Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 9/8

Principais índices mundiais operam sem direção definida e commodities caem com temores sobre variante delta; semana será movimentada no Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias do mercado financeiro

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 9/8; invistaja.info;


PETR3 | Liq.Corr.: 1.31 | P/Ativo: 0.403 | Pat.Liq: 356052000000.0 | ROE: 0.2875 | EV/EBITDA: 3.07 | Liq.2meses: 509592000.0

BRASIL | invistaja.info — A semana começa sem direção definida nas bolsas mundiais com os investidores ainda digerindo o relatório de emprego forte nos Estados Unidos na sexta-feira, enquanto que, por aqui, os próximos dias contam tanto com uma agenda corporativa quanto política e econômica bastante forte.

Durante a semana, serão divulgados os dados do IPCA de julho, além da prévia do PIB. No radar corporativo, atenção especial para a reta final da temporada de resultados do segundo trimestre, que levará a mais de 100 balanços divulgados nesta semana. Saiba mais clicando aqui.

Já no campo político, é esperado que o presidente Jair Bolsonaro entregue pessoalmente hoje a Medida Provisória do Auxílio do Brasil e a PEC dos Precatórios ao Congresso Nacional . As medidas almejadas por Bolsonaro para 2022 compiladas pela Folha, caso aprovadas, teriam um custo total de R$ 67 bilhões – desoneração do diesel (R$ 26 bilhões), ampliação do Bolsa Família (R$ 25 bilhões), reforma tributária (R$ 7,7 bilhões), aumento de salários ao funcionalismo (R$ 5 bilhões), vale-gás (R$ 3 bilhões) e programas de emprego (R$ 300 milhões). Já o relator do projeto de reforma do IR, Celso Sabino, acredita na votação da proposta já nesta terça-feira. Confira os destaques:

+Empresas buscam saídas para driblar mercado volátil

1.Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos recuam nesta segunda-feira (9)  de manhã, enquanto que as bolsas asiáticas tiveram em sua maioria resultados positivos e as europeias têm desempenhos variados entre si.

Na sexta, o relatório do Departamento de Emprego dos Estados Unidos indicou a criação de 943 mil vagas em julho. A expectativa de analistas ouvidos pela Dow Jones era de criação de 845 mil vagas. Assim, a taxa de desemprego caiu a 5,4%, abaixo da expectativa de 5,7%.

Agora, analistas observam se o Federal Reserve se baseará nos resultados para reduzir as medidas expansionistas e desacelerar seu programa de compra de títulos.

Na sexta, ações do setor financeiro tiveram as maiores altas, contribuindo para elevar a perspectiva de lucro dos bancos. Empresas dos setores industrial, de varejo e de energia também tiveram altas após a divulgação do relatório de emprego.

O rendimento dos títulos do Tesouro americano subiu 1,3% após a divulgação do relatório. Isso contribuiu para que ações de empresas de tecnologia recuassem.

No domingo, senadores americanos se reuniram para discutir a aprovação de uma lei que investirá US$ 1 trilhão em infraestrutura, uma prioridade política do presidente Joe Biden. Assim, o Senado deverá realizar a votação final do projeto na terça.

A expectativa é que haja apoio o republicano de políticos republicanos para aprovar a lei no Senado e votá-la em setembro na Câmara.

Na semana investidores também aguardam manifestações de autoridades do Federal Reserve e a divulgação do índice de preços ao consumidor, na quarta, e do índice de preços ao produtor, na quinta.

Entre as empresas que divulgarão seus resultados na semana estão AMC Entertainment, Coinbase, Disney, Airbnb e Tyson Foods.

As bolsas asiáticas têm em sua maioria altas. Segundo dados divulgados na China, as exportações na China cresceram 19,3% em relação a um ano antes, frente ao ganho de 32,2% de junho e à expectativa de 20,8% de analistas. As importações cresceram 28,1%, menos do que a previsão de 33%.

Na segunda foi divulgado o índice de inflação do consumidor relativo a julho na China, que teve alta de 1% em relação a um ano antes, frente ganho de 1,1% no mês anterior e abaixo da meta do governo de 3% em relação a um ano antes.

A Indonésia também por um forte surto de Covid, e também há forte avanço na Austrália, onde foram registrados 280 novos casos no domingo. Segundo a imprensa local, 15 milhões de pessoas, ou cerca de 60% da população, estão sob medidas rígidas de lockdown em meio ao avanço da variante delta do coronavírus.

Na Coreia do Sul, o Kospi recuou 0,3%; em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,37%; na China continental, o índice Shanghai subiu 1,05%, e o Shenzhen subiu 0,77%. Os mercados estão fechados no Japão por conta do feriado.

As bolsas europeias têm resultados variados entre si nesta segunda. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, se mantém estável.

As ações da britânica Deliveroo subiram 4,5%, após a empresa anunciar que a concorrente alemã Delivery Hero comprou 5,09% da empresa.

No mercado de commodities, os preços do petróleo registram baixa, estendendo as perdas acentuadas da semana passada devido ao dólar mais forte e às preocupações de que novas restrições à pandemia na Ásia, especialmente na China, possam retardar a recuperação global na demanda por combustível. A sessão também foi de queda para o minério de ferro em Dalian.

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):Estados Unidos*Dow Jones Futuro (EUA), -0,29%*S&P 500 Futuro (EUA), -0,18%*Nasdaq Futuro (EUA), +0,07%Europa*FTSE 100 (Reino Unido), -0,35%*Dax (Alemanha), -0,13%*CAC 40 (França), -0,01%*FTSE MIB (Itália), +0,45%Ásia*Nikkei (Japão), (não abriu)*Shanghai SE (China), +1,05% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,4% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), -0,18% (fechado)Commodities e bitcoin*Petróleo WTI, -3,746%, a US$ 65,71 o barril*Petróleo Brent, -3,54%, a US$ 68,2 o barril*Bitcoin, +1,64%, a US$ 45.179,68Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 4,43%, cotados a 852,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 131,59 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,48

2. Agenda

Nesta manhã, serão divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) o IGP-DI de julho e o IPC-S da 1ª quadrissemana de agosto. Às 8h25 é divulgado o boletim Focus pelo Banco Central, com a expectativa de analistas sobre indicadores importantes, como inflação, juros e câmbio. Às 15h, será revelado o dado da balança comercial.

Nos Estados Unidos, às 11h, o governo irá publicar a pesquisa JOLTs de junho, que mede a escassez de mão de obra no país, a partir, por exemplo, da disponibilidade de empregos não preenchidos. No mesmo horário, Raphael Bostic, do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês), do Fed, realiza um discurso.

Às 13h Thomas Barkin, também do Fomc, realiza um discurso.

Às 20h são divulgados dados sobre vendas no varejo no Reino Unido, relativos a julho.

Às 20h50 são divulgados dados sobre transações correntes no Japão.

3. Covid no Brasil

No domingo (8), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 941, queda de 15% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 388 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 35.529, o que representa queda de 28% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 13.691 casos.

Chegou a 107.100.798 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 50,58% da população. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 45.513.921 pessoas, ou 21,49% da população.

Na sexta o ministro da Saúde Marcelo Queiroga e o secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disseram que as áreas técnicas do ministério e da secretária analisarão se São Paulo retirou doses a mais da CoronaVac, envasada pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado. Em caso positivo, discutirão juntos como será feita a compensação.

Na quarta, autoridades de saúde paulistas haviam afirmado que o Estado recebeu somente metade das doses previstas da vacina da Pfizer contra Covid-19 e cobraram o envio imediato do montante que estaria faltando.

No mesmo dia, o ministério afirmou que foi feita uma compensação, pois São Paulo teria retirado mais doses da CoronaVac do que o previsto em remessas passadas, o que foi negado pelo governo paulista.

Na sexta, a A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entregou hoje mais 1 milhão de doses da vacina AstraZeneca ao Ministério da Saúde para reforçar o Programa Nacional de Imunizações (PNI), sendo dividida por todas as unidades da federação.E no domingo chegou ao Brasil um lote de 1 milhão de doses de vacinas contra covid-19 da Pfizer.

hotWords: movimentar nesta mercado

Publique seu negócio no invistaja.info

4. Radar Político

Ainda em destaque, segundo reportagem de capa publicada nesta segunda no jornal O Estado de S. Paulo, a Controladoria-Geral da União (CGU) identificou “risco extremo de sobrepreço” convênios do Ministério do Desenvolvimento Regional (M-DR) para a compra de tratores e equipamentos secretos.

Os recursos partem do chamado “orçamento secreto”, revelado pelo jornal paulista. Em troca de apoio no Congresso, um grupo de deputados e senadores passou a definir a distribuição de ao menos R$ 3 bilhões sem que o valor passasse por órgãos de controle. Uma parte do dinheiro foi usada para a compra de máquinas pesadas a preços indicados pelos políticos que ficam acima da tabela de referência do ministério, em uma operação que ficou conhecida como “tratoraço”.

Segundo o Estadão, na época em que a reportagem foi publicada, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, questionou o risco de sobrepreço, e pediu a auditoria da CGU, que apontou que, em 115 convênios celebrados “o risco de sobrepreço foi considerado alto (valores entre 10% e 25% acima dos praticados no mercado) ou extremo (acima de 25%)”.

Além disso, segundo duas fontes ouvidas pela agência internacional de notícias Reuters, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, desaprova a ideia de excluir precatórios do teto de gastos. Líderes parlamentares vêm avaliando a medida como solução para a pressão que essas despesas exercem hoje sobre o Orçamento.

Precatórios são requisições de pagamento expedidas pela Justiça em favor de pessoas jurídicas e físicas após derrotas definitivas sofridas pelo governo em processos judiciais. Dentro do ministério, prevalece a ideia de que a melhor saída para equacionar a questão seria dar à União aval para parcelar os precatórios.

Com o parcelamento haveria abertura de espaço de R$ 30 bilhões no Orçamento. Com a retirada dos precatórios do teto de gastos, seriam abertos R$ 50 bilhões no Orçamento.

De acordo com uma das fontes, a retirada do teto eliminaria qualquer incentivo para a gestão dessa despesa, que tem crescido vertiginosamente e está estimada em cerca de R$ 90 bilhões para 2022, contra R$ 55 bilhões em 2021. A título de comparação, o orçamento do Bolsa Família para este ano se aproxima de R$ 35 bilhões.

Como os precatórios são gastos obrigatórios, sua expansão acelerada acaba comendo espaço, sob a regra do teto de gastos, para outras despesas do governo, incluindo o almejado aumento do Bolsa Família, que tem sido prometido em bases quase diárias pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Fazer exceção ao teto é ruim. Começa com isso e termina com o quê?”, disse a fonte, em referência à regra que é considerada atualmente a única âncora fiscal do país.

A definição do caminho para diminuir a conta de precatórios em 2022 está hoje no centro de um impasse ligado à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que já tinha sido finalizada no meio desta semana pelo Ministério da Economia.

Havia a expectativa de que o texto, que propõe o parcelamento dessas despesas, fosse rapidamente enviado ao Congresso, mas a tramitação acabou sendo empacada por objeções aos pilares da proposta.

O governo tem interesse em liberar espaço no Orçamento para impulsionar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em ano eleitoral. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, entre as medidas estudadas estão isenção para o diesel (R$ 26 bilhões), reajuste salarial para servidores (R$ 5 bilhões) e reforma tributária, que retira R$ 7,7 bilhões de estados e municípios. No total, o pacote soma R$ 67 bilhões, pressionando o Ministério da Economia, afirma o jornal.

Além disso, na sexta o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou em entrevista à GloboNews que nem o presidente Jair Bolsonaro nem qualquer cidadão pode fazer ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF). Ao mesmo tempo, defendeu a manutenção do diálogo entre os Poderes para solucionar o que chamou de uma crise “perene” que, disse, está se abatendo sobre o Brasil há algum tempo.

Pacheco também considerou graves as ameaças feitas na semana passada por Bolsonaro de que poderia jogar fora das quatro linhas da Constituição.

“Evidentemente que nem o presidente da República nem qualquer cidadão pode agredir a Suprema Corte do país. Pode questionar, pode criticar, pode apontar equívocos, mas agressões e ironias não cabem em uma relação que pretende ser institucional, republicana e respeitosa”, afirmou Pacheco à emissora.

Ao mesmo tempo, o presidente do Senado, que também é presidente do Congresso Nacional, disse esperar que, em algum momento, seja realizada uma reunião entre os chefes de Poderes.

Pacheco manifestou confiança no sistema eletrônico de votação, que vem sendo duramente atacado e questionado sem provas pelo presidente Jair Bolsonaro, e disse que a maioria dos senadores é favorável à manutenção do sistema proporcional para escolha de deputados e vereadores.

“Afirmo, em nome do Senado Federal, a minha mais absoluta confiança no sistema eleitoral brasileiro, sobre o qual há questionamentos e críticas, mas não há nenhum fundamento concreto de nenhuma vulnerabilidade ou de alguma prática de fraude, de modo que nós não podemos, com base num discurso ou com base numa teoria, modificar um sistema que até poucos anos atrás era motivo de orgulho para os brasileiros”, disse.

“O Congresso Nacional vai se pronunciar, e começou ontem com uma comissão da Câmara dos Deputados dizendo que não se deve alterar o sistema eleitoral eletrônico no Brasil“, acrescentou ele, afirmando ainda que espera que a discussão sobre o voto impresso esteja em breve exaurida.

“Eu sinto que a vontade da maioria do Congresso Nacional neste momento é a preservação do sistema eletrônico de votação.”

É esperado que o presidente Jair Bolsonaro entregue pessoalmente nesta segunda-feira a Medida Provisória do Auxílio do Brasil e a PEC dos Precatórios ao Congresso Nacional . As medidas almejadas por Bolsonaro para 2022 compiladas pela Folha, caso aprovadas, teriam um custo total de R$ 67 bilhões – desoneração do diesel (R$ 26 bilhões), ampliação do Bolsa Família (R$ 25 bilhões), reforma tributária (R$ 7,7 bilhões), aumento de salários ao funcionalismo (R$ 5 bilhões), vale-gás (R$ 3 bilhões) e programas de emprego (R$ 300 milhões). Já o relator do projeto de reforma do IR, Celso Sabino, acredita na votação da proposta já nesta terça-feira.

5. Radar corporativo

A quitação de passivos ambientais pela Petrobras é uma das alternativas avaliadas para o governo federal obter recursos que financiem o chamado vale-gás, programa que beneficiaria famílias carentes atingidas pela disparada do preço do produto, disseram duas fontes próximas nas negociações. Um fundo abastecido com pagamentos das multas ambientais da estatal bancaria o auxílio social que vem sendo anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.

O Palácio do Planalto encomendou estudos para minimizar o custo do gás de cozinha, item básico da população, após o valor do produto da Petrobras às distribuidoras subir cerca de R$ 1 por quilo no acumulado do ano, para R$ 3,60 por quilo. Em 2021, o produto subiu 37,5% e 40% em praças como Paulínia (SP) e Duque de Caxias (RJ), segundo dados da Petrobras, que aprovou seis altas consecutivas neste ano, na esteira da recuperação dos preços do petróleo.

A Eletrobras informou na sexta-feira que a usina hidrelétrica Curuá-Una, cuja concessão pertence à controlada Eletronorte, está incluída no escopo do processo de privatização da companhia e deverá ser objeto de uma nova outorga de geração de eletricidade. Com isso, de acordo com comunicado publicado pela estatal, haverá inclusão, no cálculo do processo, do valor adicionado a ser pago pela Eletrobras pelas novas concessões.

O Carrefour Brasil informou na sexta-feira que seu conselho de administração elegeu Marco Aparecido de Oliveira como presidente da unidade Atacadão. Oliveira já dividia a liderança da divisão nos últimos dois anos com Roberto Müssnich, que seguirá no grupo até o fim deste ano.

A Notre Dame Intermédica informou na sexta-feira que recebeu homologação para prestar serviços de assistência dental a servidores públicos de Belo Horizonte, valendo a partir de 1º de dezembro. Segundo a empresa, cerca de 20 mil servidores da capital mineira optaram por contratar plano de saúde através da modalidade de adesão.

A BRF anunciou nesta sexta-feira investimentos de R$ 171 milhões na operação do Rio Grande do Sul, enquanto os produtores integrados da empresa no Estado também devem alocar um total de R$ 181 milhões em suas estruturas para aumentar a capacidade de alojamento e modernizar as instalações. Segundo comunicado, o aporte da BRF será direcionado para a modernização e ampliação das unidades produtivas em Marau, Serafina Corrêa e em Lajeado, além de uma nova fábrica de rações em Gaurama.

​​A Gerdau anunciou na sexta-feira que vai investir R$ 6 bilhões em Minas Gerais nos próximos cinco anos em aumento de capacidade produtiva de laminados e em outras iniciativas que incluem energia. Executivos da empresa já tinham informado na quarta-feira que a companhia vai instalar um novo laminador de bobinas a quente na usina de Ouro Branco, com capacidade para mil toneladas por ano, além de uma nova máquina de perfis estruturais com capacidade para 500 mil toneladas.

Já a indústria de alimentos M.Dias Branco registrou lucro líquido de R$ 142,3 milhões no segundo trimestre de 2021, o que representa uma retração de 6,6% ante o reportado no mesmo período do ano passado, segundo informações divulgadas pela empresa na sexta.

Depois do fechamento, atenção para os resultados de Blau, BR Partners, Direcional, Iguatemi, Minerva, Mobly, Even, Fras-le, Itaúsa, Melnick, Mitre e São Martinho.

O Conselho de Administração da Unidas aprovou a realização da 21ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor de R$ 1,1 bilhão. As debêntures serão em série única, da espécie quirografária, com adicional e prazo de 10 anos. Há possibilidade de a quantidade de 1,1 milhão de debêntures serem elevadas em 20%.

A sessão também marca a estreia das ações da Viveo. A distribuidora de produtos médicos precificou na quinta-feira sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) a R$ 19,92 por papel. As ações começam a ser negociadas com o código ‘VVEO3’.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 9/8; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 9/8

REFLEXÃO: Bill Mann, da Motley Fool Asset Management: Busque investir em conjunto com grandes gestores, depois, é só ser paciente.

Leia também:

Bolsas mundiais operam em sentidos variados após payroll e com investidores atentos à variante delta

Conselheiro de segurança dos EUA discute 5G no Brasil e deflagra reação da China

Variante delta não deve impedir retomada global forte, diz banco JPMorgan

Dona da Casas Bahia, Via mira crédito aos “sem banco”

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade