Ações da Eletrobras saltam na semana e podem dobrar de valor se privatização acontecer – mas analistas apontam obstáculos

Sinalização é positiva com envio pelo governo da Medida Provisória para desestatização, mas analistas alertam para receptividade no Congresso
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação de quem vive o mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Ações da Eletrobras saltam na semana e podem dobrar de valor se privatização acontecer – mas analistas apontam obstáculos; invistaja.info;


RDNI3 | Mrg.Ebit: 0.0241 | EV/EBITDA: 61.55 | Cresc.5anos: -0.0664 | Mrg.Liq.: -0.0139 | Liq.Corr.: 1.83 | P/L: -70.15

FLORIANÓPOLIS | invistaja.info — Após o anúncio da saída do CEO Wilson Ferreira Jr. no final de janeiro e as declarações de Jair Bolsonaro do último fim de semana de que iria “meter o dedo” no setor de energia elétrica, as ações da Eletrobras (ELET3;ELET6) passaram a precificar um ambiente bem mais negativo para a companhia, com a privatização sendo vista como ainda mais distante e até riscos de que ela volte a ser uma estatal mal administrada.

Com esse cenário ganhando força, diversos bancos e casas de análise, como o Credit Suisse na última segunda-feira, revisaram suas recomendações para a companhia, em meio ao aumento do risco político. Porém, desde o final da tarde da própria segunda, notícias vindas justamente de Brasília estão impulsionando os papéis da companhia, que saltam cerca de 20% apenas nos últimos três pregões desta semana.

+Setor externo tem déficit de US$ 7,253 bilhões em janeiro, diz Banco Central

O último grande acontecimento que animou o mercado foi o anúncio pelo governo da Medida Provisória 1.031 / 2021 referente ao processo de privatização da Eletrobras. A privatização da Eletrobras está condicionada à conversão da MP em Lei, estando o processo sujeito à aprovação da Câmara e do Senado. Assim, apesar do forte ânimo de curto prazo do mercado e com as projeções de uma forte valorização dos ativos se a privatização acontecer, o projeto ainda deve enfrentar muitos obstáculos.

Conforme destaca a Safra Corretora, a MP é, em geral, semelhante ao projeto de lei de privatização 5.877/2019 proposto em 2019, que tramita no Congresso desde então.

As principais alterações em relação ao projeto anterior são: i) a prorrogação da concessão da hidrelétrica de Tucuruí por 30 anos, cuja operação está sujeita ao regime de produtor independente; ii) obrigação de investir R$ 230 milhões por ano, por 10 anos, na revitalização de bacias hidrográficas na área da hidrelétrica de Furnas, e R$ 295 milhões ao ano, por 10 anos, para redução dos custos de geração no Amazonas legal, além dos investimentos de R$ 3,5 bilhões em 10 anos na bacia do rio São Francisco; iii) estabelecimento de novas regras de distribuição de receitas entre Governo e CDE (conta setorial paga pelos consumidores e voltada para subsídios, desenvolvimento e programas sociais), por meio do pagamento de anuidades por 30 anos e a  iv) criação de golden share (veja o que é clicando aqui), de propriedade exclusiva do governo, que estabelece o poder de veto para alguns assuntos, ainda indefinido.

Já os principais pontos da privatização continuam como o projeto anterior são: i) o processo será feito por meio de aumento de capital com direito a voto, que também poderá ser seguido de oferta secundária de ações do governo;ii) o direito máximo de voto que um acionista poderá exercer ficará limitado a 10% e não será permitido bloco de controle para exercer participação com direito a voto superior a 10%; iii) ativos de geração renovados sob contratos de O&M terão uma nova concessão por 30 anos e, sob a nova concessão, o risco de déficit hídrico (GSF) será da Eletrobras; iv) Eletronuclear e Itaipu passarão por uma reestruturação societária para que o governo mantenha o controle.

A intenção do governo é de privatização da Eletrobras pela autorização de um aumento de capital em que a União terá a sua fatia diluída e perderá o controle. O objetivo do aumento de capital é pagar novos contratos de concessão do regime de cotas hoje ao produtor independente.

De acordo com a análise da Safra Corretora, essa é uma tentativa de iniciar a privatização da Eletrobras por meio de uma iniciativa mais direta pelo governo, permitindo que o BNDES comece a modelá-la, o que poderia trazer mais clareza sobre alguns aspectos do processo. Essa medida também pode pressionar o Congresso a acelerar o debate, já que a MP irá expirar em até 120 dias.

No entanto, os analistas possuem uma postura cautelosa, principalmente devido a incertezas relacionadas aos atributos da golden share, que pode dar ao governo o poder de interferir na gestão da companhia, elevando os riscos de governança. Além disso, ainda não é claro como o Congresso irá receber a proposta, dado que o projeto anterior não foi apreciado devido a oposições políticas. A Safra Corretora ainda aponta ser cedo para dizer se as estimativas preliminares do Ministério de Minas e Energia são justas. “Dito isso, nós reconhecemos que o início do processo pode animar os investidores no curto prazo”, avalia.

Na mesma linha, o Credit Suisse aponta que a medida é positiva para a empresa; porém, é necessário apoio político para que a proposta seja aprovada.  “Além disso, a proposta de pagamento da taxa de concessão parece inicialmente maior do que o esperado e vemos incerteza para muitas variáveis”, avaliam os analistas do banco suíço.

Eles ainda apontam que o governo já enfrentou dificuldades com a privatização, avaliando ser importante ter uma visão mais clara da opinião do Congresso.

“Lembramos a investidores que o governo sofreu anteriormente (para avançar) com a privatização e, consequentemente, acreditamos que é importante ter uma visão mais clara sobre a opinião do Congresso em relação a essa nova MP.” O projeto de lei sobre a desestatização enviado ao Congresso pelo governo Bolsonaro no final de 2019 não andou, e sequer teve relator indicado.

