PUBLICIDADE

MMX diz que forte volatilidade de ações pode ter relação com possível investimento de empresa chinesa na companhia

Empresas assinaram term sheet estipulando termos e condições para realização de aporte pela China Development  Integration Limited (CDIL)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de investidor para investidor

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: MMX diz que forte volatilidade de ações pode ter relação com possível investimento de empresa chinesa na companhia; invistaja.info;


CMIG4 | Liq.2meses: 130811000.0 | Mrg.Liq.: 0.1136 | Pat.Liq: 17472700000.0 | PSR: 0.763 | ROIC: 0.0997 | P/EBIT: 4.13

As ações da MMX (MMXM3), empresa em recuperação judicial de Eike Batista, voltaram para o radar dos investidores desde meados de março, após saltarem mais de 500% em 2020 (veja mais clicando aqui). Em 2021, os ativos acumulam ganhos de 63,47% levando em conta o fechamento até esta terça-feira sendo que, desde o fechamento de 18 de março até a última sessão, os ganhos acumulados foram de 84%.

Apenas na última segunda-feira (5), os papéis saltaram 22,83% e, em 24 de março, a alta foi ainda mais expressiva, de 47,90%. Porém, e também fazendo jus ao fato do ativo MMXM3 ser altamente especulativo, os ganhos também foram alternados por sessões de fortes baixas, como a do dia 29 de março, em que os papéis caíram 27,69%.

Em meio à forte volatilidade das ações, a MMX foi instada a se manifestar – mais uma vez – pela B3. Em sua resposta, a companhia informou que acredita que as oscilações atípicas possam estar relacionadas aos fatos relevantes divulgados nos dias 19, 24 e 25 de março de 2021. Neles, destaca, a companhia “informou ao mercado a negociação e o possível investimento da China Development  Integration Limited (CDIL) na companhia e em suas controladas, o que viabilizaria o pagamento de credores e a retomada de suas operações”.

+Mesmo se aprovada no Congresso, compra privada de vacinas deve ser judicializada

A MMX ainda informou que não tem conhecimento de outros atos ou fatos relevantes que possam justificar as oscilações atípicas identificadas pela B3.

No comunicado do dia 19, a MMX disse que está em negociação com a CDIL, empresa sediada em Hong Kong, na China, que desenvolve grandes empreendimentos de infraestrutura, engenharia e mineração em vários países, a qual apresentou interesse de realizar investimento para o desenvolvimento de ativos da empresa.

“A negociação visa a exploração de minas de propriedade da companhia, em especial a Mina de Bom Sucesso, da MMX Sudeste Mineração. A negociação é desenvolvida no âmbito do esforço da atual administração de promover a reestruturação econômica e organizar de forma viável o pagamento de todos os credores da MMX e de suas subsidiárias”, informou no comunicado, destacando não haver na ocasião contrato ou documento vinculante celebrado entre as partes.

Posteriormente, no dia 25, a companhia informou que ela e suas controladas MMX Sudeste Mineração, MMX Corumbá Mineração, a Rubicon Capital Partners Desenvolvimento de Negócios LTDA e o China Development Integration Limitedcelebraram um term sheet, espécie de carta de intenções firmada entre as empresas envolvidas no negócio, estipulando termos e condições para realização de aporte pelo investidor.

Na carta de intenções,  ficou acordado, dentre outros aspectos: i) a emissão privada de debêntures conversíveis em ações pela MMX e sua controlada MMX Sudeste; ii) .o compromisso de investimento do investidor no valor de US$ 50 milhões, por meio da aquisição, no todo ou em parte, das debêntures; iii) e que caberá ao investidor decidir o valor que será direcionado à MMX e o valor que será direcionado à MMX Sudeste, sendo eles utilizados exclusivamente para o  pagamento dos credores da MMX e da MMX Corumbá na forma do Plano de Recuperação Judicial, o desenvolvimento das Minas do Sistema Corumbá (composto pelas Minas de Urucum e Rabicho), o pagamento dos credores da MMX Sudeste no Plano de Recuperação Judicial e o o desenvolvimento inicial da Mina de Bom Sucesso.

O investimento da CDIL na MMX ou suas controladas previsto no Term Sheet tem entre as condições precedentes a reforma da decisão do juízo da Recuperação Judicial proferida em 21 de agosto de 2019, que decretou a falência da MMX e MMX Corumbá, a apresentação de novo plano de Recuperação Judicial da MMX e da MMX Corumbá, cujos termos e cláusulas sejam aceitos pelo investidor, bem como sua aprovação pelos respectivos credores, sendo que o Plano deverá prever a destinação do investimento, além da celebração de Aditivo ao Plano de Recuperação Judicial da MMX Sudeste.

hotWords: pode relação investimento possível companhia forte

Seja anunciante no invistaja.info

O comunicado foi alvo de críticas, como da Associação Brasileira de Investidores, a Abradin, que alegou que o fato relevante divulgado pela empresa de Eike é “mentiroso e fantasioso” e que possui o “condão de manipular o mercado de capitais, lesando investidores”.

Chamou a atenção da entidade a intenção de relacionar o aporte de US$ 50 milhões a uma reviravolta no processo de falência da MMX Corumbá, a ser julgado em breve no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, e à aprovação de um novo plano de recuperação judicial para a empresa. “Há evidências de que esse investimento esteja sendo usado como uma forma de manipular o mercado e a Justiça, a fim de reverter a falência da empresa”, afirmou à Veja Aurélio Valporto, presidente da Abradin.

Cabe destacar que, em fevereiro, Eike Batista foi condenado pela 3ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro a uma pena de 11 anos e 8 meses de prisão por crimes contra o mercado de capitais. A juíza Rosália Monteiro Figueira condenou-o ainda a pagar uma multa de R$ 871 milhões pelos crimes de insider trading (uso de informação privilegiada) e de manipulação de mercado.

Eike foi denunciado em 2014 sob a acusação de ter lucrado com a venda de ações de sua empresa OGX, através da ocultação, ao mercado, de informações negativas sobre a companhia. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o empresário teria simulado a injeção de até US$ 1 bilhão na OGX para atrair investidores, incorrendo no crime de manipulação de mercado.

A injeção do dinheiro foi anunciada pela empresa, mas, segundo o MPF, o empresário sabia da inviabilidade financeira de ativos importantes da empresa e não tinha real interesse em fazer o aporte.

(com Agência Brasil)

Entenda o método para realizar análises e não se perder em momentos turbulentos. A série gratuita One Good Trader, com Gilberto Coelho, te ensina como – inscreva-se!

 

FARIA LIMA | mercados | invistaja.info – MMX diz que forte volatilidade de ações pode ter relação com possível investimento de empresa chinesa na companhia

REFLEXÃO: Tim Hanson, da Motley Fool: Compre ações impressionantes por preços que não refletem sua grandiosidade.

Notícias relacionadas:

Índices futuros americanos têm leves altas, enquanto Europa e Ásia registram sessão mista; projeções do FMI e ata do Fomc no radar

Brasil supera marca de 4 mil mortes por Covid-19 em um dia pela 1ª vez

Reedição do programa de preservação de empregos sai “a qualquer momento”, diz Guedes

Mesmo se aprovada no Congresso, compra privada de vacinas deve ser judicializada

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

PUBLICIDADE

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE