A guerra dos brinquedos

REFLEXÃO: Tom Gardner, da Motley Fool: Encontre lideres notáveis e uma missão para o longo da vida.

Saiba mais:

Uruguai atrai brasileiros para ExpoCannabis; perspectivas para o segmento abrem espaço para novas opções de investimento

Com inflação e juros em alta, 2022 será ano de extrema volatilidade às moedas da América Latina

Ibovespa oscila até o último minuto, mas fecha em alta de 0,58%; na semana, Bolsa subiu 2,6%

Ibovespa oscila até o último minuto, mas fecha em alta de 0,58%; na semana, Bolsa acumulou ganhos de 2,6%

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade