Veja quais bancos aumentaram ou baixaram juros no crédito para PMEs

Estudo analisa taxas cobradas por antecipação de recebíveis, capital de giro, cheque especial, conta garantida e desconto de duplicatas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação de quem vive o mercado

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Veja quais bancos aumentaram ou baixaram juros no crédito para PMEs; invistaja.info;


EZTC3 | ROE: 0.1102 | Mrg.Liq.: 0.4794 | PSR: 5.758 | EV/EBITDA: 19.04 | P/Ativo: 1.199 | P/ACL: 3.27

ListenToMarket: Veja quais bancos aumentaram ou baixaram juros no crédito para PMEs – Áudio gerado às: 8:10:52

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASIL | invistaja.info — O aumento progressivo da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, no primeiro semestre deste ano fez com que bancos tivessem de tomar uma decisão quanto às suas margens: quanto pode ser repassado nos empréstimos dados aos pequenos e médios empreendedores?

No geral, as instituições financeiras optaram por reduzir suas margens. O spread, diferença entre a taxa cobrada das instituições financeiras e a taxa oferecida ao cliente final de um empréstimo, caiu 28,7% entre janeiro e junho de 2021. Porém, mesmo com os bancos ganhando menos nos empréstimos, a alta da Selic fez o empreendedor ver um juro mais caro na ponta do lápis.

A reflexão veio de um estudo elaborado pela Capital Empreendedor, um marketplace de crédito para empresas que reúne 300 instituições financeiras. A análise desta vez foi fechada nos cinco maiores bancos do segmento: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander.

+Biden diz que prioridade é evacuar americanos e aliados de Cabul

Foram estudadas seis modalidades de crédito: antecipação de recebíveis de cartão de crédito; capital de giro com prazo de até 365 dias; capital de giro com prazo superior a 365 dias; cheque especial; conta garantida e desconto de duplicatas. “Essas modalidades representam quase 70% no crédito para empresas com taxa pré-fixada. Apenas o capital de giro com prazo superior a 365 dias representa 35% do total”, afirma Juliano Graff, presidente da Capital Empreendedor.

A plataforma recolheu dados do Relatório Semanal de Juros do Banco Central do Brasil entre 4 de janeiro e 30 de junho de 2021. Restringiu sua análise apenas para operações de crédito com recursos livres, com taxas definidas livremente pelos bancos. As operações direcionadas contam com taxas subsidiadas para instituições como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Mais crédito e menos spread para as PMEs

Segundo Graff, o Pronampe não foi um dos responsáveis pela queda no spread, apesar de suas taxas serem menores do que a média do mercado. “Apenas R$ 25 bilhões foram direcionados neste ano para o Pronampe. A modalidade representou menos de 2,5% das operações de crédito com recursos livres”. O Peac Maquininhas, outro crédito com juros baixos, foi descontinuado em 2021.

Então, por que a margem dos bancos nos empréstimos caiu? O presidente da Capital Empreendedor afirma que avanços competitivos e tecnológicos justificam o menor spread. Em abril deste ano, a criação de uma central de recebíveis fez com que duplicatas pudessem ser vistas e negociadas por diversos players de crédito. Já o open banking, movimento que torna o usuário donos de seus dados financeiros e permite o compartilhamento deles com diversas instituições, começou em novembro do ano passado e está cada vez mais presente. Em agosto deste ano, começou a segunda fase do open banking.

Leia maisComo o open banking coloca o cliente no centro do mundo financeiro

São mudanças que levam mais competidores para o mercado de crédito – o que tende a aumentar o saldo de crédito com recursos livres disponível no mercado, e também a diminuir a média dos juros cobrados por conta da disputa por tomadores de empréstimos.

Veja as taxas de juros por banco

Por mais que o spread tenha caído, as taxas que o empreendedor vê na ponta do lápis aumentaram. A taxa cobrada das instituições financeiras costuma se aproximar da Selic, a taxa básica de juros da economia. A Selic tem tido aumentos progressivos em 2021, passando de 2% ao ano para 5,25% ao ano. Assim, os bancos repassam esse aumento aos consumidores finais. Há instituições financeiras que repassaram menos do que essa alta de 3,5 pontos percentuais; outros superaram a alta, efetivamente aumentando seu spread e ganhando mais margem.

Em termos mensais, a Selic passou de 0,16% em janeiro para 0,28% em junho – uma alta de 75%. A Capital Empreendedor comparou essa variação com as taxas mensais cobradas pelos cinco maiores bancos para PMEs, nas seis modalidades de crédito mais visadas pelos pequenos e médios empreendedores. Quem aumentou seus juros mensais em um nível abaixo de 75% reduziu seu spread. Já quem aumentou os juros em mais de 75% está ganhando ainda mais margem sobre seus empréstimos.

Veja quais bancos praticaram os maiores e menores aumentos, e quais deles ficaram com as piores e melhores taxas:

O Santander, Itaú e Banco do Brasil tiveram o maior número de aumentos entre as taxas analisadas. O Itaú possui a pior taxa em três das seis linhas analisadas. Caixa e Santander empatam em duas categorias pelo menor número de aumentos. Já Caixa e Bradesco disputam a melhor taxa também em duas categorias. Mesmo assim, a Caixa tem a pior taxa de crédito em duas modalidades.

Agora, veja as taxas de juros cobradas pelos bancos em cada modalidade de crédito:

Antecipação de recebíveis de cartão de crédito

hotWords: quais veja pmes baixaram para

Publique seu negócio no invistaja.info

“A linha de antecipação de faturas de cartão de crédito é uma linha bem segura para os bancos, uma vez que eles já possuem a garantia de recebíveis de cartões de crédito”, explica a Capital Empreendedor. “Essa linha de crédito representa 4,45% do saldo total de crédito no mercado.”

Capital de giro com prazo de até 365 dias

“Essa linha de crédito tem sido menos utilizada desde o início do ano, com o capital de giro com prazo até 365 dias diminuindo de R$ 67,06 bilhões para R$ 53,31 bilhões em crédito ofertado, representado 4,68% do crédito ofertado”, afirma a Capital Empreendedor.

Capital de giro com prazo superior a 365 dias

Segundo a Capital Empreendedor, “a linha de capital de giro com prazo superior a 365 dias sempre foi o líder em saldo de empréstimos, mas vinha numa queda desde 2017. Comparado ao início do ano, ela sofreu um aumento no volume, passando de R$ 360 bilhões para R$ 373,19 bilhões de crédito, mas representando uma queda no percentual em relação ao total de crédito, passando de 33,36% para 32,73%.”

Cheque especial

“O cheque especial possui as piores taxas de todas as linhas analisadas, mas seu uso vem decaindo cada vez mais, mostrando-se com um leve aumento no período analisado com R$ 7,16 bilhões em janeiro para R$ 7,91 bilhões ao final do trimestre, representando apenas 0,69% do saldo de crédito. Por suas taxas serem extremamente altas, o spread bancário delas também são, chegando a valores de 4630% (taxa média de 12,92 a.m.) sobre a taxa Selic (de 0,28 a.m.). Essa porcentagem também mostra a maior queda de spread entres as linhas analisadas, de 41% em relação ao começo do ano”, analisa a Capital Empreendedor.

Conta garantida

“A linha de conta garantida sofreu um aumento desde o início do ano, passando de R$ 22,99 bilhões para R$ 26,61 bilhões de crédito ofertado, representando uma variação de 13,63% de uso e 2,33% do crédito concedido. O spread nessa linha também se mostra muito alto, sendo de 916% em relação à taxa Selic, tendo sofrido uma queda de 36% desde o início do ano”, diz a Capital Empreendedor.

Desconto de duplicatas

“O saldo de crédito nessa categoria representa 11,21% do total de crédito ofertado atingindo o valor de R$ 127,83 bilhões. A taxa média dos bancos ficou em 1,09 a.m. e o spread bancário nessa categoria sofreu uma queda de 26%, mas ainda assim representa um spread de 389% da Selic”, afirma a Capital Empreendedor.

Vale lembrar que bancos fazem revisões mensais de suas taxas, levando em conta o comportamento futuro dos juros. “O banco que fechou um empréstimo em junho deve ter se arrependido, por exemplo. Logo depois as previsões para a Selic subiram, e estão hoje em 7,5% ao ano para o final de 2021. As instituições financeiras colocam suas taxas olhando para as projeções”, diz Graff.

palavras-chave: Veja quais bancos aumentaram ou baixaram juros no crédito para PMEs; invistaja.info;

CALIFORNIA | negocios | invistaja.info – Veja quais bancos aumentaram ou baixaram juros no crédito para PMEs

REFLEXÃO: Tim Hanson, da Motley Fool: Compre ações impressionantes por preços que não refletem sua grandiosidade.

Saiba mais:

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 4

Ataques de hackers com pedidos de resgate a empresas crescem no país

Mercado deve viver tensão longa com “eleição antecipada”

“Tempestade perfeita” derruba cenário de crescimento econômico para 2022

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade