PIB do Brasil, conta de luz mais cara, reunião da Opep+, PMIs e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Dados PMI/Markit da China abaixo do esperado também afetam o mercado, com queda do minério; Europa também contou com vários indicadores
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de investidor para investidor

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: PIB do Brasil, conta de luz mais cara, reunião da Opep+, PMIs e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje; invistaja.info;


SHOW3 | EV/EBIT: -5.4 | P/L: -3.98 | Liq.2meses: 6470560.0 | P/Cap.Giro: 3.58 | Div.Brut/Pat.: 0.79 | Cresc.5anos: -0.6103

BRASIL | invistaja.info — O mês de agosto foi negativo para o Ibovespa, que fechou em queda de 2,48%, descolando-se das bolsas americanas também em meio aos riscos domésticos. Por aqui, setembro já começa com o noticiário movimentado, com os dados de Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, além da repercussão das medidas para enfrentar a crise hídrica e que terão impacto na inflação.

Isso após a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o Ministério de Minas e Energia anunciarem na véspera a criação de uma nova bandeira tarifária, chamada de bandeira de escassez hídrica. Com a bandeira de escassez hídrica, a cobrança extra passará para R$ 14,20 a partir deste setembro. O valor é aplicado a cada 100 quilowatts-hora consumidos (kWh), e valerá entre setembro deste ano e abril de 2022. A cobrança anterior, da bandeira vermelha patamar 2, era de R$ 9,49. É uma alta de 49,63% na cobrança extra. A Aneel estima que o impacto final na conta de luz será de 6,78%.

Atenção ainda para o parecer da Proposta de Emenda à Constituição que trata da reforma administrativa (PEC 32/2020), protocolado na véspera. O texto será lido hoje na comissão especial que discute o assunto na Câmara dos Deputados, mas só deve ser votado no colegiado daqui a duas semanas, após a concessão de vistas coletivas às bancadas.

+Biden elogia missão de retirada do Afeganistão e agradece militares

No exterior, o noticiário também é movimentado, com a expectativa pela divulgação dos dados de emprego no setor privado dos EUA pelo ADP, a repercussão do PMI Caixin/Markit da China caindo abaixo de 50 (patamar que separa expansão da contração quando menor que esse valor), levando à queda do minério, além da divulgação de diversos PMIs na zona do euro.

A sessão ainda marca a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, incluindo a Rússia, que formam o grupo conhecido como Opep+. O grupo faz o encontro para discutir o aumento de produção previamente acordado de 400 mil barris por dia (bpd) ao longo dos próximos meses. O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu à Opep e seus aliados para que ampliem a produção de petróleo, visando conter um aumento nos preços da gasolina –algo que considera uma ameaça à recuperação econômica global. Contudo, segundo informações da Reuters, a Opep+ deverá manter sua política de produção de petróleo.

Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

As bolsas europeias e os índices futuros americanos têm altas, após as bolsas asiáticas fecharem com desempenhos variados entre si na quarta.

Estados Unidos

Na terça, o Dow teve queda de 0,11%; o S&P perdeu 0,13%; e o Nasdaq perdeu 0,04%.

As principais bolsas americanas fecharam o mês de agosto em alta. O S&P teve sua sétima alta consecutiva, de 2,9%; o Nasdaq Composto avançou 4%; e o Dow teve ganhos de 1,2%.

As bolsas americanas não têm uma queda significativa desde outubro de 2020, o que faz com que alguns estrategistas esperem uma queda em setembro, mês em que, historicamente, as bolsas americanas costumam passar por uma correção.

Investidores aguardam a divulgação na sexta-feira de dados sobre emprego nos Estados Unidos. Economistas ouvidos pela Dow Jones acreditam que 750 mil vagas tenham sido criadas no mês, e que a taxa de desemprego tenha caído a 5,2%. Antes disso, será divulgado nesta quarta os dados de emprego do setor privado pelo ADP.

Ásia

As bolsas asiáticas tiveram resultados variados entre si na quarta. Na terça foi divulgado o Índice do Gerente de Compras (PMI na sigla em inglês) oficial da China, que indicou que a atividade fabril na China marcou em agosto a 50,1 pontos, frente a 50,4 pontos em julho.

Já nesta quarta foi divulgado o PMI Caixin/Markit da indústria, que marcou 49,2 pontos, abaixo da marca de 50 pontos que separa expansão da contração, ante 50,3 no mês anterior e expectativas de 50,1 pontos.

Na China continental, o Shanghai composto avançou 0,65%; em Hong Kong, o índice Hang Seng teve alta de 0,45%; no Japão, o Nikkei teve alta de 1,29%; na Coreia do Sul, o Kospi subiu 0,24%.

Europa

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, avança 0,8%, com destaque positivo de ações do setor de varejo, e negativo do setor de recursos básicos.

Na terça, os mercados foram abalados após a divulgação de dados de inflação relativos à Zona do Euro em agosto, que indicaram que preços ao consumidor subiram 3% no mês em relação ao mês anterior, de acordo com estimativas preliminares.

O patamar fica acima das expectativas, assim como da meta de 2% do Banco Central Europeu. Isso deve pressionar o BCE a tratar da inflação em uma reunião-chave marcada para a semana que vem.

Ainda no radar econômico, o escritório oficial de estatísticas da Alemanha afirmou que as vendas no varejo recuaram mais do que o esperado em julho no país. A queda foi de 5,1% em termos reais, frente a uma previsão de queda de 0,9% da agência internacional de notícias Reuters. Em junho, a alta havia sido de 4,5%, e em maio, de 4,6%.

O  Índice do Gerente de Compras (PMI em inglês) industrial relativo a agosto na Zona do Euro, que marcou 60,4 pontos, abaixo da expectativa de analistas, de 61,5 pontos, e do patamar anterior, de 62,8 pontos.

Também foi divulgado o PMI industrial relativo a agosto no Reino Unido, que marcou 60,3 pontos, frente à estimativa anterior, de 60,1 pontos e do patamar anterior, de 60,4 pontos.

Completando a intensa agenda de indicadores, foi divulgada a taxa de desemprego relativa a julho na Zona do Euro, que marcou 7,6%, em linha com a estimativa e abaixo do patamar anterior, de 7,8%.

Principais indicadores

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos

*Dow Jones Futuro (EUA), +0,27%*S&P 500 Futuro (EUA), +0,3%*Nasdaq Futuro (EUA), +0,18%

Europa

*FTSE 100 (Reino Unido), +0,63%*Dax (Alemanha), +0,14%*CAC 40 (França), +0,92%*FTSE MIB (Itália), +0,57%

Ásia

*Nikkei (Japão), +1,29% (fechado)*Shanghai SE (China), +0,65% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,58% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), +0,24% (fechado)

Commodities e Bitcoin

*Petróleo WTI, -0,015%, a US$ 68,49 o barril*Petróleo Brent, +0,04%, a US$ 71,66 o barril*Bitcoin, +0,91%, a US$ 47.779,46*Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian registram queda de 7,78%, cotados a 765 iuanes, equivalente hoje a US$ 118,28 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,46

2. Agenda

O grande destaque da agenda fica para o dado de Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil referente ao segundo trimestre de 2021. No país, atenção ainda para o PMI da Indústria.

A agenda americana também está movimentada: antes da divulgação do tradicional relatório de estoque de petróleo semanal, atenção para os números do mercado privado de trabalho de agosto apresentado pelo ADP, antecedendo o Relatório de Emprego na sexta. Confira mais destaques da agenda abaixo:

12h: Opep+ faz reunião ministerial

Brasil

9h: Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, participa de audiência pública na Câmara9h: PIB do segundo trimestre – consenso Refinitiv de alta de 0,2% na comparação trimestral e de 12,8% na base anual. Saiba o que esperar clicando aqui. 9h30: Leitura do relatório da reforma administrativa na Câmara dos Deputados10h: PMI da indústria de agosto14h30: Fluxo cambial semanal15h: Balança comercial

Estados Unidos

9h15: Dado de emprego privado (ADP) de agosto – consenso Refinitiv de criação de 613 mil vagas10h45: PMI final da indústria de agosto11h: Gastos com construção de julho11h: ISM da indústria de agosto11h30: dados de estoque de petróleo semanal, com perspectiva de queda de 2,833 milhões de barris

hotWords: brasil, assuntos opep+, movimentar cara, pmis reunião

Seja anunciante no invistaja.info

Por Dentro dos Resultados

15h: (MarketMsg) entrevista executivos da RD (RADL3), Eugenio de Zagottis (vice-presidente) e Fernando Spinelli (DRI)18h: (MarketMsg) entrevista executivo da M.Dias Branco (MDIA3), Fabio Cefaly (DRI)

Quer fazer perguntas aos CEOs das empresas que se destacam na Bolsa? Acompanhe a série Por Dentro dos Resultados no YouTube do (MarketMsg)

3. Covid e CPI

Na terça (31), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 882, patamar 17% abaixo daquele de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 671 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em 7 dias foi de 23.266, queda de 22% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 26.759 novos casos.

Chegou a 131.311.289 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 61,56% da população. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 62.583.158 pessoas, ou 29,34% da população.

A CPI da Covid no Senado aprovou na terça-feira a convocação de Karina Kufa, advogada para temas eleitorais do presidente Jair Bolsonaro, para explicar sua atuação em favor de lobistas que atuaram no Ministério da Saúde para a Precisa Medicamentos, intermediária da compra da vacina indiana Covaxin.

O autor do requerimento, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendeu a necessidade de convocação de Karina pelo fato de a advogada ter aparecido em diversos diálogos com o lobista Marconny Faria, que ajudou a Precisa a vencer licitações suspeitas no Ministério da Saúde.

A CPI aprovou ainda a reconvocação de Ivanildo Gonçalves da Silva, motoboy contratado pela empresa VTC Log, que prestava serviço ao Ministério da Saúde, inclusive de transporte de vacinas, e foi beneficiada por majorações irregulares em contratos. Reportagem do “Jornal de Brasília” mostrou que o motoboy sacou um total de R$ 4,74 milhões para a VTC Log.

Nesta quarta, a CPI da Covid ouve Marcos Tolentino, advogado e dono de uma rede de televisão que é apontado como “sócio oculto” do FIB Bank. Apesar do nome, a empresa não é uma instituição financeira. Ela ofereceu uma carta-fiança de R$ 80,7 milhões em um contrato firmado entre a Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde para a compra da vacina indiana Covaxin, da Bharat Biotech. O STF determinou que Tolentino pode se recusar a responder a perguntas que possam incriminá-lo.

4. Conta de luz mais cara e reforma administrativa no radar

Na terça, o ministro de Minas e Energia, almirante de esquadra Bento Albuquerque, pediu à população que faça “esforço inadiável” para reduzir o consumo de eletricidade. Ele também anunciou uma nova sobretaxa, chamada de “Escassez Hídrica”, que trará aumento adicional de 6,78% na tarifa média dos consumidores regulados.

Mais cedo, o Ministério de Minas e Energia havia informado que o novo patamar da bandeira terá valor de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos, com vigência de 1º de setembro de 2021 a 30 de abril de 2022.

O custo da bandeira não inclui as revisões das tarifas das distribuidoras, por exemplo. Mais cedo neste mês, o ministério havia estimado que os reajustes das contas de luz terão alta de pouco mais de 8% em 2021, um nível que já tem pressionado índices inflacionários.

A escassez de chuvas e a queda da geração da principal fonte de energia do país levou o governo elevar gastos com importação de energia e acionamento de térmicas mais caras para aumentar a oferta, além de lançar programas que visam reduzir o consumo.

Também na terça, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou em conversa com apoiadores que o governo irá “começar a trabalhar” no preço dos combustíveis, um outro fator que vem pressionando a inflação. Mas não adiantou o que pode ser feito além de cobrar, mais uma vez, mudanças no ICMS.

Em alguns locais, o litro da gasolina já chega a R$ 7, enquanto o botijão de gás de cozinha está em torno de R$ 100.O aumento dos combustíveis levou à demissão do então presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e sua troca pelo general Joaquim Silva e Luna, mas ainda assim os preços continuaram a subir.

Bolsonaro enviou ao Congresso um projeto de lei que pretende transformar o ICMS sobre combustíveis, cobrado pelos Estados, em um valor fixo. Apesar das principais razões da alta serem o preço do petróleo no mercado internacional e o valor do dólar frente o real, o presidente culpa o ICMS e os governos estaduais pelo alto custo.

Em seu projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) encaminhado na terça-feira ao Congresso Nacional, o Ministério da Economia melhorou a meta de resultado primário para 2022 a um déficit de R$ 49,6 bilhões, ante rombo de R$ 170,5 bilhões fixado na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022.

O rombo será menor principalmente pela perspectiva de mais receitas líquidas para o ano que vem, com acréscimo de R$ 146,3 bilhões sobre o que havia sido projetado na LDO. Ainda assim, o déficit primário veio acima das indicações recentes do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que ficaria por volta de 0,3% do PIB em 2022.

Em mensagem sobre o projeto, o ministério afirmou que foram inclusos os efeitos de alterações propostas na reforma do Imposto de Renda, embora o texto ainda não tenha sido votado no Congresso e seu formato final seja desconhecido, em meio a negociações que estão sendo costuradas na Câmara dos Deputados para sua apreciação.

O PLOA prevê R$ 2 bilhões para a realização do censo demográfico no ano que vem. Mas não considerou aumento no Bolsa Família, mantendo para o programa, agora rebatizado de Auxílio Brasil, o mesmo nível de recursos observado em 2021, de R$ 34,7 bilhões, com meta de atendimento de 14,7 milhões de famílias.

Na proposta de peça orçamentária, o governo estipulou, como vinha indicando, a previsão de pagamento na íntegra da pesada conta de R$ 89,1 bilhões em precatórios, que correspondem a perdas definitivas sofridas na Justiça. Uma PEC formulada pela equipe econômica busca abrir espaço de R$ 33,5 bilhões no Orçamento ao propor o parcelamento dos precatórios.

Na terça, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luiz Fux, afirmou que teve uma conversa “preliminar” com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), na qual discutiu a eventual mediação do CNJ no pagamento dos precatórios do próximo ano. Ele destacou, no entanto, que a medida é para colocar o órgão como partícipe de uma solução para o caso.

A fala de Fux se deu na abertura da reunião do CNJ, colegiado presidido por ele. Não houve um pronunciamento conjunto das autoridades do Judiciário e do Legislativo após o encontro a portas fechadas.

Fux propõe limitar o crescimento da conta dos precatórios à inflação, seguindo a mesma dinâmica da regra do teto de gastos. Pela proposta, a base de cálculo para o crescimento dos precatórios retroajaria a 2016, quando passou a vigorar a regra do teto, com essa aplicação sendo orientada pelo CNJ.

Isso levaria o pagamento máximo de precatórios em 2022 a cerca de R$ 40 bilhões, um corte de R$ 49,1 bilhões em relação aos R$ 89,1 bilhões apresentados para o exercício, maior do que aquele previsto pela solução da PEC.

Na terça, o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, afirmou que a expectativa do governo é de que a dívida bruta feche 2022 a 79,8% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 81,2% em 2021.

Segundo Funchal, o governo foi conservador ao não considerar receita de privatização da Eletrobras em 2022, pontuando que o resultado primário pode ficar até melhor com a realização da operação.

Além disso, na terça o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o relatório da reforma administrativa será lido na comissão especial da Casa na manhã desta quarta-feira e a votação do texto no colegiado deve ocorrer entre os dias 14 e 15 de setembro.

O relator da reforma administrativa, deputado Arthur Maia (DEM-BA), afirmou que seu parecer preserva direitos adquiridos de servidores e mantém a estabilidade para os atuais e os novos funcionários.

5. Radar corporativo

CSN (CSNA3)

A CSN concluiu a aquisição do controle da Elizabeth Cimentos e Elizabeth Mineração.

Oi (OIBR3;OIBR4)

A Oi anunciou Cristiane Barretto Sales como nova diretora de finanças e relações com investidores (CFO e DRI) da companhia.

A executiva substitui Camille Faria, que deixou a empresa na segunda-feira para assumir o cargo de CFO na TIM.

Bemobi (BMOB3)

A Bemobi concluiu a compra  de 100% do capital social da Tiaxa (Zonamovil). Segundo a companhia, a “aquisição é um importante passo na implementação do plano estratégico visando alavancar o crescimento em serviços digitais com ênfase em microfinanças e plataformas digitais, canais e geografia”.

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A Eletrobras informou na terça-feira que pagará R$ 23,2 bilhões à União pelas outorgas de 22 usinas hidrelétricas que terão contratos renovados, em movimento relacionado ao processo de privatização da empresa, após o governo federal ter aprovado resolução que define o valor do benefício econômico dos novos contratos de concessão da companhia.Segundo a elétrica estatal, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) fixou o montante de R$ 62,5 bilhões como valor adicionado pelos novos contratos de concessão de geração de energia elétrica para as 22 usinas da Eletrobras, em condição precedente para a capitalização da empresa. Parte do valor adicionado, os R$ 23,2 bilhões serão pagos à União pela Eletrobras capitalizada ou por suas controladas pelas outorgas das usinas.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.

palavras-chave: PIB do Brasil, conta de luz mais cara, reunião da Opep+, PMIs e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje; invistaja.info;

GLEBA PALHANO | mercados | invistaja.info – PIB do Brasil, conta de luz mais cara, reunião da Opep+, PMIs e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

REFLEXÃO: James Early, do Motley Fool: Explore a fraqueza cognitiva dos outros

Notícias relacionadas:

Covid-19: Rio muda calendário de vacinação por falta de imunizante

Biden elogia missão de retirada do Afeganistão e agradece militares

Auxílio emergencial: trabalhadores nascidos em janeiro podem sacar 5ª parcela

Na TV, ministro diz que crise hídrica se agravou e pede economia de energia

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade