Congresso flerta com precatórios fora do teto, enquanto equipe econômica quer parcelamento

Definição do caminho para diminuir a conta de precatórios em 2022 está hoje no centro de um impasse ligado à PEC sobre o tema
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Negociando na bolsa de valores

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Congresso flerta com precatórios fora do teto, enquanto equipe econômica quer parcelamento; invistaja.info;


SAPR11 | ROE: 0.1373 | EV/EBITDA: 4.04 | DY: 0.0526 | Mrg.Liq.: 0.2064 | ROIC: 0.1394 | Liq.2meses: 36779300.0

ListenToMarket: Congresso flerta com precatórios fora do teto, enquanto equipe econômica quer parcelamento – Áudio gerado às: 16:30:30

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASÍLIA (invistaja.info) – Enquanto líderes parlamentares flertam com a exclusão dos precatórios da regra do teto de gastos, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, desaprova a ideia como solução para a pressão que essas despesas exercem hoje sobre o Orçamento, disseram duas fontes do time à Reuters.

Dentro do ministério, prevalece a ideia de que a melhor saída para equacionar a questão é dar à União aval para parcelar os precatórios, que são requisições de pagamento expedidas pela Justiça em favor de pessoas jurídicas e físicas após derrotas definitivas sofridas pelo governo em processos judiciais.

De acordo com uma das fontes, a retirada do teto eliminaria qualquer incentivo para a gestão dessa despesa, que tem crescido vertiginosamente e está estimada em cerca de 90 bilhões de reais para 2022, contra 55 bilhões de reais em 2021. A título de comparação, o orçamento do Bolsa Família para este ano se aproxima de 35 bilhões de reais.

+TCU vê risco de desabastecimento no Brasil com venda de refinarias da Petrobras

Como os precatórios são gastos obrigatórios, sua expansão acelerada acaba comendo espaço, sob a regra do teto de gastos, para outras despesas do governo, incluindo o almejado aumento do Bolsa Família, que tem sido prometido em bases quase diárias pelo presidente Jair Bolsonaro.

A mesma fonte pontuou que a eliminação dos precatórios do teto elevaria o gasto potencial para o próximo ano de maneira muito mais expressiva. A abertura de espaço no Orçamento seria de quase 50 bilhões de reais, ante cerca de 30 bilhões de reais com a alternativa de parcelamento.

“Fazer exceção ao teto é ruim. Começa com isso e termina com o quê?”, disse a fonte, em referência à regra que é considerada atualmente a única âncora fiscal do país.

A definição do caminho para diminuir a conta de precatórios em 2022 está hoje no centro de um impasse ligado à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que já tinha sido finalizada no meio desta semana pelo Ministério da Economia.

Havia a expectativa de que o texto, que propõe o parcelamento dessas despesas, fosse rapidamente enviado ao Congresso, mas a tramitação acabou sendo empacada por objeções aos pilares da proposta.

hotWords: congresso precatórios enquanto econômica parcelamento quer

Anuncie no invistaja.info

Na véspera, o líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), disse ao jornal Valor Econômico que a retirada dos precatórios do teto de gastos estava sendo discutida e que seria uma alternativa melhor para convencimento dos parlamentares.

Mas uma segunda fonte do governo apontou que a construção com a equipe econômica não fora essa.

“Fizemos o parcelamento para não furar o teto”, afirmou.

Mesmo a fórmula eleita pela equipe de Guedes para achatar os gastos com precatórios no ano que vem tem enfrentado críticas.

Nesta sexta-feira, a Instituição Fiscal Independente (IFI), que é vinculada ao Senado, defendeu em relatório que os parcelamentos representariam um “golpe importante” ao teto dos gastos, gerando desconfianças sobre a possibilidade de futuros ajustes adicionais na regra, com possíveis repercussões no aumento do risco, dos juros e do custo médio da dívida.

Na própria PEC dos Precatórios, o governo também tinha esboçado um fundo que seria abastecido com privatizações e cujas despesas –que incluiriam pagamentos de precatórios– ficariam fora do teto. Nesse caso, contudo, a justificativa nos bastidores do ministério é que as receitas do fundo seriam não recorrentes e, portanto, as despesas também teriam esse caráter extraordinário, razão pela qual não deveriam precisar se sujeitar à regra que limita o crescimento dos gastos à inflação do ano anterior.

palavras-chave: Congresso flerta com precatórios fora do teto, enquanto equipe econômica quer parcelamento; invistaja.info;

CURITIBA | economia | invistaja.info – Congresso flerta com precatórios fora do teto, enquanto equipe econômica quer parcelamento

REFLEXÃO: Eddy Elfenbein, dono do site Crossing Wall Street: Seja paciente e ignore modismos. Foque no valor e não entre em pânico.

Veja também:

Bolsonaro comemora aprovação do PL dos Correios na Câmara e projeta lucro de R$ 3 bilhões

BK Brasil tem mais um trimestre afetado pela pandemia e ação cai 4%, mas analistas veem bons sinais de melhora

JHSF tem forte resultado com incorporação e retomada dos shoppings, apontam analistas; ações sobem até 6%

Vale tem alta probabilidade de pagar mais dividendos além dos anunciados para setembro, aponta Credit Suisse

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade