Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira – 29/6

Bolsas europeias operam em alta após baixa da véspera, queda das commodities, MP da crise hídrica, dados de arrecadação e mais destaques
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de trader para trader

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira – 29/6; invistaja.info;


BMEB3 | P/VP: 1.06 | Liq.2meses: 10286.2 | P/EBIT: 0.0 | DY: 0.037 | Div.Brut/Pat.: 0.0 | Pat.Liq: 1038950000.0

ListenToMarket: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira – 29/6 – Áudio gerado às: 7:42:6

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASIL | invistaja.info — A sessão desta terça-feira (29) é de recuperação para as bolsas europeias após a queda da véspera em meio às preocupações com o aumento dos casos de COVID-19 em alguns países da Ásia.

Por aqui, a sinalização na véspera feita pelo presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL) de que a Casa poderá reduzir para 15% a taxação de lucros e dividendos na proposta na reforma tributária aliviou o mercado na reta final do pregão. Contudo, os desdobramentos da reforma tributária devem seguir no radar.

Ainda em destaque, às 9h, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) se reúne para definir o valor do reajuste das bandeiras tarifárias. A partir de julho será aplicada a bandeira tarifária na bandeira vermelha patamar 2, a mais cara. O mecanismo repassa aos consumidores o aumento do custo da geração de energia por conta do uso mais intenso de usinas térmicas, acionadas quando há baixa na produção das hidrelétricas. Segundo reportagem de capa do jornal O Estado de S. Paulo, a Aneel calcula que a taxa referente à bandeira nível 2 deve subir dos atuais R$ 6,24 para R$ 12 a cada 100 quilowatts-hora consumidos para fazer frente aos custos elevados de operação das termelétricas. O governo federal publicou na segunda uma Medida Provisória (MP) que institui a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG), visando estabelecer medidas emergenciais para a gestão do setor.

+Estudo aponta que 3ª dose de vacina da AstraZeneca produz forte resposta imune

No radar econômico, atenção ainda para os dados de arrecadação de maio.

Confira mais destaques:

1.Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos operam quase estáveis nesta terça (29) de manhã. Na segunda (28), o S&P e o Nasdaq fecharam em patamares recordes, impulsionadas pelos papéis de grandes empresas de tecnologia. O índice S&P subiu 0,23%, registrando o terceiro dia de saldo positivo no fechamento. O Nasdaq avançou 1%, em sua quinta sessão positiva entre as últimas seis. O Dow caiu 151 pontos, prejudicado pelo mau desempenho de Boeing e Chevron, entre outras.

Assim, o S&P caminha para fechar seu quinto mês consecutivo de valorização. O Nasdaq pode ter seu sétimo mês positivo dentre os últimos oito. Já o Dow está no vermelho, possivelmente interrompendo a trajetória de quatro meses de ganhos.

Ações com perspectiva de forte crescimento continuaram a ter desempenho acima da média do mercado na segunda. O índice Russel 1000, que reúne as 1000 ações com o maior valor de mercado em ações dos Estados Unidos, subiu quase 1%. Em junho, essas ações se valorizaram 6%.

As ações do Morgan Stanley subiram 3% no after market, após a empresa anunciar que pretende dobrar a distribuição de dividendos no trimestre. O banco também anunciou um programa de recompra de US$ 12 bilhões. Bank of America, Goldman Sachs e JPMorgan também anunciaram aumentos nas distribuições de dividendos.

Os anúncios ocorrem uma semana após o Federal Reserve realizar testes de estresse nos bancos, a partir dos quais concluiu que todos os 23 analisados teriam capacidade para operar em uma crise.

As bolsas asiáticas tiveram quedas na terça, apesar do bom desempenho nos Estados Unidos. Na China continental, o Shanghai composto recuou 0,95%; Em Hong Kong, o índice Hang Seng recuou 0,77%; no Japão, o Nikkei caiu 0,98%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 0,52%.

Vários países da Ásia e do Pacífico vêm lidando com ressurgências da variante delta do coronavírus, que é altamente contagiosa e vem impactando o sentimento dos mercados.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus sobe 0,26%, impulsionado por ações dos setores de petróleo e gás, que sobem 0,9%. Quase todos os setores e principais bolsas operam no positivo. Na véspera, os mercados do Velho Continente caíram em meio aos temores sobre a variante do novo coronavírus.

Nesta segunda, agentes do Banco Central Europeu devem começar uma discussão pública sobre como e quando reduzir o enorme programa de compra de títulos lançado em 2020 para apoiar a economia da Zona do Euro durante a pandemia do coronavírus.

Durante a manhã, foi divulgado ainda o índice de confiança de empresas e consumidores relativo a junho na Zona do Euro, que pontuou 117,9 pontos, frente à projeção de 116,5 pontos, e ao patamar anterior, de 114,5 pontos.

Na China, o contrato futuro do minério de ferro negociado na Bolsa de Dalian registrava queda de mais de 2%. A queda, de acordo com a Reuters, ocorre em meio à desaceleração da demanda de aço no país devido ao clima desfavorável e ameaças de intervenção pelas autoridades do gigante asiático. O petróleo registra leve baixa, com picos de Covid-19 gerando mais incertezas sobre as perspectivas pela demanda de combustível.

Veja o desempenho dos principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos*Dow Jones Futuro (EUA), +0,15%*S&P 500 Futuro (EUA), -0,02%*Nasdaq Futuro (EUA), -0,12%

Europa*FTSE 100 (Reino Unido), +0,17%*Dax (Alemanha), +0,84%*CAC 40 (França), +0,36%*FTSE MIB (Itália), +0,31%

Ásia*Nikkei (Japão), -0,81% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), -0,94% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), -0,46% (fechado)*Shanghai SE (China), -0,92% (fechado)

Commodities e bitcoin*Petróleo WTI, -0,412%, a US$ 72,61 o barril*Petróleo Brent, -0,24%, a US$ 74,5 o barril

*Bitcoin, +3,39%, a US$ 35.274,34

Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 2,66%, cotados a 1153 iuanes, equivalente hoje a US$ 178,53 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,46

2. Agenda

Às 8h é divulgada a inflação no Brasil relativa a junho, medida pelo IGP-M. Às 9h é divulgada a medição do Índice de Preços ao Produtor (IPP), relativo a maio no Brasil. Às 11h são divulgados dados de arrecadação de maio enquanto que, às 13h, serão revelados os dados do governo central.

Na CPI da Covid, o deputado estadual do Amazonas Fausto Vieira dos Santos Junior presta depoimento a partir das 9h.

Às 10h, Thomas Barkin, membro do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês), do Fed, realiza um discurso. Também às 10h é divulgado o Índice de Preços de Imóveis, relativo a abril nos Estados Unidos.

Às 10h40, Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, realiza um discurso.

Às 20h50 são divulgados dados sobre produção industrial em maio e projeções relativas a junho e julho no Japão.

Às 22h são divulgados os Índices do Gerente de Compras (PMI na sigla em inglês) composto, industrial e não manufatura, relativos a junho na China.

3. CPI da Covid

Na segunda (28), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 1.626, queda de 18% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 658 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 68.231, queda de 5% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 30.307 casos.

hotWords: movimentar 29/6 nesta mercado

Anuncie no invistaja.info

Chegou a 71.369.215 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 33,7% da população. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 25.592.271 pessoas, ou 12,09% da população.

Na segunda, os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid no Senado, Fabiano Contarato (Rede-ES) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) ingressaram junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de investigação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Eles afirmam que haveria “grandes chances” de o presidente ter cometido o crime de prevaricação ao não ter atuado sobre as suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin. O trio relata no pedido que Bolsonaro foi informado pelo deputado Luís Miranda (DEM-DF) e pelo irmão Luís Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, no dia 20 de março de que havia indícios de irregularidades na aquisição de 20 milhões de doses da Covaxin ao custo de R$ 1,6 bilhão. Os irmãos afirmaram isso em depoimento à CPI na sexta-feira passada.

O valor pago pelo imunizante, produzido pela indiana Bharat Biotech, e comercializado com intermédio da brasileira Precisa Medicamentos, é 1.000% superior àquele informado seis meses antes pela Bharat. O acordo de compra foi fechado sem que a vacina tivesse aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou tivesse passado por testes de fase 3, e é o mais alto por unidade de imunizante, de US$ 15.

Entretanto, segundo os autores do pedido, o presidente não atuou para averiguar as suspeitas de irregularidades relatadas. Bolsonaro teria dito, segundo o deputado relatou à comissão de inquérito, que iria pedir uma investigação ao chefe da Polícia Federal. Contudo, isso não teria ocorrido, conforme os autores do pedido ao STF.

“O presidente não pode guardar para si informação tão relevante a ponto de apurar indícios de corrupção que remontam a cifra bilionária no bojo de uma pandemia com consequências sanitárias e socioeconômicas tão graves. Tinha ele o dever inafastável de oferecer os indícios de que dispunha à autoridade competente, para as apurações mais detalhadas”, disseram os senadores.

Para os parlamentares, Bolsonaro, “efetiva e deliberadamente, optou por não investigar o suposto esquema de corrupção levado a seu conhecimento pelo deputado federal Luis Miranda e por seu irmão”. Destacaram ainda que a motivação de ele ter agido dessa forma não importa para a tipificação penal.

Em falas anteriores, Bolsonaro negou ter cometido qualquer tipo de irregularidade. “Não tenho como saber o que acontece nos ministérios, vou na confiança em cima de ministro e nada fizemos de errado”, disse Bolsonaro a apoiadores na manhã de segunda.

O presidente afirmou que “vem tudo quanto é tipo de gente aqui”, e avaliou que não poderia vetar a presença de autoridades em razão de suspeitas que os envolveriam. “Ele [em aparente menção ao deputado Luís Miranda] que apresentou, eu nem sabia como é que estavam as tratativas da Covaxin porque são 22 ministérios”, disse.

Ao STF, o vice-presidente da CPI e os senadores pedem que a Procuradoria-Geral da República, responsável por investigar o presidente, acolha o pedido e denuncie Bolsonaro por prevaricação e outros crimes que porventura ele possa ter praticado. O pedido foi distribuído para a ministra Rosa Weber relatar.

Em decisão na segunda, a ministra manteve o pedido de quebra de sigilo de um advogado da Precisa Medicamentos. Weber avaliou que há “grave suspeita” de favorecimento e obtenção de vantagens indevidas nas negociações para a compra da Covaxin.“A questão adquire contornos ainda mais inquietantes, porquanto em pauta negociações pouco transparentes quanto a vacina ainda não respaldada por estudos científicos consistentes, em detrimento de imunizante de eficácia já comprovada e com custo substancialmente inferior”, afirmou a ministra.Segundo reportagem do jornal O Globo, o gabinete do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, queixou-se por meio de ofício enviado ao então secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Elcio Franco, de que a agência vinha sendo procurada pela Precisa, e pediu que se evitasse “tumulto” no processo de avaliação do imunizante.A a CPI pretende convocar o embaixador do Brasil na Índia, André Aranha Corrêa do Lago, para que fale sobre as tratativas entre o governo brasileiro, a Precisa Medicamentos e a Bharat Biotech para a compra da Covaxin.

De acordo com reportagem de capa do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira, a CPI pretende investigar também supostas irregularidades na compra de testes de detecção do coronavírus, e convocar depoentes para detalhar a atuação do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), em um suposto esquema de corrupção.

De acordo com o deputado Luis Miranda, Barros teria atuado nas negociações suspeitas para a compra da Covaxin. Ainda segundo a Folha, Luis Ricardo, chefe do departamento de importação da pasta da Saúde, deve ser novamente chamado para depor na CPI sobre supostas irregularidades.

O vice-presidente da CPI da Covid do Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou na segunda um pedido para prorrogar por mais 90 dias os trabalhos da comissão de inquérito. Para que isso ocorra, é preciso o apoio de ao menos 27 senadores, que estenderiam a CPI até novembro. O prazo atual para o término é em agosto.

4. Crise hídrica

Na segunda, o ministro de Minas e Energia, almirante de esquadra Bento Albuquerque, fez um pronunciamento na na TV em que admitiu que o Brasil passa por uma crise hídrica, com a maior seca dos últimos anos. Por isso, pediu uso “consciente e responsável” da água e da energia, já que o volume menor de água reduz o nível dos reservatórios e a geração de energia pelas usinas hidrelétricas.

Às 9h, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) se reúne para definir o valor do reajuste das bandeiras tarifárias. A partir de julho será aplicada a bandeira tarifária na bandeira vermelha patamar 2, a mais cara. O mecanismo repassa aos consumidores o aumento do custo da geração de energia por conta do uso mais intenso de usinas térmicas, acionadas quando há baixa na produção das hidrelétricas.

Segundo reportagem de capa do jornal O Estado de S. Paulo, a Aneel calcula que a taxa referente à bandeira nível 2 deve subir dos atuais R$ 6,24 para R$ 12 a cada 100 quilowatts-hora consumidos para fazer frente aos custos elevados de operação das termelétricas.

O governo federal publicou na segunda uma Medida Provisória (MP) que institui a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG), visando estabelecer medidas emergenciais para a gestão do setor.

De acordo com o documento, o órgão definirá diretrizes obrigatórias para, “em caráter excepcional e temporário”, estabelecer limites de uso, armazenamento e vazão das usinas hidrelétricas.

“As diretrizes… poderão resultar em redução de vazões de usinas hidrelétricas, desde que sejam iguais ou superiores às vazões que ocorreriam em condições naturais”, indicou o texto da MP. A comissão será composta pelos ministros de Minas e Energia, Economia, Infraestrutura, Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional.

Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, apenas na segunda ficou claro para o setor que o texto final excluiria a menção à possibilidade de “racionalização compulsória do consumo”, prevista na versão inicial. O jornal destaca, no entanto, que a lei 10.848 de 2004, herança da última crise energética do Brasil, permite ao governo impor redução compulsória no consumo, e permite que concessionárias usem cláusulas contratuais para atenuar perdas financeiras ou obrigações neste caso.

A publicação da MP, segundo nota divulgada à parte pelo Ministério de Minas e Energia (MME), visa preservar a segurança e a continuidade do fornecimento de energia elétrica especialmente no segundo semestre deste ano.

O governo acrescentou que a medida possibilita ainda a contratação de reserva de capacidade por meio de processos competitivos comandados pelo MME.

Além disso, em participação virtual no seminário sobre Open Banking da Folha de S.Paulo, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou na segunda acreditar que o sistema financeiro continuará em processo de desconcentração de serviços sem que isso prejudique grandes bancos, que veriam, porém, redução de sua fatia total detida na indústria.

Dessa forma, Campos Neto prevê também seguimento de um movimento de queda nos spreads dos serviços, enquanto paralelamente há aumento de competição. O presidente do BC afirmou ainda que o calendário de implantação do Open Banking será cumprido, apesar de dificuldades tecnológicas de adequação por parte de grandes bancos. Mas, ao mesmo tempo, ponderou que os benefícios do projeto são de longo prazo.

5. Radar corporativo

A Suzano atraiu forte demanda nesta segunda-feira para a sua segunda emissão de bônus vinculados a metas de sustentabilidade, com um registro de interesse três vezes acima da oferta. A emissão de US$ 1 bilhão envolveu títulos de 10 anos a um spread de Treasuries mais 180 pontos básicos. A demanda chegou a US$ 3,2 bilhões de dólares, afirmaram fontes à Reuters.

O Conselho da Hypera aprovou R$ 194,8 milhões em juros sobre capital próprio. Já o Conselho da CCR aprovou a emissão de R$ 1,6 bilhão em debêntures de concessionária. A Ambipar, por sua vez, comprou 50% remanescente da Suatrans Chile.

Durante teleconferência com analistas de mercado na segunda-feira, o diretor financeiro da Equatorial Energia, Leonardo Lucas, afirmou que a empresa assumirá uma dívida de R$ 800 milhões da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), ao adquirir a companhia em um leilão de privatização realizado na última sexta-feira, disse nesta segunda-feira. Antes da aquisição, a CEA tinha uma dívida de R$ 3,115 bilhões, sendo R$ 2,092 bilhões com fornecedores. No entanto, após uma renegociação, a parcela devida a fornecedores foi reduzida em R$ 1,5 bilhão. Um outro montante de 772 milhões de reais, referentes a RGR (encargo do setor elétrico), foi reduzido integralmente, segundo o executivo.

O Banco do Brasil assinou na segunda-feira um acordo com o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), como é chamado o banco dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para captar recursos no exterior visando liberar montantes para investimentos na agricultura brasileira. “Vamos assinar uma parceria com o NDB… para recursos de longo prazo que podem chegar a até R$ 1,5 bilhão, para a construção de silos e armazéns, irrigação e energia renovável”, disse o presidente do BB, Fausto Ribeiro, durante cerimônia sobre a atuação do banco no Plano Safra.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Curso gratuito do (invistaja.info) mostra como você pode se tornar um Analista de Ações. Inscreva-se agora.

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira – 29/6; invistaja.info;

GLEBA PALHANO | mercados | invistaja.info – Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira – 29/6

REFLEXÃO: Bill Mann, da Motley Fool Asset Management: Busque investir em conjunto com grandes gestores, depois, é só ser paciente.

Saiba mais:

Ministro da Economia da Argentina propôs imposto corporativo global de 25%

Na TV, ministro pede à população que poupe energia e água

Índices futuros americanos operam quase estáveis após alta da véspera do Nasdaq; bolsas da Europa avançam

Petrobras divulga novo cronograma de venda da Deten Química

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.