Caffarelli deixa presidência da Cielo, Itaú BBA corta recomendação para ação da Ambev, MP da Eletrobras e mais notícias

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (20)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Negociando na bolsa de valores

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Caffarelli deixa presidência da Cielo, Itaú BBA corta recomendação para ação da Ambev, MP da Eletrobras e mais notícias; invistaja.info;


PLPL3 | Cotacao: 6.23 | ROIC: 0.3745 | Liq.Corr.: 5.68 | P/Ativo: 1.087 | ROE: 0.5776 | P/VP: 4.54

BRASIL | invistaja.info — O noticiário corporativo desta quinta-feira (20) tem como destaque a aprovação da MP da Eletrobras pela Câmara, a saída inesperada de Paulo Caffarelli da presidência da Cielo e a redução da recomendação da Ambev pelo Itaú BBA. Confira mais destaques abaixo:

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de quarta-feira o texto da medida provisória que permite a privatização da Eletrobras. A proposta autoriza o governo a diluir sua participação na estatal, hoje em torno de 60% para 45%, por meio da oferta de novas ações no mercado. A MP foi aprovada por 313 votos a favor a 166. Os deputados votaram todos os “destaques” durante a madrugada de quinta-feira. O texto agora passa à análise do Senado, onde tem de ser aprovado até o dia 22 de junho para que não perca a validade.

+Fed reforça que alta da inflação é transitória, mas sinaliza discussão para mudança nas compras de ativos

A MP foi aprovada sem apoio da oposição e com resistência de partidos da base aliada. Pela manhã de ontem, partidos entraram com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar impedir a votação. O líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que a votação era uma afronta à democracia, por não ter sido discutida em uma comissão mista, formada por deputados e senadores.

Apesar da negociação do governo com o relator da proposta, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), nos últimos dias, a MP foi aprovada com diversos “jabutis”, como são chamadas as emendas que mudam o teor do texto do Executivo. Por meio de um acordo, o deputado chegou a retirar algumas das medidas, mas manteve propostas que terão como consequência o aumento da conta de luz do consumidor final.

O primeiro parecer apresentado por Nascimento condicionava a privatização da Eletrobras à contratação prévia de 6 mil megawatts (MW) de termelétricas em locais definidos pelo relator. A contrapartida foi retirada do texto em uma nova versão do relatório, apresentado nesta tarde durante análise da matéria no plenário.

A exigência foi suprimida após o governo alegar que não havia projetos para todas essas usinas e com o risco de que isso impedisse a privatização, prevista para ser concluída no início de 2022.

Contudo, o relator manteve a contratação dessas termelétricas, por meio de leilão, nas Regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste, onde há poucas reservas e gasodutos. A construção de infraestrutura para escoar o insumo deve resultar no aumento de custos para o consumidor. Deputados se manifestaram contra à proposta. “Estamos reduzindo a eficiência do setor como um todo, criando um custo desnecessário. Podemos, sim, contratar energia de térmicas, onde há gás e gasodutos”, afirmou o deputado Felipe Rigoni (PSB-ES).

Ao contrário do que foi acordado com o governo, o deputado não retirou a obrigação permanente de contratar uma mínima de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) em leilões de energia nova. Ele manteve uma regra pela contratação mínima de 2 mil MW de PCHs nos leilões A-5 e A-6. Depois desses 2 mil MW, os leilões ainda deverão contratar 40% de PCHs nos leilões até 2026, por 20 anos, ao preço do leilão A-6 de 2019, de R$ 285,00 por MWh.

O texto aprovado também permite a prorrogação dos contratos das usinas contratadas no âmbito do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). Com o vencimento dos contratos, as usinas teriam de disputar leilões de energia velha e reduzir seus custos. A MP, no entanto, vai permitir que elas tenham as outorgas estendidas de forma automática, por mais 20 anos, a preço de energia nova – que inclui o valor da construção de um novo empreendimento, embora elas já estejam prontas.

Cielo (CIEL3)

O conselho de administração da Cielo aprovou em reunião na véspera o pedido de renúncia do diretor-presidente da companhia Paulo Rogério Caffarelli. Na mesma reunião, o colegiado elegeu para o posto, por unanimidade, Gustavo Henrique Santos de Sousa, que hoje ocupa os cargos de Diretor sem Designação Específica (vice-presidente de Finanças) e de Diretor de Relações com Investidores.

Em comunicado, a companhia afirma que Santos de Sousa ficará até a primeira reunião a ser realizada pelo Conselho de Administração imediatamente após a Assembleia Geral Ordinária da companhia que deliberar sobre questões referentes ao exercício social de 2021. O documento também diz que o executivo preenche todas as condições previstas em resolução do Banco Central e somente tomará posse após a homologação de sua eleição pelo BC.

Na avaliação do Itaú BBA, a notícia é ligeiramente negativa, destacando que Caffarelli, que é CEO da Cielo há três anos, liderou mudanças importantes na empresa, incluindo o foco estratégico no desenvolvimento de uma plataforma de distribuição, produtos, CRM e soluções centradas na segmentação de lojistas de SMB.

Além disso, a Cielo enfrenta atualmente enormes desafios operacionais, com o setor de pagamento passando por mudanças disruptivas impulsionadas pela intensificação da competição em produtos de aquisição tradicionais e pela implementação de novas iniciativas regulatórias e tecnológicas (por exemplo, avanço do PIX, WhatsApp Pay, etc.). Por fim, concorrentes como PagSeguro, Stone e Mercado Pago, entre outros, estão ampliando sua oferta de produtos, principalmente em produtos bancários, de crédito e de software.

hotWords: eletrobras caffarelli mais deixa notícias para presidência

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

“Acreditamos que a renúncia de Caffarelli representa um desafio a mais no contexto dinâmico e competitivo que a Cielo está enfrentando e deve se somar às incertezas do mercado quanto à capacidade da empresa de se reinventar em um cenário extremamente adverso”, avaliam os analistas do BBA.

Ambev (ABEV3)

O Itaú BBA rebaixou ainda a recomendação para as ações da Ambev, que passaram de outperform (desempenho acima da média do mercado) para marketperform (desempenho em linha com a média do mercado), apesar da elevação do preço-alvo para 2021 de R$ 18 para R$ 19.

“Os resultados do quarto trimestre de 2020 e do primeiro trimestre de 2021 foram positivos e superaram nossas estimativas, com os principais fatores sendo preços acima do esperado e volumes melhores do que o esperado. Enquanto incorporamos esse momentum em nossas projeções revisadas, levando a revisões positivas, destacamos que a partir da segunda metade do ano haverá uma base de comparação mais difícil para o resto do ano. Somando-se a isso, vemos uma inflação de custos persistente se estendendo até 2022, o que poderia criar desafios adicionais à medida que a Ambev busca expandir suas margens”, apontam os analistas.

De acordo com os analistas, apesar da notável execução da empresa em termos de inovação tecnológica e de produto, a redução da recomendação é baseada no: forte desempenho das ações desde a elevação da recomendação em dezembro, levando a um potencial de alta mais limitado e as perspectivas desafiadoras para o segundo semestre de 2021 e para 2022.

CCR (CCRO3)

A CCR comunicou que a diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovou a celebração do PrimeiroTermo Aditivo ao Contrato de concessão firmado por sua controlada direta MSVia com a União em 2013, por intermédio da agência reguladora.

O termo estabelece as obrigações relativas à relicitação do trecho concedido da BR-163/MS, trechoentre a divisa do estado do Mato Grosso e a divisa com o Paraná, nos termos da qualificação do empreendimento aprovada em março.

Allied (ALLD3)

O Itaú BBA iniciou cobertura para a ação da distribuidora varejista de produtos eletrônicos Allied Tecnologia com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 32, o que corresponde a um potencial de valorização de 67,5% frente o fechamento da véspera. A companhia estreou na B3 em abril de 2021.

“Vemos a empresa como um nome interessante que oferece um crescimento saudável a uma valuation barato”, apontam os analistas. Eles destacam que a companhia possui participação de mercado dominante no negócio de distribuição, presença saudável na frente digital e expansão contínua da operação de varejo devem impulsionar o crescimento sólido de lucro por ação nos próximos quatro anos.

“A combinação aprimorada resultante da expansão digital e do varejo do negócio de distribuição deve se traduzir em melhores métricas de retorno”, avaliam, destacando que a empresa tem um balanço sólido e algumas opcionalidades que podem jogar a favor da Allied no médio prazo.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Stock Pickers lança curso online e gratuito que ensina a identificar ativos com ótimo potencial de valorização. Inscreva-se.

 

BRASÍLIA | mercados | invistaja.info – Caffarelli deixa presidência da Cielo, Itaú BBA corta recomendação para ação da Ambev, MP da Eletrobras e mais notícias

REFLEXÃO: Robert Brokamp, da Motley Fool: Diversificação reduz os riscos, aumenta a previsibilidade e impulsiona os retornos.

Leia também:

Pfizer entrega mais 629 mil doses da vacina contra a Covid-19

De arroz até bicicleta, doce, internet e reforma: veja o que mais aumentou de preço durante a pandemia

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quinta-feira – 20/5

Índices futuros americanos recuam após ata do Fomc, enquanto bolsas europeias têm leve alta

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.