PUBLICIDADE

Empresas montam cruzeiros de vários meses para o pós-Covid

Empresa não teve problemas para lotar dois navios de 930 passageiros, embora as fronteiras de muitos países da visita permaneçam fechadas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de investidor para investidor

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Empresas montam cruzeiros de vários meses para o pós-Covid; invistaja.info;


LCAM3 | EV/EBIT: 20.04 | Cresc.5anos: 0.7304 | DY: 0.0196 | P/Ativo: 0.839 | P/L: 31.48 | PSR: 2.171

(MarketMsg) — Depois de um ano de isolamento e bloqueios, quatro meses em um navio parece muito bom para os super fãs de cruzeiros.

A pandemia de Covid-19 abalava o globo em julho, quando a Viking Ocean Cruises abriu as reservas para itinerário de um cruzeiro mundial de 136 dias. A partida no Natal de 2021 se esgotou em semanas. Em dezembro, em meio a uma segunda onda, a empresa abriu um segundo cruzeiro para o mesmo período. Também se esgotou rapidamente.

A empresa não teve problemas para lotar dois de seus quase idênticos navios de 930 passageiros, o Viking Star e o Viking Neptune, embora as fronteiras de muitos países da visita permaneçam fechadas para visitantes internacionais. As únicas cabines que não foram vendidas, na verdade, foram aquelas bloqueadas para possíveis necessidades de quarentena. Agora, a empresa está montando um itinerário adicional ao redor do mundo a partir de 2023.

+Ação do Assaí (ASAI3) fecha em alta de 386% em estreia após cisão, enquanto Pão de Açúcar (PCAR3) cai 66%: por que movimentos tão bruscos?

“Estamos procurando abrir a próxima oportunidade o mais rápido possível”, disse Richard Marnell, vice-presidente executivo de marketing da Viking.

Apesar das terríveis dificuldades da indústria de cruzeiros no ano passado – ou possivelmente, por causa delas – os bilhetes mais procurados em muitas empresas de cruzeiros são caros, com passeios mundiais de vários meses planejados para acontecer em um ano ou mais.

Essas reservas, que podem custar de cerca de US$ 50.000 por casal em quartos standard a centenas de milhares de dólares em suítes de primeira linha, representam um raro lampejo de esperança para uma indústria que perdeu mais de US$ 30 bilhões e continua oprimida pela incerteza. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos atualmente considera que cruzeiros possuem um “nível muito alto” de risco para Covid-19 e recomenda que os viajantes os evitem no mundo todo; até o momento, a maioria das linhas cancelou viagens até junho, e até mesmo esse cronograma parece otimista.

A Viking não é a única linha com grandes planos para um futuro bastante distante. Em 27 de janeiro, a Oceania Cruises abriu as vendas ao público de seu cruzeiro 2023 “Around the World in 180 Days” (Volta ao mundo em 180 dias), que atingirá cinco continentes, incluindo a Antártica. A linha de luxo esgotou um navio de 684 passageiros em um dia.

A linha Ultraluxury Seabourn, por sua vez, esgotou todas as suítes de alto nível em dois cruzeiros mundiais no Seabourn Sojourn para 450 passageiros, com casais pagando até meio milhão de dólares por cruzeiros de cinco meses começando em 2022 e 2023. Há tanta demanda, que a empresa abriu recentemente listas de espera.

Por que agora?

Muitos fatores estão impulsionando essa tendência, como a promessa de vacinas para o famoso grupo demográfico tradicional dos cruzeiros.

Os cruzeiros mundiais não circundam necessariamente o globo, apesar do nome. Mas as pessoas que ficaram presas em casa desde março de 2020 estão aparentemente otimistas em ver o máximo possível do mundo de uma só vez – incluindo destinos difíceis de alcançar como a Ilha de Páscoa, Bora Bora ou as Seychelles.

Demanda reprimida e “repriorização dos objetivos de vida” estão em jogo aqui, diz Matthew D. Upchurch, presidente da Virtuoso, rede de consultoria de viagens de luxo. Além dos cruzeiros mundiais, que normalmente acontecem durante o inverno e a primavera, ele diz que viagens mais longas de várias semanas ou meses estão atraindo mais interesse do que antes da pandemia.

“Há um anseio pelas oportunidades perdidas no ano passado e um forte desejo de aproveitar as vantagens de ver o mundo enquanto podem”, diz Upchurch.

Segurança

hotWords: montam meses pós-covid para

Seja anunciante no invistaja.info

Entre as pessoas que desejam voltar ao mar estão Linda Weissman e seu marido Marty, cirurgião ortopédico aposentado. A dupla escapou das temperaturas frias em Michigan e “invernou” nos cruzeiros mundiais da Cunard 14 vezes – sempre hospedando-se em uma suíte de luxo Queen’s Grill. Eles planejam fazer mais viagens mundiais de quatro meses no Queen Mary 2 em 2022.

“Sinto falta das pessoas, do serviço, de ser servida e cuidada como a realeza 24 horas por dia, 7 dias por semana”, diz Linda.

Após a pandemia, os passageiros terão que lidar com algumas preocupações sérias, incluindo a frequência de surtos em navios. Marnell, da Viking, diz que os adeptos dos cruzeiros mundiais se beneficiarão de um ambiente seguro no qual os viajantes podem se sentir confortáveis por um longo período de tempo. Como outras linhas, os navios de sua empresa foram equipados com laboratórios para testes de PCR frequentes e novos sistemas de purificação de ar, entre outras medidas.

A segurança das visitas em terra, no entanto, permanece um ponto de interrogação iminente – particularmente em países onde as vacinações ainda não começaram a ser implementadas de forma substancial.

Longe de ser garantido

Para que as empresas de cruzeiros realizem esses planos, várias mudanças precisarão ocorrer. O cruzeiro Viking deve navegar para 56 portos em 27 países em dezembro de 2021, incluindo pontos na América Central, Havaí, Austrália e Nova Zelândia, Ásia, Oriente Médio e Mediterrâneo – com tarifas de US$ 53.000 a US$ 166.000 por pessoa.

A empresa, como outras que oferecem cruzeiros pelo mundo, terá que navegar pela complexidade dos requisitos de entrada e regras de quarentena em constante mudança em um mundo que pode não atingir a imunidade de rebanho por anos.

As incertezas em torno das regulamentações governamentais dificultarão o planejamento de itinerários para as empresas de cruzeiros, diz Upchurch, da Virtuoso. “Ter que mudar o curso depois que uma viagem está em andamento não é prático. É caro e não ajuda em restaurar a confiança do consumidor”, diz ele.

As empresas de cruzeiros esperam que, quando esses itinerários mais distantes se iniciarem, a Covid não será um problema; caso o fechamento de fronteiras persista por mais tempo do que o esperado, esses itinerários podem ser adiados, assim como o restante do calendário de cruzeiros.

FLORIANÓPOLIS | negocios | invistaja.info – Empresas montam cruzeiros de vários meses para o pós-Covid

REFLEXÃO: Morgan Housel: Se preocupe somente quando você achar que tiver tudo resolvido.

Saiba mais:

Renault anuncia investimento de R$ 1,1 bi no Brasil

Ação do Assaí (ASAI3) fecha em alta de 386% em estreia após cisão, enquanto Pão de Açúcar (PCAR3) cai 66%: por que movimentos tão bruscos?

Secretários de Saúde pedem mais rigor nas medidas de restrição

Vendas de veículos têm pior fevereiro em 3 anos; falta de peças atrapalha produção

Seja anunciante no invistaja.info

PUBLICIDADE

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE