CBA (CBAV3): Analistas recomendam compra para ação com “transformação verde” e veem potencial de alta de até 73%

Analistas da XP, Bradesco BBI e BofA destacam que companhia está bem posicionada para o futuro e apontam que ações negociam a valuation atrativos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Investindo como profissionais

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: CBA (CBAV3): Analistas recomendam compra para ação com “transformação verde” e veem potencial de alta de até 73%; invistaja.info;


LUXM4 | Mrg.Liq.: 0.1035 | Liq.2meses: 15320.5 | PSR: 3.641 | EV/EBIT: 24.86 | P/L: 35.18 | DY: 0.0204

ListenToMarket: CBA (CBAV3): Analistas recomendam compra para ação com “transformação verde” e veem potencial de alta de até 73% – Áudio gerado às: 14:10:42

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BELO HORIZONTE | invistaja.info — Um pouco mais de um mês após a sua estreia na Bolsa, em 15 de julho, até a última sexta-feira (20), os papéis da Companhia Brasileira de Alumínio, CBA (CBAV3), ficaram praticamente de lado, passando por uma queda de 1,8% no período (indo de R$ 11,20 para R$ 11).

Contudo, a produtora de alumínio pertencente ao grupo Votorantim teve a cobertura iniciada por três casas de análise com uma visão positiva – e com os analistas vendo um potencial de alta de até 73% para os ativos. Dentre os motivos para enxergarem alta nas ações, estão o valuation descontado e o bom posicionamento da companhia para a “transformação verde”.

Tanto a XP quanto o BBI possuem recomendação de compra ou equivalente à compra (outperform no caso do BBI, ou desempenho acima da média do mercado) com preço-alvo de R$ 19, uma alta de 73% em relação ao fechamento de sexta-feira. Nesta segunda-feira, às 13h50 (horário de Brasília), os ativos CBAV3 subiam 2,09%, a R$ 11,23.

+“Airbnb” dos armazenamentos avança em meio à pandemia

Fundada em 1941, a Companhia Brasileira de Alumínio é líder em participação de mercado nos principais segmentos em que atua no setor de alumínio no Brasil, com foco estratégico em produtos de alto valor agregado e margens. A CBA é uma produtora totalmente integrada em toda a cadeia de valor do alumínio. A XP destaca que ela é a única empresa na América Latina com um portfólio completo de produtos de alumínio e um mix de produção altamente flexível.

Yuri Pereira, Thales Carmo e Marcella Ungaretti, analistas da XP que assinam o relatório sobre CBA, destacam quatro principais pilares da tese são: (i) mudanças estruturais do perfil de consumo – em um mundo mais sustentável – devem aumentar a demanda por alumínio e colocar desafios ao fornecimento, devido à atual matriz energética da China (carvão), (ii) projetos de expansão em linha com as tendências de mercado; (iii) valuation atrativo, pois veem a CBAV3 sendo negociada a 3,3 vezes a relação entre o valor da empresa e o Ebitda (EV/Ebitda) esperado para 2022, abaixo da média dos pares entre 4 vezes (produtores de alumínio primário) e 6,5 vezes (alumínio secundário); e (iv) também por conta do forte posicionamento ESG (alinhado às melhores práticas de meio ambiente, social e governança corporativa).

“Os preços do alumínio sobem 30% no acumulado do ano (US$ 2.569 por tonelada) com a demanda global por metais intensificada, especialmente na China. Esperamos que o consumo de alumínio permaneça alto, pelo menos no curto prazo, à medida que os países reabram gradualmente suas economias”, apontam os analistas.

Eles veem a mudança estrutural para alternativas mais verdes como o principal motivador para o avanço da indústria, uma vez que o metal se destaca como um dos mais ecológicos do planeta e o material mais reciclado dentre os metais industriais, em uma base percentual.

Nesse sentido, a CBA tem um plano completo de expansão para os próximos anos, considerado no modelo de análise. A XP destaca o Projeto Rondon, um greenfield que vai explorar bauxita de alta qualidade a custos competitivos, com capacidade anual de 4,5 milhões de toneladas por ano (mtpa). O projeto de aumento da produção de alumínio é outro destaque.

Além disso, em conformidade com a estratégia ESG, a empresa tem um projeto de melhoria contínua das instalações de reciclagem, adicionando até 50 mil toneladas por de capacidade com o investimento em uma nova linha de tratamento de sucata, apontam os analistas.

hotWords: potencial alta (cbav3): ação analistas “transformação

Seja anunciante no invistaja.info

“O modelo de negócios na oferta de alumínio de baixo carbono da CBA, somado aos altos padrões ESG da companhia, nos levam a ver a empresa se destacando em relação aos seus pares, estando estrategicamente posicionada para o futuro”, ressaltam.

O Bradesco BBI também destaca que a tese de investimento na empresa se baseia em custo baixo de energia renovável e da bauxita, boas tendências globais de descarbonização, crescimento de projetos de crescimento com baixo custo e uma perspectiva positiva para os preços do alumínio.

O banco prevê que o preço do alumínio chegue a US$ 2.500 por tonelada em 2022, a US$ 2.300 por tonelada em 2023 e a US$ 2 mil a tonelada no longo prazo, enxergando tendências estruturais sólidas por conta de demanda de veículos elétricos, substituição do plástico, projetos de energia renovável, prédios “verdes” e com estrutura mais leve e exigências de descarbonização.

O banco também enxerga preços com desconto injustificado em relação a outras empresas do setor. Já entre os riscos, o BBI cita a possibilidade de preços de alumínio mais baixos do que o esperado, o que poderia ocorrer se a demanda da China não correspondesse à expectativa ou se a economia do Brasil piorasse, impactando a demanda interna.

Já o Bank of America tem um preço-alvo mais baixo frente as duas outras casas, de R$ 16, mas ainda representando um potencial de valorização de 45% em relação ao fechamento de sexta. A recomendação para o papel também é de compra.

Leonardo Neratika, Guilherme Rosito e Michael Widmer, analistas do banco americano, reforçam a visão de que a companhia opera em um modelo de baixo custo e com integração das produções de bauxita e alumínio, o que complementa a exposição à matriz de energias renováveis.

Além disso, também reforçam o bom posicionamento da companhia em relação à “transformação verde”, levando a um cenário de tendências positivas para a demanda de alumínio. Enquanto isso, a oferta deve seguir limitada, ocasionando déficit no mercado.

Com relação ao valuation, os analistas estimam as ações negociadas atualmente a um múltiplo de 3,1 vezes seu valor de mercado sobre a projeção de Ebitda para 2022, o que é visto como atrativo pelos analistas.

Curso gratuito ensina a ter consistência na bolsa para ganhar e rentabilizar capital. Participe!

palavras-chave: CBA (CBAV3): Analistas recomendam compra para ação com “transformação verde” e veem potencial de alta de até 73%; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – CBA (CBAV3): Analistas recomendam compra para ação com “transformação verde” e veem potencial de alta de até 73%

REFLEXÃO: Michael Batnick, gestor de patrimônios da Ritholtz: Evitar erros catastróficos é mais importante do que construir o portfólio perfeito.

Leia também:

PayPal anuncia que usuários no Reino Unido poderão operar criptomoedas

Jerome Powell tem maior chance de 2º mandato com apoio de Yellen

O que fazer após o sell-off de ações de mineradoras e siderúrgicas na Bolsa? Credit aponta papéis mais atrativos

Cidade de São Paulo vai exigir comprovante de vacina para entrada em eventos, shoppings e restaurantes

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade