Startups de saúde feminina têm investimento recorde na pandemia

O financiamento para startups digitais de saúde com foco em mulheres cresceu 105% no ano passado, para US$ 418 milhões
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de trader para trader

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Startups de saúde feminina têm investimento recorde na pandemia; invistaja.info;


CRFB3 | PSR: 0.647 | ROE: 0.17 | P/L: 17.24 | Liq.Corr.: 1.03 | Cotacao: 23.19 | Mrg.Liq.: 0.0399

ListenToMarket: Startups de saúde feminina têm investimento recorde na pandemia – Áudio gerado às: 16:40:53

VELOCIDADE: 1.0x| 1.95x|2.3x

Antes consideradas muito específicas ou arriscadas pela comunidade de capital de risco, as startups digitais de saúde feminina veem aumento nos investimentos à medida que a pandemia de Covid-19 impulsiona mais serviços online.

O financiamento para startups digitais de saúde com foco em mulheres cresceu 105% no ano passado, para US$ 418 milhões, espalhado para 22 empresas, quase o dobro em comparação a 2019, de acordo com Rock Health, um fundo de capital de risco com sede em São Francisco.

A Rock Health monitora empresas de US$ 2 milhões ou mais que fazem parte do setor de saúde digital e têm sede nos Estados Unidos. Conta com 55 empresas na categoria “femtech”, que inclui aquelas que abordam temas como saúde reprodutiva, cuidado materno e doenças crônicas.

+Clubhouse fecha novo aporte que avalia aplicativo em US$4 bi, diz fonte

“O mercado de saúde é uma indústria de quatro trilhões de dólares”, disse o CEO Bill Evans. “A saúde da mulher é uma pequena parte disso, mas há necessidades não atendidas entre as mulheres hoje e que são mais negligenciadas do que outras áreas.”

As mulheres respondem por 80% das decisões em saúde nos EUA, de acordo com o Departamento do Trabalho, e gastam 29% a mais per capita no setor do que os homens. A pandemia trouxe a saúde para o primeiro plano da consciência das pessoas e com ela uma explosão em soluções digitais na área. Esses desenvolvimentos ampliaram a oportunidade de atender às necessidades específicas de saúde das mulheres.

Os maiores investimentos em saúde digital da mulher no ano passado incluíram US$ 121 milhões para Sema4, uma startup com sede em Stamford, Connecticut, que realiza testes pré-natais e monitora e realiza testes em portadores de câncer hereditário; US$ 55 milhões para a fabricante de bombinha tira-leite vestível Willow, de Mountain View, Califórnia; e US$ 45 milhões para o hub virtual de saúde Maven Clinic, com sede em Nova York, de acordo com a Rock Health.

Apesar do recente salto no interesse dos investidores, as startups de femtech ainda representam apenas 3% do financiamento global de saúde digital em 2020, segundo o fundo de capital de risco.

Com sede em Nova York, Tia – que arrecadou US$ 24 milhões em capital de risco em maio de 2020 – visa captar todo o espectro da saúde da mulher, desde cuidados primários, ginecologia e terapia até aconselhamento nutricional e acupuntura, por meio de seu modelo híbrido de clínicas virtuais e presenciais. Por uma taxa de US$ 15 por mês, os pacientes têm acesso a médicos da Tia, mensagens ilimitadas e registros médicos de maneira centralizada.

hotWords: pandemia saúde startups recorde

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Antes da pandemia, o serviço digital da Tia se limitava a mensagens de bate-papo. Com a chegada da Covid-19, a empresa mudou o foco e lançou um conjunto abrangente de telessaúde. “De repente, nos deparamos com essa oportunidade”, disse a cofundadora e CEO Carolyn Witte.

“O futuro deste espaço pretende projetar o atendimento para que o virtual seja uma versão melhor do atendimento presencial. No entanto, estamos cientes de que procedimentos como mamografias não podem ser feitos online.” Com uma clínica física aberta na cidade de Nova York e outra em Los Angeles este mês, Tia planeja abrir pelo menos mais duas clínicas este ano e outras 10 em 2022.

Oula Health é uma startup de cuidados com gravidez, sediada no Brooklyn, e que foi lançada em dezembro. A empresa oferece parteiras, obstetras, doulas e consultores de lactação por meio de uma plataforma de telessaúde, além de consultas pré-natais presenciais regulares em sua clínica tradicional.

“Estamos realmente tentando virar o sistema de assistência à maternidade de cabeça para baixo”, disse a cofundadora e diretora de operações Elaine Purcell.

Em outubro, Oula arrecadou um financiamento inicial de US$ 3,2 milhões liderado pelo Collaborative Fund, com participação do fundo Metrodora Ventures, uma empresa de capital de risco co-fundada por Chelsea Clinton, a CEO da Maven Clinic Kate Ryder, e Tom Lee, da One Medical.

palavras-chave: Startups de saúde feminina têm investimento recorde na pandemia; invistaja.info;

CALIFORNIA | negocios | invistaja.info – Startups de saúde feminina têm investimento recorde na pandemia

REFLEXÃO: Barry Ritholtz, da Bloomberg: Mantenha a simplicidade, faço menos e administre sua estupidez.

Veja também:

Conselho Federal de Medicina diz no Senado que não aprova tratamento precoce contra Covid-19

Governo destinará até R$ 15 bi para relançar BEm e Pronampe

Biden diz que está preparado para fazer concessões no pacote de infraestrutura

Covid deixará cicatriz em economia global mesmo após recuperação

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *