Publicidade

Dose de reforço pode reduzir ameaça da ômicron, mostram estudos

Estudos, incluído os da África do Sul e da Suécia, mostram que a ômicron causa perda de proteção imunológica, mas não totalmente
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação para traders e investidores

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Dose de reforço pode reduzir ameaça da ômicron, mostram estudos; invistaja.info;


CVCB3 | Liq.2meses: 160718000.0 | P/Ativo: 0.624 | Cotacao: 14.69 | Mrg.Liq.: 0.0766 | Mrg.Ebit: -0.6092 | P/ACL: -2.26

(MarketMsg) — Os resultados dos primeiros estudos sobre a ômicron são cautelosamente otimistas: embora vacinas como as da Pfizer e BioNTech sejam menos poderosas contra a nova variante do COVID-19, a proteção que oferecem pode aumentar com doses de reforço.

Estudos, incluído os da África do Sul e da Suécia, mostram que, como muitos temiam, a ômicron causa perda de proteção imunológica, mas não totalmente.

Em uma análise do plasma sanguíneo de pessoas que receberam duas doses do imunizante da Pfizer-BioNTech, os níveis de anticorpos bloqueadores do vírus foram 41 vezes menores em comparação com a cepa que circulava no início da pandemia.

+Ícone paulistano, hotel Maksoud Plaza fecha as portas após 42 anos de festas, glamour e hóspedes ilustres

Já um estudo do Instituto Karolinska de Estocolmo entregou conclusões mais animadoras, principalmente que a queda dos anticorpos contra a ômicron é apenas um pouco pior do que no caso da delta (variante responsável pela maioria dos casos de Covid-19 em todo o mundo atualmente).

Os resultados traçam uma visão inicial e incompleta do potencial estrago que a ômicron pode causar. Os estudos têm pequena escala e por isso suas descobertas não são conclusivas.

E os dados não contam a história toda, porque os níveis de anticorpos são apenas parte da resposta do sistema imunológico contra o vírus. As células T — apelidadas de “matadoras” — também são importantes na proteção contra doenças graves e é mais difícil medir esse desempenho em laboratório.

Os pesquisadores enxergam motivos para esperança. A perda de imunidade é “significativa, mas não completa”, disse Alex Sigal, pesquisador-chefe do Instituto de Pesquisa em Saúde da África em Durban, que apresentou os resultados do primeiro estudo na terça-feira.

hotWords: estudos ameaça mostram dose ômicron,

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

“Um bom reforço provavelmente diminuiria a chance de infecção, especialmente a infecção que leva a doença grave”, disse ele.

Diante de sinais de maior transmissibilidade do coronavírus com a nova cepa, a Organização Mundial de Saúde alertou que a ômicron pode causar surtos com “consequências graves”.

Ainda assim, o salto nos casos na África do Sul após o surgimento da ômicron não lotou os hospitais até agora, gerando um otimismo cauteloso de que a nova variante cause principalmente casos leves da doença.

palavras-chave: Dose de reforço pode reduzir ameaça da ômicron, mostram estudos; invistaja.info;

FARIA LIMA | economia | invistaja.info – Dose de reforço pode reduzir ameaça da ômicron, mostram estudos

REFLEXÃO: Rich Greifner, da Motley Fool: Pense a longo prazo, seja paciente e busque por retornos assimétricos.

Notícias relacionadas:

Governo edita MP que garante pagamento de R$400 em dezembro a beneficiados pelo Auxílio Brasil

Vendas no varejo têm variação negativa de 0,1% em outubro; dado é pior do que o esperado

China: ações da Kaisa são suspensas em Hong Kong após vencimento de dívida sem pagamento

Pequenos negócios geraram quase 80% das vagas de trabalho em outubro

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade