Publicidade

Petróleo mira US$ 100 até 2023 com duelo entre inflação e Covid

O Goldman Sachs disse que, com a demanda recorde, é possível que o petróleo estará nesse patamar em 2023.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdo de quem vive de mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Petróleo mira US$ 100 até 2023 com duelo entre inflação e Covid; invistaja.info;


GGPS3 | Mrg.Ebit: 0.0 | P/EBIT: 0.0 | PSR: 0.0 | EV/EBIT: 0.0 | DY: 0.011 | P/L: 0.0

ListenToMarket: Petróleo mira US$ 100 até 2023 com duelo entre inflação e Covid – Áudio gerado às: 14:10:34

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

(invistaja.info) — Petróleo a US$ 100 o barril era considerado inevitável não muito tempo atrás, já que estrategistas de Wall Street previam um superciclo das commodities. E a previsão ainda está de pé, mesmo com o avanço da variante ômicron e aumento dos casos de Covid.

O Goldman Sachs disse que, com a demanda recorde, é possível que o petróleo seja cotado a US$ 100 em 2023. O banco acredita que os temores em relação à ômicron são exagerados, pois governos devem combater a nova variante com mais testes do que com lockdowns.

Previsões para o petróleo Brent cotado em dólares em 2023, com base nas estimativas de inflação e no efeito sobre o dólar, já apontavam o barril perto desse nível. Em outubro, faltavam apenas US$ 7,04 para a cotação em dólares atingir US$ 100 em 2023.

+Anvisa faz recomendações para uso de vacina contra Covid-19 da Pfizer em crianças

O mercado viu esse movimento há apenas alguns anos. Em 2011, o Brent subiu para US$ 126 o barril e ficou acima de US$ 100 nos três anos seguintes, enquanto a Primavera Árabe se espalhava pelo norte da África e impactava países produtores de petróleo como a Líbia, membro da Opep+.

A demanda se desacelerou em 2014 com o desaquecimento da economia da China e com o boom do gás de xisto nos Estados Unidos, que aumentou a oferta em ritmo muito rápido. O resultado foi uma queda de mais de 70% no preço do petróleo que durou até 2016, quando o mercado encontrou um novo equilíbrio. Dois anos de crescimento global se seguiram, até o início da guerra comercial entre EUA e China em meados de 2018.

hotWords: entre duelo mira 2023

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Esse cenário é semelhante ao atual. A economia global se recupera das restrições para combater a pandemia de Covid no ano passado. O petróleo a US$ 100 era visto como inevitável devido à hesitação da Opep+ em colocar mais barris no mercado e produtores americanos mais responsáveis no lado fiscal, com menos perfurações e empréstimos.

No longo prazo, há demanda no horizonte, já que até mesmo companhias aéreas em dificuldades preveem que as viagens retornarão aos níveis de 2019 em 2023. A venda coordenada global das reservas seria útil para reduzir os preços na bomba para consumidores americanos, mas é considerada uma solução de curto prazo.

O aumento dos preços do petróleo devido à demanda reprimida tem sido um dos principais impulsionadores da inflação. Mas também funciona de outra forma. A inflação tem efeito sobre o valor do dólar, a moeda na qual os contratos de petróleo são cotados. Com a valorização do dólar, influenciada pelo aumento dos rendimentos dos títulos e expectativa de três aumentos dos juros nos EUA em 2022, o petróleo a US$ 100 pode vir mais rápido do que o esperado.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

palavras-chave: Petróleo mira US$ 100 até 2023 com duelo entre inflação e Covid; invistaja.info;

CALIFORNIA | mercados | invistaja.info – Petróleo mira US$ 100 até 2023 com duelo entre inflação e Covid

REFLEXÃO: Morgan Housel: Se preocupe somente quando você achar que tiver tudo resolvido.

Veja também:

Nos EUA, Fed de NY relata choque econômico duro na região com pandemia

Ibovespa opera abaixo dos 108 mil com pressão negativa do exterior: dados de inflação e retirada de estímulos impactam negócios

Itaú revisa projeção de crescimento do PIB em 2021 para baixo e vê queda de 0,5% da atividade em 2022

Recuperados de Covid-19 teriam pouca proteção contra ômicron

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade