Preços do petróleo caem forte após acordo da Opep+ para elevar oferta, mas analistas veem notícia como positiva

BBI vê acordo como positivo uma vez que enterra a tese de uma ruptura potencial entre os membros da Opep+ – o que poderia levar a uma guerra de preços
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Investindo como um profissional

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Preços do petróleo caem forte após acordo da Opep+ para elevar oferta, mas analistas veem notícia como positiva; invistaja.info;


FESA4 | ROE: 0.0713 | Cresc.5anos: 0.1151 | Mrg.Liq.: 0.0723 | DY: 0.0231 | P/L: 33.7 | PSR: 2.432

ListenToMarket: Preços do petróleo caem forte após acordo da Opep+ para elevar oferta, mas analistas veem notícia como positiva – Áudio gerado às: 9:50:32

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

No último domingo, ministros da Opep+ concordaram em aumentar a oferta de petróleo a partir de agosto para frear os preços, que subiram para máximas em dois anos e meio à medida que a economia global se recupera da pandemia de COVID-19.

Já nesta segunda, por volta das 9h30 (horário de Brasília), o contrato futuro do petróleo Brent para setembro operava em queda de 3,38%, a US$ 71,07 por barril, enquanto o petróleo dos Estados Unidos (WTI) com vencimento em agosto recuava 3,72%, a US$ 69,14 o barril.

O grupo, que inclui países da Opep e aliados como a Rússia, chegou a um importante acordo para os níveis de produção a partir de maio de 2022 após a Arábia Saudita e outros terem concordado com um pedido dos Emirados Árabes Unidos (EAU) que havia ameaçado o plano.

+Ações da B2W saltam 4% antes de mudança de nome; Tenda avança 2% após prévia, Méliuz sobe e bancos caem

“Estamos felizes com o acordo”, disse o ministro de Energia dos Emirados, Suhail bin Mohammed al-Mazroui, em uma coletiva de imprensa. O ministro de Energia saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, se recusou a responder perguntas sobre como chegaram a um acordo.

Ano passado, a Opep+ reduziu a produção em 10 milhões de barris por dia (bpd), um recorde, em meio à queda da demanda e dos preços causada pela pandemia. A oferta foi sendo gradualmente retomada, reduzindo o corte para cerca de 5,8 milhões de bpd.

De agosto a dezembro de 2021 o grupo aumentará a oferta em mais 2 milhões de bpd, ou 0,4 milhões bpd por mês, disse a Opep em um comunicado. O grupo havia concordado em estender o pacto até o fim de 2022, em vez de abril de 2022, como planejado inicialmente, para ter mais espaço de manobra caso a recuperação global empaque devido à novas variantes do vírus.

Enquanto a Arábia Saudita e os Emirados apoiaram um aumento imediato na produção, os Emirados se opuseram à ideia da Arábia Saudita de prolongar o pacto para dezembro de 2022 sem conseguir uma cota de produção mais alta. Para superar o impasse, a Opep+ acertou novas cotas de produção para vários membros a partir de maio de 2022, incluindo Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Rússia, Kuwait e Iraque.

hotWords: caem preços acordo petróleo veem oferta, notícia forte

Publique seu negócio no invistaja.info

De acordo com a XP, o acordo da Opep+ para aumentar a produção é uma boa notícia, à medida em que a alta do petróleo pressiona a inflação e os custos de produção.

Para o Bradesco BBI, o acordo é positivo uma vez que enterra a tese de uma ruptura potencial entre os membros da Opep+ – o que poderia levar a uma guerra de preços – e estende os cortes para além de abril de 2022. Além disso, o grupo continuará a se reunir nesse interim para ver se ajustes devem ser feitos – por exemplo, em caso de surgimento de novas ondas de Covid ou se os EUA e o Irã chegarem a um acordo nuclear.

“Continuamos acreditando que o brent deve ter um suporte em torno de US$ 70 o barril em média no próximo ano, acima do consenso atual. No curto prazo, os temores da variação da variante delta da Covid-19 podem continuar a trazer volatilidade de curto prazo”, avaliam.

Já Carsten Menke, analista do Julius Baer, destaca que “as capacidades de produção dos países da Opep+ no longo prazo, livres e adicionais, são a principal razão pela qual vemos o petróleo recuando novamente”, disse, complementando: “seguimos confiantes de que o mercado de petróleo está na fase final de seu ciclo de alta.”

Cabe ressaltar que, nesta sessão, os mercados são impactados negativamente em meio aos temores com a propagação da variante delta do coronavírus. Os principais mercados acionários mundiais operam com perdas na manhã desta segunda-feira, com o mau humor dos investidores associado principalmente à disseminação da variante delta. No Reino Unido, está previsto para hoje a suspensão da maior parte das restrições para conter o avanço da covid-19. Na Grã-Bretanha, os casos aumentaram para 48.161 no domingo e na França, um ministro disse que a restauração de medidas de toque de recolher não pode ser excluída se as infecções continuarem a aumentar.

(com Reuters)

Quer entender o que é o mercado financeiro? Assista à série gratuita “Carreira no Mercado Financeiro” e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.

palavras-chave: Preços do petróleo caem forte após acordo da Opep+ para elevar oferta, mas analistas veem notícia como positiva; invistaja.info;

FLORIANÓPOLIS | mercados | invistaja.info – Preços do petróleo caem forte após acordo da Opep+ para elevar oferta, mas analistas veem notícia como positiva

REFLEXÃO: Michael Kitces, conselheiro financeiro: Invista pensando no longo prazo, não especule, mas, não ignore as flutuações do mercado.

Saiba mais:

Covid-19: Anvisa autoriza estudo clínico com 3ª dose da vacina AstraZeneca

Mercado financeiro eleva projeção para IPCA em 2021 para 6,11% e vê Selic a 6,63% em dezembro

Preços recordes dão nova vida à indústria do aço

Ibovespa Futuro cai mais de 1% com exterior diante do aumento de casos de Covid e queda do petróleo; dólar sobe

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.