Queiroga diz que Ministério da Saúde vai suspender contrato da vacina Covaxin, dizem sites

Anúncio, que deve ocorrer ainda hoje, acontece em meio a polêmicas envolvendo o contrato firmado pelo Ministério da Saúde com a Precisa Medicamentos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação para quem vive o mercado

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Queiroga diz que Ministério da Saúde vai suspender contrato da vacina Covaxin, dizem sites; invistaja.info;


APER3 | P/L: 0.0 | ROE: 0.0 | PSR: 0.0 | Mrg.Ebit: 0.0 | EV/EBITDA: 0.0 | P/EBIT: 2171.0

BRASIL | invistaja.info — Marcelo Queiroga, atual ministro da Saúde, afirmou nesta terça-feira (29) que vai suspender o contrato da vacina indiana Covaxin, cuja venda é intermediada no Brasil pela Precisa Medicamentos.

O anúncio, que deve ocorrer ainda hoje, acontece em meio a polêmicas envolvendo o contrato firmado pelo Ministério da Saúde com a Precisa Medicamentos. A empresa é alvo de análise pela CPI da Covid em meio a investigações por suspeita de irregularidades na compra das doses. Essas investigações incluem suspeita de superfaturamento na compra do imunizante e de celeridade acima do normal em relação à compra das vacinas.

“Não é mais oportuno importar as vacinas neste momento”, afirmou Queiroga em entrevista à CNN. A informação também foi confirmada à Folha de S. Paulo. O (invistaja.info) contatou o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos para entender se a suspensão do contrato já foi oficializada.

+Gympass dobra valuation após novo investimento do SoftBank; startup já vale US$ 2,2 bilhões

Vacina rodeada de polêmicas na CPI

O Ministério Público Federal investiga a compra das doses por algumas suspeitas: um possível superfaturamento no preço da dose (US$ 15 cada), que é a mais cara paga pelo governo; a celeridade acima do normal em relação a essa compra, já que outras farmacêuticas ficaram meses esperando pela assinatura do contrato; e a necessidade de intermediação da Precisa Medicamentos, cujos sócios têm uma dívida de quase R$ 20 milhões com o Ministério da Saúde.

A situação piorou na última semana, quando, em depoimento à CPI do Senado sobre a Covid-19, os irmãos Luís Miranda (deputado) e Luís Ricardo Miranda (servidor) apresentaram documentos e conversas que mostram que havia uma “pressão atípica” para a compra da vacina Covaxin, por meio da empresa brasileira Precisa Medicamentos.

Em um depoimento de mais de 10 horas, o deputado Miranda – após ser pressionado por senadores – revelou que o líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), era quem fazia a pressão para a aprovação do contrato para a compra de 20 milhões de doses da fórmula da Bharat Biotech, no valor de R$ 1,6 bilhão.

Os dois confirmaram que fizeram uma reunião com Jair Bolsonaro no dia 20 de março para apresentar diversos indícios de irregularidades no processo de compra. Naquele dia, conforme os Miranda, o presidente afirmou que pediria para a Polícia Federal investigar o caso – o que não ocorreu – e citou o nome de Barros como um dos responsáveis “pelo rolo”.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), informou que entrará com uma denúncia-crime contra Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) por prevaricação, quando um agente público não age para impedir que um ato suspeito de crime ocorra.

Nesta segunda-feira (28), a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse haver “grave suspeita” de indícios de favorecimento e obtenção de vantagens indevidas nas negociações para a compra da vacina indiana Covaxin contra Covid-19, alvo de uma CPI do Senado.

hotWords: suspender contrato covaxin, saúde vacina

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

A manifestação de Rosa Weber foi divulgada em uma decisão que manteve pedido de quebra de sigilo de um advogado da Precisa Medicamentos, empresa que representa no país a fabricante da Covaxin, a Bharat Biotech.

Também nesta segunda, Bolsonaro disse que não sabe de tudo que acontece nos ministérios do governo ao falar sobre as possíveis irregularidades no processo de compra da Covaxin.

“Não tenho como saber o que acontece nos ministérios. Eu vou na confiança em cima de ministro e nada fizemos de errado. Agora, botam uma narrativa de que a vacina fissura o governo no tocante da corrupção”, disse aos apoiadores em Brasília.

Sem citar diretamente os nomes do deputado e do servidor de carreira do Ministério da Saúde, o mandatário disse que recebe “todo tipo de gente” em seu Gabinete.

Pedido emergencial

Vale lembrar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que recebeu na manhã desta terça-feira (29) o pedido de uso emergencial em caráter experimental da vacina Covaxin, enviado pela empresa Precisa Medicamentos, que representa no Brasil a farmacêutica indiana Bharat Biotech.

De acordo a Anvisa, as primeiras 24 horas seriam utilizadas para fazer uma triagem do processo e verificar se os documentos necessários para avaliação estão disponíveis. Se houver informações importantes faltando, a Anvisa pode solicitar os dados adicionais ao laboratório, informou em nota a Agência

O (invistaja.info) também contatou a Anvisa para entender o que pode mudar em relação ao processo de análise desse pedido.

*Com as agências Ansa e Reuters

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

palavras-chave: Queiroga diz que Ministério da Saúde vai suspender contrato da vacina Covaxin, dizem sites; invistaja.info;

CALIFORNIA | economia | invistaja.info – Queiroga diz que Ministério da Saúde vai suspender contrato da vacina Covaxin, dizem sites

REFLEXÃO: Bill Mann, da Motley Fool Asset Management: Busque investir em conjunto com grandes gestores, depois, é só ser paciente.

Veja também:

Setor de seguros faturou R$ 10,5 bilhões em abril, alta de 17,3%, mostra Boletim IRB+ Mercado

Ação da Braskem salta 5% com expectativa por propostas para venda; Vale e siderúrgicas sobem e bancos seguem em baixa

Ibovespa se recupera no fim e fecha praticamente estável após chegar a cair 1%; dólar sobe a R$ 4,94

Greve na Vale em Sudbury prejudica oferta de níquel de bateria

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.