Brasil encara ameaça de estagflação “light”

Situação deixa o Banco Central (BC) em uma posição cada vez mais difícil
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias do mercado financeiro

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Brasil encara ameaça de estagflação “light”; invistaja.info;


ALUP11 | Pat.Liq: 5750120000.0 | EV/EBIT: 4.34 | P/L: 7.93 | Mrg.Liq.: 0.3347 | Liq.Corr.: 1.78 | PSR: 1.217

ListenToMarket: Brasil encara ameaça de estagflação “light” – Áudio gerado às: 11:40:53

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASÍLIA (invistaja.info) – O Brasil caminha para a “estagflação” à medida que a economia cambaleia à beira da recessão e a inflação dispara acima da meta oficial para o ano, deixando o Banco Central (BC) em uma posição cada vez mais difícil.

Como a autoridade monetária pode lidar com as pressões sobre os preços sem causar danos adicionais a uma economia devastada por uma das epidemias de Covid-19 mais letais do mundo?

“Em parte isso está ocorrendo no Brasil porque os custos de produção mais altos estão pressionando a inflação e afetando a atividade econômica”, disse Caio Megale, economista-chefe da XP Investimentos e ex-integrante da equipe de Paulo Guedes no Ministério da Economia.

+CVM abrirá investigação contra CEEE por omissão na divulgação de informações

Como muitos, Megale acredita que o BC manterá a inflação sob controle e que qualquer surto de estagflação será relativamente brando.

Mas ele reconhece o risco potencial de a alta da inflação alimentar expectativas futuras, especialmente em uma economia com um histórico de inflação elevada, onde contratos e acordos indexados ainda têm preponderância.

O BC elevou a taxa básica de juros da economia no mês passado pela primeira vez em seis anos, para 2,75%, de uma mínima recorde de 2,00%, e indicou a intenção de promover nova alta de 0,75 ponto percentual em maio.

Com a inflação em 12 meses agora em 6,1%, bem acima da meta central de 3,75% para o ano, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a ideia é antecipar o aperto para manter as expectativas para 2022 e além sob controle e evitar assim aumentos acentuados da Selic.

Muitos economistas avaliam que a inflação vai superar 7% em breve. O real acumula queda de quase 10% este ano após recuo de 25% no ano passado, enquanto dados do índice de gerentes de compras do IHS Markit mostram que os custos de insumos em manufatura e serviços são os mais elevados desde o início da série, em 2007.

A perspectiva fiscal, com o presidente Jair Bolsonaro ainda não tendo sancionado o Orçamento de 2021 e o governo potencialmente a caminho de romper sua regra do “teto de gastos” neste ano, também estão alimentando temores de inflação.

RECESSÃO?

hotWords: “light” encara ameaça

Seja anunciante no invistaja.info

“O Brasil parece particularmente vulnerável a um aumento maior e mais persistente da inflação… dadas as dinâmicas instáveis na economia, nas políticas públicas e na política”, escreveram economistas do Goldman Sachs em relatório, citando a taxa de câmbio, o grau de ancoragem das expectativas de inflação e as políticas de curto prazo.

Ainda que o BC esteja aumentando o custo dos empréstimos, o juro real está em -3,35%, menor nível em mais de 20 anos.

Campos Neto tem defendido reiteradamente a postura de “normalização parcial” da autarquia. “Precisamos mexer na taxa, mas ainda estar em terreno estimulativo”, afirmou na terça-feira.

Isso se deve em grande parte ao fato de as perspectivas de crescimento de curto prazo estarem se deteriorando, conforme a pandemia não dá sinais de retração e as obstruções fiscais e políticas em Brasília contribuem para minar a confiança de empresários, consumidores e investidores.

O desemprego, por sua vez, subiu acima de 14% e pode em breve superar o recorde histórico de 14,6%, alcançado em 2020.

É provável que essas dinâmicas persistam pelos próximos meses antes de as vacinações em massa ajudarem a economia a se recuperar no segundo semestre do ano, quando os choques nos preços das commodities e nas taxas de câmbio podem também começar a perder força.

Economistas do BNP Paribas projetaram nesta semana uma recessão técnica, vendo a economia encolher 0,7% no primeiro trimestre e 1,3% no segundo.

Mas como muitos de seus colegas, Gustavo Arruda, chefe de pesquisa para América Latina do BNP Paribas, está confiante de que a estagflação do Brasil será amena e de curta duração –muito longe da combinação de choque de preços de energia e espiral de aumento de salários que arruinou muitas economias importantes na década de 1970.

“A política monetária não correrá o risco de permitir que as expectativas de inflação tornem-se desancoradas”, disse Arruda.

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

palavras-chave: Brasil encara ameaça de estagflação “light”; invistaja.info;

FARIA LIMA | mercados | invistaja.info – Brasil encara ameaça de estagflação “light”

REFLEXÃO: Harold Pollack, da Universidade de Chicago: Guarde entre 15 e 20% e invista em fundos de índices com taxa baixa.

Notícias relacionadas:

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem ao menor nível em mais de 1 ano

Ações de Vale e siderúrgicas voltam a subir com minério, bancos avançam seguindo EUA e JBS tem alta de 3%

Ação da Cia. Hering salta mais de 20% com proposta de fusão (negada) da Arezzo; Credit aponta que história não chegou ao fim

Ibovespa sobe e supera os 121 mil pontos com bom humor externo, apesar de debate fiscal; dólar cai a R$ 5,60

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *