Despesas caem, mas risco fiscal se mantém e alimenta corte em previsões de PIB

A incerteza fiscal está no centro da deterioração das condições do mercado
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de investidor para investidor

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Despesas caem, mas risco fiscal se mantém e alimenta corte em previsões de PIB; invistaja.info;


EPAR3 | Liq.Corr.: 1.37 | Liq.2meses: 63958.8 | P/Ativo: 0.959 | ROE: 0.7321 | Mrg.Ebit: 0.0544 | PSR: 0.291

ListenToMarket: Despesas caem, mas risco fiscal se mantém e alimenta corte em previsões de PIB – Áudio gerado às: 18:30:34

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

A incerteza fiscal está no centro da deterioração das condições do mercado e alimentou o corte das previsões de alta do Produto Interno Bruto (PIB). No entanto, na contramão desse círculo negativo, os indicadores das contas públicas mostram uma redução das principais despesas obrigatórias nos últimos três anos, como pessoal, Previdência e subsídios.

Enquanto as previsões do Ministério da Economia mostram que o governo vai entregar uma despesa menor do que encontrou – 17,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, em comparação a 19,3% em 2018 -, o quadro atual é de alta dos juros futuros com falta de credibilidade por causa da trajetória das contas públicas e do medo do populismo no ano eleitoral.

Essa contradição do quadro recente da economia brasileira tem chamado a atenção de economistas. O maior problema, reconhecido até mesmo por integrantes da equipe econômica, é que o governo não está conseguindo coordenar as expectativas e tirar proveito dessa redução dos gastos obrigatórios, que incluem pagamento de salários e benefícios previdenciários.

+Americanas compra Skoob, brMalls recomprará ações, BlackRock atinge fatia de 5% na Cogna e mais notícias

Um ponto de consenso é que governo e Congresso não podem perder mais tempo e precisam resolver o quanto antes os dois principais problemas: o novo Bolsa Família e o pagamento de precatórios, dívidas que a União é obrigada a quitar depois de derrotas na Justiça.

Segundo apurou o Estadão, a costura política está sendo feita para aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O grupo político prefere apoiar a proposta do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que retira os precatórios do teto de gastos, a regra que impede que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação. Ramos se reuniu ontem à noite com o secretário especial de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, para tratar o assunto.

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer um acordo para uma PEC que contenha a solução “Fux-Dantas”. Essa proposta estava sendo construída pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, e pelo ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU). Cria uma espécie de subteto para o pagamento dessas despesas. Ontem, Guedes fez um “pedido desesperado de socorro” a Fux, que brincou que o “filho” não era dele.

É preciso que a PEC seja aprovada até o final de outubro para o governo enviar uma mensagem modificativa do projeto de lei do Orçamento, quando se espera definir os recursos para reforço do Bolsa Família, com benefício de R$ 300. Para isso, negocia-se uma tramitação mais rápida da PEC.

hotWords: corte alimenta previsões caem, risco

Publique seu negócio no invistaja.info

Para o coordenador do Observatório Fiscal da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Manoel Pires, há muitas perguntas sem resposta e o receio de a economia passar por um período de estagflação, combinação perversa de crescimento pequeno e alta de preços. “As forças políticas precisam achar uma forma de equacionar”, diz ele, que aponta as emendas parlamentares, outro ponto a ser resolvido para diminuir a incerteza.

“O governo se comunica muito mal. Tem coisa boa, sim, mas o que tem de bom é retrovisor, é passado. E o que preocupa mais é o futuro”, afirma o economista-chefe e sócio da RPS Capital, Gabriel Leal de Barros. Segundo ele, o preço mais favorável das commodities (produtos básicos, como alimentos, minério de ferro e petróleo) e o aumento das receitas ajudaram o governo a melhorar o quadro da dívida e do rombo nas contas. “Mas o governo não soube capitalizar os pequenos ganhos que teve”, diz.

‘Moratória seletiva’

Segundo Tiago Pessoa, responsável pelas mesas de operações do Morgan Stanley para América Latina, os precatórios estão gerando uma grande insegurança no mercado. “O Guedes falou num evento, e ele está certo, que esse barulho político deixa a curva de juros mais alta, mas muito desse barulho vem do próprio governo.”

Segundo Pessoa, insistir nesse modelo de parcelamento dessa dívida, que vai ser mais cara do que pagar, abre o precedente para governos futuros criarem essa moratória seletiva de outras despesas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Conheça o plano de ação da XP para você transformar os desafios de 2022 em oportunidades de investimento.

palavras-chave: Despesas caem, mas risco fiscal se mantém e alimenta corte em previsões de PIB; invistaja.info;

CALIFORNIA | economia | invistaja.info – Despesas caem, mas risco fiscal se mantém e alimenta corte em previsões de PIB

REFLEXÃO: Michael Kitces, conselheiro financeiro: Invista pensando no longo prazo, não especule, mas, não ignore as flutuações do mercado.

Veja também:

Bitcoin registra Golden Cross e anima investidores, mas especialistas alertam para falta de peso no preço; entenda

Ibovespa fecha em queda pela 3ª vez seguida e volta aos 113 mil pontos com política e exterior; dólar sobe

Lira diz que Petrobras precisa prestar informações adequadas sobre preços de combustíveis e ações caem na Bolsa

Banco Central deveria acelerar aumentos de juros agora para não correr atrás da inflação depois, diz economista do BNP

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade