Petróleo fecha em baixa em correção à recente sequência de altas –

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa, após operarem grande parte do dia em alta, em resposta ao corte de produção pela Arábia Saudita e ao relatório de estoques nos EUA. O Brent chegou a ultrapassar a marca de US$ 57 pela primeira vez em dez meses, segundo o Commerzbank, que lembra uma alta no barril próxima a 12% na última semana.

O petróleo WTI para fevereiro fechou em baixa de 0,56%, em US$ 52,91 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para março recuou 0,92%, a US$ 56,06 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
Nesta quarta foi divulgado que a Saudi Aramco passará a ofertar níveis menores de petróleo bruto a partir do mês que vem como parte de contratos a longo prazo, distribuindo a algumas processadoras asiáticas cerca de 20% a 30% a menos em relação volume que elas desejavam. A queda no suprimento ocorre após os sauditas se comprometerem a cortar sua produção da commodity em 1 milhão de barris por dia em fevereiro e março.
O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Mohammed Barkindo, afirmou nesta quarta que a entidade mantém seu compromisso de ajudar o mercado da commodity a se recuperar neste ano, após o choque com a pandemia da covid-19 em 2020. Durante evento virtual, ele comentou que a Opep e aliados como a Rússia, que formam o grupo chamado Opep+, têm adotado “uma estratégia flexível” no mercado, a fim de apoiar os preços e responder ao quadro na oferta e demanda.

No entanto, a Petro-Logistics, empresa de consultoria especializada em rastreamento de navios petroleiros, estima que os países da Opep+ implementaram apenas 75% de seus cortes de produção em dezembro. “Eles devem aumentar sua produção novamente de forma gradual em janeiro”, segundo o Commerzbank. O banco alemão avalia que o “potencial de alta para os preços do petróleo está longe de ser ilimitado, em outras palavras, e uma correção de preço no futuro próximo é provável”.
Sobre o relatório do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês), “houve apenas uma reação silenciosa do mercado ao último relatório. Embora a demanda de produtos tenha aumentado, as medidas de contenção de vírus sugerem que ela permanecerá contida por algum tempo”, de acordo com a Capital Economics.

BRASIL | financas | invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade