Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%

A estimativa, de acordo com consenso Bloomberg, era de queda de 0,7% na comparação com novembro
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

invistaja.info | Informação para quem vive o mercado

As vendas do comércio varejista caíram 6,1% em dezembro ante novembro, na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (10) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

palavras-chave: Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%; invistaja.info;

É a queda mais intensa para um mês de dezembro de toda a série histórica, iniciada em 2000.

O resultado ficou muito abaixo do esperado. A estimativa, de acordo com consenso Bloomberg, era de queda de 0,7% na comparação com novembro, enquanto a estimativa era de alta de 5,5% na base anual.

Apesar dos resultados negativos, o acumulado de 2020 fechou com alta de 1,2%. É a quarta vez consecutiva que o comércio apresenta alta anual: 2,1% em 2017; 2,3% em 2018 e 1,8% em 2019. Com o recuo de dezembro, as vendas do varejo se igualaram ao patamar de fevereiro, período pré-pandemia.

+Clubhouse veio para ficar? Rede salta 4.900% nas buscas no Google, mas usuários do Android ficam de fora

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas em dezembro recuou 3,7% em relação a novembro e fechou o ano em queda de 1,5%, após três anos consecutivos de altas. Em relação a dezembro de 2019, o crescimento foi 2,6%, sexta taxa positiva consecutiva nesta análise.

A média móvel trimestral do comércio varejista foi de -1,8%. Já no confronto entre dezembro de 2020 e dezembro de 2019, o resultado foi uma alta de 1,2%, sexta taxa positiva consecutiva neste tipo de comparação.

O gerente da PMC, Cristiano Santos, explica como a pandemia de Covid-19 impactou diretamente a trajetória de resultados da pesquisa ao longo do ano. “Os resultados da pesquisa costumam ter variações menores, mas com a pandemia, houve uma mudança deste cenário, já que tivemos dois meses (março e abril) de quedas muito grandes”, afirma.

Com a base de comparação muito baixa, o resultado do varejo foi de crescimento de maio até outubro, quando apresentou o maior patamar da série histórica, iniciada em janeiro de 2001, e ultrapassou o patamar pré-pandemia, de fevereiro. “A queda em dezembro é um reposicionamento natural, já que o patamar estava muito alto com os resultados de outubro e novembro”, complementa o analista.

Outro fator de influência para o resultado nos últimos meses do ano é a inflação dos alimentos. Segundo Cristiano, o comércio em hiper e supermercados têm um peso maior para a PMC, quase a metade do resultado total. “O que acontece nos mercados influencia bastante a pesquisa. E, por conta dos resultados recentes do IPCA, o volume de vendas acabou sendo afetado”, justifica. O IPCA é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, pesquisa mensal do IBGE que mede a inflação oficial do país.

O crescimento do comércio varejista no acumulado de 2020 veio após um primeiro semestre de queda (-3,2%) e um segundo semestre de alta (5,1%). O comércio varejista ampliado apresentou a mesma dinâmica (-7,7% e 4,2%, respectivamente) mas o resultado não foi suficiente para a o indicador fechar o ano com taxa positiva.

Já pensou em ser um broker? mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.

BRASIL | economia | invistaja.info – Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%

palavras-chave: Vendas do varejo caem 6,1% em dezembro, muito abaixo do esperado; em 2020, alta foi de 1,2%; invistaja.info;

Veja também:

“Não há nada contra ninguém do conselho ou alguém da empresa”, diz presidente da CVC após renúncia coletiva

Regulador europeu deve aprovar vacina da J&J contra Covid-19 até março, diz executivo

Lucro da TIM sobe e vai a R$ 1,013 bi, Aeris lucra 61% menos e outros balanços; recomendações, estreia da Bemobi e mais

Anvisa e Biotech discutem autorização para testes da Covaxin no Brasil

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.