Enquanto isso, ainda está no radar a nomeação do novo presidente para a empresa, uma vez que Wilson Ferreira Jr ficará no cargo de CEO da Eletrobras apenas até 5 de março.

A Levante Ideias de Investimentos também chama a atenção para o prazo oficial da tramitação das MPs, destacando que existem hoje, na fila, outras 25 Medidas Provisórias que têm preferência sobre a da Eletrobras.

Conforme já destacado acima, o prazo oficial de tramitação das MPs até que elas percam validade é de 60 dias, prorrogáveis por igual período. Nesse caso, a venda do controle da empresa por meio de diluição em uma oferta secundária de ações somente ocorreria após a conversão da MP em lei.

hotWords: apontam eletrobras ações – podem acontecer saltam

Seja anunciante no invistaja.info

No entanto, segundo o ministério de Minas e Energia, a modelagem da desestatização já poderá ser realizada enquanto o Congresso discute a MP e os estudos levam, em média, cerca de oito meses para conclusão. “O período coincide com as estimativas do ministério da Economia para a venda de ativos da Eletrobras – segundo apresentação do Programa de Parceria de Investimentos deste mês, o processo deve tomar forma apenas no quatro trimestre de 2021”, avaliam.

Assim, apesar de avaliar que o envio da MP tem impacto positivo nas ações da estatal (e a tendência deve seguir no curto prazo), o alerta é para a possibilidade de vencimento no Congresso devido à delicadeza do tema – que precisa de maioria simples nas duas Casas para ser aprovado. “Seguiremos atentos às negociações políticas em torno dela e, nesse contexto, será possível ter maior clareza se a capitalização da Eletrobras será feita, de fato, no final deste ano ou se o projeto vai ser adiado mais uma vez”, apontam os analistas da Levante.

Na avaliação de Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, o processo tem poucas chances de ser concluído no curto prazo, com as discussões devem se estender, podendo esbarrar inclusive no calendário eleitoral em 2022.

Para Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, e para Alex Agostini, da Austin Rating, o movimento do governo federal para a privatização da Eletrobras é um claro afago a Paulo Guedes, ministro da Economia, que sofreu um revés após Jair Bolsonaro criticar e anunciar a substituição do atual CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco (que foi indicado pelo ministro). Além disso, sinaliza para a continuidade da pauta liberal depois dos sinais intervencionistas do governo nas estatais no último fim de semana.

Vale aponta, contudo, que ainda não está claro o poder do Estado através da golden share nessa modelagem de privatização da companhia; ele ainda ressalta que é possível que o “afago” a Guedes após o revés na Petrobras termine por aí. Por outro lado, Agostini destaca que a medida indica o reconhecimento por Bolsonaro da importância que Guedes tem para o governo, indo em linha com o que já tinha sido encaminhado de medidas prioritárias para o Congresso, ainda que destacando as chances do projeto não ser aprovado pelo Legislativo.

Cenários para a companhia

Desta forma, mesmo com as considerações positivas e a forte alta dos ativos, o cenário geral é de cautela para os ativos.

Na avaliação do Goldman Sachs, o  cenário de análise pós-capitalização (desestatização) sugere um valor hipotético no intervalo entre R$ 58,3 e R$ 91,30 reais por ação para ELET3 (ações ordinárias) e entre R$ 63,80 e R$ 100,20 por ação para ELET6. Esses valores configurariam uma alta entre 78% e 179% para os ativos ON e entre 86% e 192% para os ativos PNA, levando em consideração o fechamento da véspera.

Contudo, destaca o banco americano, “há potenciais desafios para a aprovação da proposta, especialmente uma vez que a companhia ainda não tem um novo CEO indicado”.

O Itaú BBA, por sua vez, que possui recomendação outperform (desempenho acima da média) para as ações ELET3, com preço-alvo de R$ 56 por ativo, avalia que o papel ELET3 pode valer R$ 64 se a estatal for privatizada, um valor 95,90% maior frente o fechamento da véspera.

A Safra Corretora possui recomendação neutra para ELET3 e ELET6 desde a renúncia de Wilson Ferreira Junior do posto de CEO da Eletrobras, uma vez que avalia que aquele foi um sinal de que a privatização não aconteceria no curto prazo. O preço-alvo para as ações ELET3 é de R$ 35,10. Para ELET6, o preço-alvo é de R$ 36,70.

“Nós inicialmente tomamos uma postura cautelosa sobre a privatização até termos um senso melhor de como o processo irá evoluir”, ressaltam os analistas. Em caso de sucesso da privatização, eles apontam pontos positivos como plano de desinvestimentos, programas de economia de custos, melhoria na alocação de capital e melhor gestão dos passivos. Porém, ainda é preciso aguardar a receptividade do projeto no Congresso para traçar perspectivas mais positivas.

(Colaboração de Priscila Yazbek)

. Deixe seu e-mail para assistir de graça.

palavras-chave: Ações da Eletrobras saltam na semana e podem dobrar de valor se privatização acontecer – mas analistas apontam obstáculos; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Ações da Eletrobras saltam na semana e podem dobrar de valor se privatização acontecer – mas analistas apontam obstáculos

REFLEXÃO: Harold Pollack, da Universidade de Chicago: Guarde entre 15 e 20% e invista em fundos de índices com taxa baixa.

Veja também:

Ingerência de Bolsonaro na Petrobras divide eleitores, mostra XP/Ipespe

Mercado deve esperar outra rotação global de ações, diz UBS

Mercedes-Benz confirma investimento programado de R$ 2,4 bi no Brasil até 2022

Estoques de petróleo têm surpreendente alta, mas produção cai nos EUA, diz DoE

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.