Ação da BRF fecha em alta de 4% após saltar até 14% com rumor de que JBS avalia contra-ataque a Marfrig; operação faria sentido?

Segundo Lauro Jardim, do jornal O Globo, JBS avaliaria supostamente avançar sobre o controle da dona das marcas Sadia e Perdigão
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação de quem vive o mercado

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Ação da BRF fecha em alta de 4% após saltar até 14% com rumor de que JBS avalia contra-ataque a Marfrig; operação faria sentido?; invistaja.info;


CESP6 | EV/EBIT: 15.53 | P/Cap.Giro: 976.17 | P/ACL: -1.27 | PSR: 3.904 | Cotacao: 24.0 | Div.Brut/Pat.: 0.26

As ações da companhia de alimentos BRF ([ativo=BRFS3) chegaram a saltar 14,35% no início dos negócios na B3 nesta sexta-feira. O movimento ocorreu após notícia do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, de que a rival JBS ([ativo=JBSS3]) estuda um contra-ataque à Marfrig (MRFG3) para supostamente avançar sobre o controle da dona das marcas Sadia e Perdigão.

Os ganhos, contudo, amenizaram fortemente logo na primeira hora do pregão, movimento que se manteve no início da tarde. Os ativos BRFS3 fecharam com alta de 3,94%, a R$ 29,05.

Confira o movimento das ações no gráfico abaixo: 

+Camisetas por assinatura: o novo modelo de negócio da Reserva

*Fonte: B3

Procurada pela Reuters, a JBS disse que não comenta especulações de mercado.

Sérgio Berruezo, analista da Ativa Investimentos, destaca que não há fontes oficiais sobre o assunto, nem declarações das empresas envolvidas. Portanto ainda é cedo para chegar a quaisquer conclusões sobre o caso. No entanto, ele enxerga um possível entrave com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão antitruste, caso a JBS decida realmente ir adiante com essa operação, uma vez que ela já controla a Seara, principal concorrente da BRF.

Na mesma linha, o Itaú BBA destaca que uma transação de compra de ativos da BRF pela JBS seria complexa e exigiria muito tempo. “Embora reconheçamos que a JBS tem mais poder de fogo do que a Marfrig em termos de geração de caixa e também de níveis de alavancagem, acreditamos que esse movimento seria muito complexo. Há dois pontos a serem lembrados: i) do ponto de vista da execução, a BRF é uma empresa de grande porte e a integração cultural exigiria muito esforço e; ii) do ponto de vista antitruste, a combinação das operações da Seara e da BRF no Brasil resultaria em uma participação de mercado significativa”, avaliam os analistas.

Por conta desses fatores, a transação provavelmente passaria por um processo rigoroso (e longo) de devida diligência, que poderia resultar na necessidade de separar partes das operações para garantir a aprovação regulatória. Só então teria início o processo de integração cultural, que também demandaria muito esforço e tempo. Assim, a operação JBS-BRF só se justificaria com grandes sinergias no radar para essa transação.

O movimento da JBS, maior produtora global de carnes, ocorreria depois de a Marfrig ter se tornado recentemente a maior acionista individual da BRF, num movimento que surpreendeu o mercado.

Nas últimas semanas, a Marfrig realizou diversas operações de aquisições de ativos da BRF através de opções e da compra em leilões realizados em Bolsa. No agregado, a participação da produtora de carne bovina no capital da companhia pode chegar a 31,66%. Isso colocaria a empresa perto dos limites estabelecidos no estatuto da BRF para acionistas minoritários. Veja mais clicando aqui.  

Se as opções forem integralmente exercidas pela Marfrig, a empresa passará a deter até 257.267.671 de papéis da produtora de alimentos. Isso não só consolidaria a Marfrig como a maior acionista da BRF como a aproximaria da cláusula de “poison pill” da companhia.

O “poison pill”, incluído no estatuto social da BRF, determina que qualquer acionista que se torne titular de 33,33% das ações da empresa terá de divulgar este fato e lançar, em até 30 dias contados a partir da aquisição mais recente, uma oferta pública de aquisição (OPA) para todos os demais acionistas.

hotWords: avalia saltar após operação fecha marfrig; sentido?

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Leia também: Quanto faturam e quais marcas têm BRF, JBS, Marfrig e Minerva? Quadro compara frigoríficos e explica preferências dos analistas

O preço da OPA embutiria um prêmio de 40% sobre a média de preço das ações da BRF nos 120 dias anteriores e também nos 30 dias anteriores.

Entretanto, a Marfrig informou que as compras têm o objetivo de diversificar seus investimentos no setor de proteína, e que não pretende alterar o controle ou a estrutura administrativa da BRF. Além disso, a empresa controlada por Marcos Molina disse que não busca eleger membros para a administração da empresa ou influenciar em suas atividades.

Cenários no radar

O Itaú BBA destaca ainda que a disponibilidade de ações é mais escassa do que quando a Marfrig adquiriu sua participação. Olhando para a atual estrutura acionária da BRF, o free float disponível é de aproximadamente 39,55%, o que também tornaria, na opinião dos analistas, muito mais difícil para a JBS adquirir uma participação considerável sem impactar materialmente os preços das ações.

Eles também apontam que, do ponto de vista da JBS, o cenário competitivo não mudaria muito se a Marfrig adquirisse a BRF (pelo menos no curto prazo), algo que segue no radar do mercado apesar das negativas da Marfrig.

Isso porque a a nova companhia resultante da operação provavelmente arcaria com um elevado endividamento, o que seria um fator limitante à sua capacidade de investimento no curto prazo, além de indicar que a empresa também teria que realizar uma integração cultural.

Já do ponto de vista da Marfrig, apontam os analistas do BBA, uma transação JBS-BRF poderia ser positiva para a empresa focada em carne bovina.

A primeira leitura da Marfrig é de que, por ser a maior acionista da BRF, se beneficiaria se a JBS se mobilizasse para adquirir ações da BRF, o que elevaria o preço das ações.

Além disso, se a transação entre JBS e BRF acontecesse, a primeira companhia provavelmente teria que se desfazer de uma parte das operações da BRF (ou Seara) e a Marfrig seria um comprador natural – provavelmente a um preço mais baixo. Já uma eventual venda de sua participação na BRF não sobrecarregaria o balanço da Marfrig e poderia dar mais poder de fogo para investimentos.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Analista Wilson Neto apresenta os segredos das 5% das pessoas que são bem sucedidas no day trade. Inscreva-se no curso gratuito Desafio dos 5%.

palavras-chave: Ação da BRF fecha em alta de 4% após saltar até 14% com rumor de que JBS avalia contra-ataque a Marfrig; operação faria sentido?; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Ação da BRF fecha em alta de 4% após saltar até 14% com rumor de que JBS avalia contra-ataque a Marfrig; operação faria sentido?

REFLEXÃO: Morgan Housel: Se preocupe somente quando você achar que tiver tudo resolvido.

Veja também:

Mais um importante passo para a fusão entre Lojas Americanas e B2W foi dado: confira os próximos

Prejuízo do ataque hacker contra JBS se estendeu à indústria de alimentos dos EUA

O que esperar para as ações americanas e o Brasil em um cenário de alta dos juros nos EUA?

Ministro diz que 160 milhões serão vacinados até dezembro no Brasil

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.