Térmicas de alto custo e combustíveis mais caros inviabilizam bandeira tarifária da escassez hídrica, diz presidente da Abradee

Alta nos preços do gás natural e do diesel, combustíveis usados nas usinas, também causa impactos nas operações das distribuidoras de energia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias do mercado financeiro

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Térmicas de alto custo e combustíveis mais caros inviabilizam bandeira tarifária da escassez hídrica, diz presidente da Abradee; invistaja.info;


RPAD5 | ROIC: -0.004 | EV/EBITDA: -174.35 | DY: 0.0635 | P/ACL: 69.23 | Liq.Corr.: 4.26 | Mrg.Ebit: 0.0

ListenToMarket: Térmicas de alto custo e combustíveis mais caros inviabilizam bandeira tarifária da escassez hídrica, diz presidente da Abradee – Áudio gerado às: 19:0:32

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

GONÇALVES (MG) — A entrada de térmicas de maior custo operacional inviabilizou que a bandeira tarifária da escassez hídrica fosse suficiente para arcar com as operações das usinas movidas a combustíveis no lugar das hidrelétricas, afetadas com o baixíssimo nível de seus reservatórios.

A análise é de Marcos Madureira, presidente da Abradee (entidade que representa as distribuidoras), em conversa com jornalistas, após participar de painel virtual no Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase), nesta quinta-feira (14).

A entidade vem pressionando o Ministério de Minas e Energia do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) sobre o descasamento financeiro entre os valores que as distribuidoras estão recebendo do consumidor e o que elas desembolsam para pagar pela energia.

+Presidente turco demite membros do BC contrários a cortar juros

A descompensação tida como pauta principal das distribuidoras recai nos sucessivos aumentos de preço do gás natural e do diesel, combustíveis que abastecem as usinas térmicas. O gás natural sofre ainda outras pressões devido a alta procura de União Europeia e China, que também impactam a comercialização do combustível nos demais mercados.

Para Madureira, o valor da taxa extra não vai dar conta de cobrir os custos operacionais embutidos nas térmicas com a elevação dos preços dos combustíveis. O executivo disse que, nos encontros a portas fechadas com a Aneel, soluções vem sendo apresentadas, mas só a agência poderá analisar e executar as medidas para desonerar as operações.

A taxa extra sobre a conta de luz saltou de R$ 9,49 para R$ 14,20 para cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. Em vigor desde o mês de setembro, a bandeira excepcional foi criada para compensar os custos das térmicas, que já respondem por 25% da geração de energia do país no momento.

A preocupação, no momento, é se o consumidor vai arcar com um novo reajuste da taxa extra. “A gente vem discutindo com a Aneel que tipo de solução tomar para que o consumidor não tenha mais impacto [com a conta de luz]”, afirmou Madureira.

Segundo Marizete Pereira, secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia, um possível novo reajuste da bandeira tarifária de escassez hídrica deveria ser adequado “tanto para as empresas [distribuidoras] como para a capacidade de pagamento dos brasileiros”.

hotWords: custo térmicas combustíveis tarifária abradee caros escassez

Seja anunciante no invistaja.info

A secretária-executiva, que também participou do Enase, ressaltou que a pasta de Minas e Energia não é a responsável por definir o valor de um possível reajuste. “O que está garantido é que essa tarifa permanecerá inalterada até abril de 2022. Em maio, a Aneel vai definir o novo patamar de bandeira tarifária”, disse.

Monopólio

As discussões sobre o preço do gás natural ganharam novos contornos nesta quinta. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ser clara a possibilidade de se acionar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para investigar o preço do gás vendido pela Petrobras.

Na avaliação do representante do Legislativo nacional, o problema do gás no Brasil “se resume a algo muito simples: monopólio”. “A Petrobras detém um monopólio. Não se justifica o porquê o gás é extraído a US$ 2 e caminha nos gasodutos a mais de US$ 10 para ser distribuído. A Petrobras tem que se esforçar para dar explicações”, disse Lira, em entrevista, à Rádio Bandeirantes.

“Tem problemas sérios na questão do gás que a Câmara está atenta. Há uma possibilidade clara de se acionar o Cade para se intervir nessa questão do monopólio.”

Para Madureira, a importação de energia e os mecanismos de redução no consumo do insumo para grandes consumidores também impactam as distribuidoras. “Mas nada se compara com a elevação causada pela alta dos combustíveis”, afirmou.

Curso inédito “Os 7 Segredos da Prosperidade” reúne ensinamentos de qualidade de vida e saúde financeira. Faça sua pré-inscrição gratuita.

palavras-chave: Térmicas de alto custo e combustíveis mais caros inviabilizam bandeira tarifária da escassez hídrica, diz presidente da Abradee; invistaja.info;

CURITIBA | economia | invistaja.info – Térmicas de alto custo e combustíveis mais caros inviabilizam bandeira tarifária da escassez hídrica, diz presidente da Abradee

REFLEXÃO: Bill Mann, da Motley Fool Asset Management: Busque investir em conjunto com grandes gestores, depois, é só ser paciente.

Saiba mais:

Flamengo fará segunda maior oferta de fan tokens do mundo; lançamento será dia 19

EDP arremata elétrica Celg T em leilão de privatização por R$ 1,977 bi, ágio de 80,1%; ação ENBR3 cai 0,68%

Ibovespa destoa do mercado internacional e fecha em queda; dólar volta a subir

Conselheira do Cade pede reanálise de operação entre BRF e Marfrig; ações BRFS3 fecham em queda

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade