Publicidade

Risco de terceira onda: 5 fatos sobre a P.1, variante brasileira do novo coronavírus

Temor de médicos é que variante brasileira do vírus causador da Covid-19 possa saturar sistema de saúde de estados e municípios. Transmissibilidade é maior
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdos sobre investimentos

palavras-chave: Risco de terceira onda: 5 fatos sobre a P.1, variante brasileira do novo coronavírus; invistaja.info;


BRASIL | invistaja.info — No início de 2021, pesquisadores japoneses detectaram uma nova cepa do Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19, em quatro viajantes que vieram do Amazonas e desembarcaram em Tóquio. Segundo as autoridades sanitárias japonesas, a variante continha 12 mutações que ainda não tinham sido identificadas.

A nova cepa brasileira, chamada de P.1, foi elencada junto com as variantes descobertas no Reino Unido e na África do Sul como uma potencial forma mais contagiosa do vírus. O (invistaja.info) elencou alguns fatos que já sabemos sobre a P.1. Veja mais abaixo:

1 — P.1 se espalhou pelo Brasil e por outros países

+Ecorodovias vê melhora no fluxo das estradas em 2021, mas perdas permanecem

A P.1 é vista principalmente no Amazonas: 91% dos casos de Covid-19 foram causadas por essa variante de acordo com material genético sequenciado em janeiro, informa a Agência Brasil. Em dezembro, a mutação estava em 51% dos casos.

Após mais de um mês após da descoberta da variante brasileira no Japão, porém, a mutação não está mais restrita no Amazonas e foi encontrada em outros estados brasileiros. Bahia, Ceará, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina, Pará e Paraíba foram algumas das regiões que já detectaram a nova cepa em seus habitantes, ainda segundo a Agência Brasil.

O estado de São Paulo já confirmou 25 casos de infectados com a variante de Manaus na última segunda-feira (15). Foram 12 casos em Araraquara, nove casos na capital paulista, três casos em Jaú e um caso em Águas de Lindóia. Dos 25 casos em São Paulo, 16 são de pessoas que não estiveram no Amazonas e nem em contato com quem tenha viajado pela região, o que pode significar que o vírus não esteja mais sendo “importado” e esteja em plena circulação por aqui. No Rio de Janeiro, a Fiocruz identificou quatro casos da P.1 no estado na última terça-feira (16).

Segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, na última sexta-feira (12), o Brasil contava com cerca de 170 casos da P.1 em dez estados da federação.

A P.1 também já foi detectada em diversos países além do Japão e do Brasil. De acordo com a agência italiana de notícias Ansa, Reino Unido, Itália, Alemanha, Coreia do Sul, Irlanda, Índia, Canadá e Holanda são alguns dos países que já registraram casos positivos de infecções pela P.1.

2 — P.1 já causou lockdowns no Brasil

Com risco iminente de colapso no sistema de saúde, a cidade de Araraquara decidiu adotar um lockdown rígido por 15 dias, a partir de 15 de fevereiro, para tentar frear o avanço da nova cepa.

Vale lembrar que a cidade já se encontrava na Fase Vermelha do Plano São Paulo, fase com mais restrições do plano articulado pelo governo do estado para enfrentamento à pandemia e reabertura da economia. Araraquara tem um índice de ocupação de leitos de UTI superior a 95%, segundo a secretaria estadual de saúde.

3 — P.1 é mais transmissível, mas maior letalidade é discutível

O maior temor dos médicos é que a variante brasileira possa saturar o sistema de saúde de muitos estados e municípios. Isso porque duas mutações dentro da P.1 estão ligadas a maior transmissibilidade e a maior resistência do vírus.

A primeira das mutações, chamada de N501Y, permite que o vírus se encaixe de forma mais firme nas células humanas, o que faz com que seja mais contagioso. Uma segunda mutação, chamada de E484K, torna o vírus mais resistente a anticorpos. Estudos sobre a prevalência de anticorpos após a infecção pela P.1 ainda estão em curso.

Anuncie no invistaja.info

Outro dado que tem deixado especialistas preocupados é sobre o poder de reinfecção que a nova cepa possui: quem já foi contaminado por Covid-19 pode ser novamente infectado por essa variante do Sars-CoV-2. Em um texto divulgado no último dia 12 pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a pesquisadora Paola Cristina Resende ressalta que “é importante lembrar que as novas linhagens já foram associadas a casos de reinfecção no país”.

Ainda é preciso realizar estudos conclusivos sobre a reinfecção por conta da variante P.1. Um artigo publicado na revista científica The Lancet descreveu ao menos um caso de reinfecção em Manaus, capital do Amazonas, associado à P.1.

Com maiores índices de transmissibilidade, epidemiologistas temem que a P.1 possa se tornar dominante no país, assim como a variante sul-africana na África do Sul.

Apesar dessa maior taxa de transmissão, estudos ainda não determinaram que a variante brasileira possa ter um grau maior de mortalidade direta. Mas, como a nova cepa é mais infecciosa, tende a ser mais letal pelo número de pessoas infectadas e consequentes óbitos. Mais análises sobre o material genético do vírus devem ser feitas para determinar a agressividade da nova variante.

4 — Risco de terceira onda da pandemia existe

Embora a variante tenha causado o lockdown de apenas uma cidade no interior de São Paulo, o rápido espalhamento da variante por todo o país mostra que a variante pode causar uma piora geral da pandemia. Em menos de um mês, a variante chegou até quase metade dos estados brasileiros.

Especialistas acreditam que, em meio a uma alta de casos geral no Brasil, o impacto da variante pode causar uma terceira onda no país. No último domingo (14), o Brasil atingiu a maior média de mortes diárias desde o início da pandemia, com 1.105 vítimas.

“As pessoas devem se preocupar. A chance é que realmente se espalhe. Então, quanto mais cuidado as pessoas tenham, menor o risco das pessoas se infectarem”, disse Ester Sabino, professora do Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IMT-USP), à CNN.

5 — Eficácia de vacinas atuais contra P.1 não está cravada

A mutação da P.1 que causa maior resistência a anticorpos pode estar não só por trás de um maior número de casos de reinfecção do novo coronavírus, mas também de preocupações com a eficácia das vacinas em uso atualmente.

Estudos recentes mostraram que a vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford tem uma eficácia menor contra a variante da África do Sul. Entretanto, ainda não há dados concretos sobre a eficácia das vacinas contra a variante brasileira.

O Instituto Butantan, responsável brasileiro pela CoronaVac, informou na última sexta-feira (12) que irá realizar testes para testar a eficácia da vacina do instituto e deve apresentar resultados nas próximas semanas.

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do (invistaja.info) mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

palavras-chave: Risco de terceira onda: 5 fatos sobre a P.1, variante brasileira do novo coronavírus; invistaja.info;

BRASIL | economia | invistaja.info – Risco de terceira onda: 5 fatos sobre a P.1, variante brasileira do novo coronavírus

Saiba mais:

Bolsas americanas abrem em queda com expectativa por aumento da inflação ofuscando bom sinal do varejo

Trump vira alvo de processo judicial por invasão ao Capitólio

Buffett investe bilhões de dólares em Chevron e Verizon, enquanto reduz participação em Apple e bancos

Biden diz que China enfrentará consequências por abusos de direitos humanos

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade