Plano de saúde no estilo startup, Sami aposta até em viagens de Uber ao médico para crescer

Em seis meses, startup chegou a mil microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas empresas atendidos por seu plano de saúde
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Investindo como profissionais

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Plano de saúde no estilo startup, Sami aposta até em viagens de Uber ao médico para crescer; invistaja.info;


TIET3 | P/L: 8.21 | Pat.Liq: 1842460000.0 | P/ACL: -1.21 | P/EBIT: 4.05 | DY: 0.0615 | Cresc.5anos: 0.07

ListenToMarket: Plano de saúde no estilo startup, Sami aposta até em viagens de Uber ao médico para crescer – Áudio gerado às: 8:11:10

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASIL | invistaja.info — A startup de saúde Sami começou sua própria operadora de saúde há seis meses, quando captou um aporte de R$ 86 milhões com os conhecidos fundos de venture capital Monashees e Valor Capital Group. De lá para cá, a healthtech já conquistou mil microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas empresas com seu “plano de saúde no estilo startup.”

Além de conveniência na contratação e no atendimento, a Sami defende o foco em medicina preventiva. A Sami anunciou recentemente uma parceria com a gigante mobilidade urbana Uber, para que seus usuários recebam corridas gratuitas para se consultar presencialmente com seu time de saúde.

Essa parceria com a Uber é a amostra mais recente da estratégia da Sami desde o lançamento da operadora de saúde: conquistar a confiança dos usuários por meio de validação por grandes companhias. O (MarketMsg) conversou com Vitor Asseituno, cofundador da Sami, sobre o modelo de negócios e a estratégia de crescimento Sami.

+Índices futuros americanos e bolsas europeias têm altas, após desempenho fraco na terça

Plano de saúde no estilo startup

A Sami foi criada pelos empreendedores de saúde Guilherme Berardo e Vitor Asseituno em 2018. O negócio está de olho em um grande mercado.

Segundo a Agência Nacional de Saúde (ANS), a receita de contraprestações das operadoras somou cerca de R$ 200 bilhões em 2019. Porém, uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostrou que 69,7% dos brasileiros em 2018 não tinha plano de saúde particular, empresarial ou individual.

Médico de formação, Asseituno trabalhou na aceleradora americana de startups Rock Health e conheceu benchmarks que levariam à criação da Sami. As operadoras de saúde digitais Bright Health e Oscar Health levantaram US$ 1,6 bilhão e US$ 1,5 bilhão com investidores, respectivamente.

De volta ao Brasil, Asseituno criou primeiro a empresa de eventos na saúde Live Healthcare. A empresa foi vendida há dois anos para o grupo de eventos Informa. O empreendedor se uniu a Berardo para fundar a Sami. Berardo fez carreira no banco de investimentos Merrill Lynch. Depois, montou um hospital para idosos junto do tio, que era médico. O empreendimento se tornou a rede Premium Care, com oito clínicas de longa permanência atualmente.

Asseituno e Berardo receberam o primeiro investimento externo para a Sami em março de 2019. Os fundos Canary e Redpoint eventures aportaram US$ 1,3 milhão na startup de saúde, acompanhados de anjos como Paulo Veras (99), Sérgio Ricardo dos Santos (Amil) e Alan Warren (Oscar Health).

O empreendimento começou abordando as operadoras de saúde, implementando o serviço de telemedicina e usando análise de dados para filtrar os melhores médicos. O objetivo era reduzir a evolução dos casos, reduzindo a sinistralidade (e os custos) das operadoras. Esse mínimo produto viável (MVP) acumulou dados de 500 mil pessoas.

Porém, muitas operadoras não tinham essa cultura de coletar informações com precisão. O aporte de R$ 86 milhões, obtido em outubro de 2020, veio justamente para a criação da operadora de saúde própria da Sami.

Crescimento e estratégia da Sami

A contratação pode ser feita de forma completamente online pelas empresas, sem atendimento de corretores – essa modalidade já responde por 13% das vendas da Sami.

O foco da startup está em pequenos CNPJs, com uma até 99 vidas e por isso mais propensos a testarem uma compra digital. Em seis meses, a healthtech acumulou mil vidas atendidas na cidade de São Paulo.

hotWords: sami para médico aposta viagens estilo

Seja anunciante no invistaja.info

O reajuste segue o Índice de Preços para o Consumidor Amplo (IPCA), e não o reajuste tradicional das operadoras de saúde. A ideia é que as pequenas empresas não precisam renegociar e trocar de plano frequentemente. Em janeiro de 2021, o Procon de São Paulo afirmou que as empresas de plano de saúde coletivo repassaram reajustes de até 228%.

O custo da Sami fica entre 10% a 20% mais barato em comparação com um plano de saúde corporativo tradicional, segundo Asseituno.

Cada usuário tem um médico responsável por acessar seu histórico, acompanhar sua saúde e orientar o agendamento de consultas com especialistas. Esses profissionais receberão feedbacks do usuário, assim como as estrelas no aplicativo de mobilidade urbana Uber.

“As pessoas querem muito um plano de saúde, considerando-o um mal necessário para acessar um médico ou hospital. Nosso papel é redefinir essa percepção e fato ter um plano para a saúde delas. Buscamos promover uma medicina melhor, mais digital e com benefícios focados em prevenção”, diz Asseituno.

A Sami tem uma parceria com a plataforma de academias Gympass. Em janeiro, a startup começou um piloto para oferecer gratuitamente aos usuários corridas pelo aplicativo Uber. Os vouchers de ida e volta de consultas podem ser pedidos por qualquer usuário da Sami hoje, para se encontrar pessoalmente com sua equipe fixa de saúde.

Os times de médicos, enfermeiras e coordenadores de saúde criados pela healthtech ficam na Beneficência Portuguesa, no centro de São Paulo. São profissionais voltados ao primeiro atendimento e acompanhamento dos usuários.

Os usuários que fazem uso desse transporte vão desde pacientes que simplesmente querem conhecer presencialmente sua equipe de saúde até usuários de que têm doenças crônicas e precisam realizar exames e receber novas receitas de medicamentos.

“Idosos e pessoas com doenças como diabetes e hipertensão precisam fazer check ups frequentes, mas estão com medo de pegar o transporte coletivo e se contagiar com a Covid-19. Doenças crônicas mal controladas são outra pandemia”, diz Asseituno. “Ir de carro é uma forma de estar mais isolado e seguro. Tanto para a pessoa quanto para a operadora de saúde, faz sentido evitar que ela não receba atendimento, piore em casa e depois pare em uma UTI.”

A Sami continua praticando a tradicional remuneração por consulta ou serviço para os médicos e instituições de saúde parceiras (fee for service). Mas está estudando outros modelos de monetização para decidir qual deles gera o melhor incentivo ao setor, evitando a ocupação desnecessária de leitos hospitalares.

“Número de procedimentos não necessariamente se traduz em qualidade. Todos os nossos contratos pedem compartilhamento de dados. Estamos coletando informações para saber como foi a experiência com cada médico e hospital. Aferindo qualidade, podemos cobrar dos parceiros mais excelência e remunerar quem dá o melhor atendimento”, diz Asseituno. “Plano de saúde comuns não se importam com medicina preventiva ou com uma cirurgia mal feita, porque o usuário vai olhar o tamanho do reajuste e mudar de plano logo. A gente pensa em ficar com o paciente por um prazo de dez anos.”

A Sami ainda precisa convencer mais usuários de sua proposta – e parcerias com grandes empresas, como a Uber, são uma forma de pegar credibilidade emprestada. “É difícil tomar a decisão de comprar seguros com uma startup, tradicionalmente um negócio de maior risco. Essas parcerias mostram a credibilidade do mercado em nós.”

A Sami saiu de 82 para quase 200 funcionários em seis meses. O negócio também dobrou de tamanho em fevereiro, em março e em abril. A healthtech espera chegar a 5.000 a 7.000 empresas atendidas por seu plano de saúde no estilo startup até o final de 2021.

Conheça o modelo de gestão que fez a XP crescer exponencialmente na última década, e como aplicá-lo no seu negócio. Assista à série Jornada Rumo ao Topo.

palavras-chave: Plano de saúde no estilo startup, Sami aposta até em viagens de Uber ao médico para crescer; invistaja.info;

GLEBA PALHANO | negocios | invistaja.info – Plano de saúde no estilo startup, Sami aposta até em viagens de Uber ao médico para crescer

REFLEXÃO: Barry Ritholtz, da Bloomberg: Mantenha a simplicidade, faço menos e administre sua estupidez.

Leia também:

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 5/5

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 5/5

Índices futuros americanos e bolsas europeias têm altas, após desempenho fraco na terça

Bolsonaro assina decreto que antecipa pagamento de 13º a aposentados

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade