Alta do minério com retomada de produção em usinas da China; Via, Grendene, Tegma e mais notícias

Confira os destaques da B3 na sessão desta segunda-feira (5)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdos sobre investimentos

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Alta do minério com retomada de produção em usinas da China; Via, Grendene, Tegma e mais notícias; invistaja.info;


COCE5 | PSR: 0.784 | ROE: 0.0815 | P/Ativo: 0.477 | EV/EBITDA: 10.64 | DY: 0.035 | Div.Brut/Pat.: 0.92

BRASIL | invistaja.info — Em uma sessão sem os mercados americanos, os investidores acompanham principalmente o noticiário sobre commodities, com a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+), além da alta do minério de ferro.

Ainda no radar, a Via, antiga Via Varejo, comunicou ter concluído a formalização de todas as etapas legais e regulatórias para proceder ao fechamento da aquisição de 100% das quotas de emissão da Celer. Já a Tegma informou que contratou assessor jurídico e que vai escolher um banco para auxiliar a empresa a avaliar a proposta de aquisição da empresa apresentada pela JSL. Confira os destaques:

Petróleo em destaque

+JSL faz proposta de fusão com Tegma para criação de gigante de logística; ação TGMA3 salta quase 13%

Nesta segunda, a reunião da Opep+ retoma as negociações, em um contexto em que cresce a tensão entre a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Com a atípica disputa diplomática entre antigos aliados, o mercado global tenta adivinhar quanto petróleo será produzido no mês que vem.

O confronto já obrigou a Opep+ a suspender as negociações duas vezes, colocando os mercados no limbo enquanto o petróleo continua sua alta inflacionária acima de US$ 75 o barril. O cartel avalia a política de produção não apenas para o resto do ano, mas também até 2022, e a solução para o impasse moldará o mercado e o setor no próximo ano.

Vale (VALE3)

Os contratos futuros do minério de ferro na China subiram mais de 5% nesta segunda-feira, impulsionados pela crescente demanda, à medida que usinas na região siderúrgica de Tangshan retomam produção após o centenário do Partido Comunista Chinês.

A produção de aço em algumas áreas foi restringida devido às comemorações do 100º aniversário do partido e a políticas relacionadas ao meio ambiente, o que fez com que a taxa de utilização de altos-fornos em 247 usinas em todo o país recuasse para 81,01% na semana até 2 de julho, de acordo com a consultoria Mysteel, informa a Reuters.

“Conforme Tangshan retoma produção, a demanda de curto prazo voltará aos níveis pré-centenário”, disseram em nota analistas da SinoSteel Futures, ponderando que, em termos gerais, a demanda segue enfraquecida por políticas de cortes de produção de aço.

Os contratos futuros mais negociados do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian DCIOcv1, para entrega em setembro, chegaram a subir 5,6%, para 1.226 iuanes (US$ 189,80) por tonelada, maior nível desde 11 de junho. Eles fecharam em alta de 5,5%, a 1.225 iuanes.

Outros ingredientes siderúrgicos também apuraram ganhos. Os futuros do carvão coque em Dalian DJMcv1 subiram 3,1%, para 1.971 iuanes a tonelada, enquanto os contratos do coque DCJcv1 avançaram 3,5%, a 2.682 iuanes por tonelada.

No radar das empresas, a mineradora Vale ainda informou na sexta que está comissionando as atividades no carregador de navios 6 (CN6), no Terminal Marítimo Ponta da Madeira, em São Luís, após cinco meses de parada para manutenção. Segundo a Vale, a manutenção do CN6, que resultou na substituição de mais de 60% de seus componentes, não impactou o cronograma mensal de embarque de minério de ferro do terminal. Em 14 de janeiro de 2021, ocorreu um incêndio no CN6 localizado no berço Sul do Píer IV, incidente que foi seguido das atividades de manutenção.

A companhia ainda destacou que iniciará a realização de atividades com equipamentos não tripulados (sem pessoas) para a remoção de rejeitos das barragens B3/B4, da Mina de Mar Azul, em Nova Lima (MG), e Sul Superior, da Mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG).

A Vale informou que as ações foram analisadas e aprovadas pelo auditor técnico do Ministério Público, além de todo corpo de consultores externos contratados pela empresa para elaboração dos projetos, e representam o avanço do Programa de Descaracterização da empresa e o comprometimento com uma abordagem integralmente voltada à segurança das suas estruturas e das pessoas.

“É importante informar que as descaracterizações dessas barragens, atualmente em nível 3 do Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM), são processos complexos. Ciente de que qualquer intervenção pode representar incrementos de riscos, a empresa já realizou diversas ações preventivas, entre as quais a retirada de todos os moradores das respectivas Zonas de Autossalvamento (ZAS) e a construção de Estruturas de Contenção a Jusante nos dois territórios”, destacou.

Na Sul Superior, a remoção terá início com a coleta de amostras, que tem o objetivo de ampliar o conhecimento sobre as características do material disposto no reservatório, para aprimoramento da segurança e das técnicas que serão usadas durante o processo de descaracterização, além de subsidiar estudos para definir os níveis de controle de vibração. Também serão abertos canais para melhorar o escoamento de água da estrutura, evitando o acúmulo no reservatório, principalmentedurante o período chuvoso. Na barragem B3/B4, a remoção dos rejeitos será feita concomitantemente com a conclusão da retirada parcial de uma pilha de estéril no local, de onde já foram retirados 350 mil metros cúbicos de material desde novembro de 2020.

“Ressalta-se que todas as atividades realizadas e programadas nas duas barragens serão integralmente executadas com equipamentos não tripulados, operados de forma remota e segura a partir de uma central de controle fora das estruturas. Todas as ações foram comunicadas à auditoria técnica do Ministério Público de Minas Gerais e aos órgãos competentes.Diante da complexidade e dos riscos do processo de descaracterização dessas estruturas, a Vale informa possuir um rigoroso controle de todas as ações implementadas com o objetivo de garantir a segurança dos trabalhadores e das pessoas que vivem em comunidades próximas. Além disso, a Vale também está estudando medidas adicionais para minimizar eventuais impactos residuais aos corpos hídricos a jusante das contenções. As estruturas de contenção construídas a jusante das duas barragens estão concluídas e têm capacidade para conter os rejeitos em um cenário em que haja essa necessidade.”, informou.

A estrutura para a barragem Sul Superior possui 36 metros de altura e 330 metros de comprimento. A estrutura para abarragem B3/B4 tem 33 metros de altura e 221 metros de comprimento. As obras seguiram as mais rigorosas normas nacionais, as melhores práticas de engenharia e referências técnicas de entidades internacionais utilizadas para construções similares. Empresas especialistas, independentes da projetista e da construtora, analisaram e certificaram que as estruturas são estáveis e, portanto, conferem segurança às comunidades localizadas abaixo delas. A auditora técnica do MinistérioPúblico de Minas Gerais também ratificou a estabilidade das contenções. Ainda como parte do controle de riscos, as barragens seguem sendo monitoradas de forma permanente pelo Centro de Monitoramento Geotécnico (CMG).

Via (VVAR3)

hotWords: alta tegma mais minério usinas china;

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

A Via, antiga Via Varejo, comunicou ter concluído a formalização de todas as etapas legais e regulatórias para proceder ao fechamento da aquisição de 100% das quotas de emissão da Celer.

A Celer é uma fintech que nasceu como uma plataforma proprietária de soluções de pagamentos e hoje oferece um pacote completo de Bank-as-a Service (BaaS), permitindo que outras fintechs disponibilizem a seus clientes uma conta digital completa integrada a serviços de pagamentos, compreendendo alternativas de cash-in e cash-out, emissão e processamento de cartões, gestão de cobrança e transferências, incluindo ao tradicional portfólio o PIX.

Grendene (GRND3)

A Grendene comunicou ao mercado, em resposta a esclarecimento solicitado pela  B3 por conta da alta das ações na sexta-feira (de 6,94%) que na ocasião mantinha apenas negociações com a 3G Radar Gestora de Recursos  sobre a potencial constituição de uma joint venture entre a Grendene e a 3G Radar para a distribuição e comercialização dos produtos da Grendene em determinados mercados internacionais. Entretanto, naquele momento, apenas existiam negociações sigilosas em curso e não havia qualquer documento assinado entre as partes, vinculante ou não, que delineasse os direitos e obrigações das partes e/ou a potencial operação.

Contudo, em função da oscilação atípica nos valores mobiliários e após o recebimento do Ofício da B3, as partes se engajaram e aceleraram as negociações, de forma que foi possível celebrar, em caráter de exclusividade, um Memorando de Entendimentos Não Vinculante na noite do dia 4 de julho de 2021. Com a celebração do referido MOU foi possível então a divulgação ao mercado de informações concretas sobre a potencial operação, ainda que não definitivas ou vinculantes, “em vez de meras especulações das partes que poderiam induzir os investidores a erro”, disse a empresa. Com efeito, o MOU foi divulgado ao mercado no dia 5 de julho de 2021, antes da abertura do pregão, por meio de Fato Relevante e, portanto, imediatamente após a verificação pela Companhia das oscilações atípicas apuradas ao final do dia 2 de julho de 2021.

“A Companhia esclarece que não possui qualquer motivo para acreditar que a informação sobre as negociações com a 3G Radar tenha escapado ao controle antes da publicação do referido Fato Relevante ou que tenha causado a oscilação atípica mencionada. A companhia manterá os seus acionistas e o mercado em geral informados sobre a potencial operaçãodivulgada por meio do Fato Relevante publicado nesta data e demais eventos que possam influenciar a cotação dos seus valores mobiliários ou a decisão dos investidores de comprar, vender, manter ou exercer quaisquer direitos inerentes à condição de titular de valores mobiliários emitidos pela Companhia ou a eles referenciados, nos termos da Instrução CVM 358”, destacou.

BMG (BMGB4)

O Banco BMG anunciou na  sexta-feira compra de participação na Araújo Fontes Consultoria e Negócios Imobiliários e na AF Invest Administração de Recursos, para oferta de produtos e serviços no segmento de atacado e atuar com gestão de recursos. A compra vai se dar por meio de aquisição de 50% de uma nova empresa a ser criada. O valor do negócio é de cerca de R$ 150 milhões, afirmou o banco em fato relevante.

Tegma (TGMA3)

Já a Tegma informou que contratou assessor jurídico e que vai escolher um banco para auxiliar a empresa a avaliar a proposta de aquisição da empresa apresentada pela JSL. As ações da Tegma encerraram esta sexta-feira com salto de 12,9%; os papéis da JSL avançaram quase 6%.

Ambev (ABEV3)

O Bradesco BBI comentou os dados sobre consumo de bebidas alcóolicas no Brasil, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A cerveja responde por 90% do consumo de álcool, e a Ambev, por 60% do consumo de cerveja no país. Por isso, o Bradesco avalia que os dados sobre produção de bebidas alcoólicas do IBGE são uma proxy (uma variável que pode ser usada no lugar de outra variável) sobre as vendas de cerveja no Brasil.

Com base nos dados do IBGE, o banco estima que os volumes subiram 23% no segundo trimestre no país. Isso sugere que sua estimativa de crescimento de 8% nos volumes da Ambev para o período pode ser conservadora, já que indicaria que a empresa teria perdido 4 pontos percentuais de participação do mercado, a 58%, uma queda que parece excessiva, na avaliação do Bradesco. Presumindo que a Ambev manteve sua participação de mercado, os dados do IBGE indicam um crescimento de 15% na produção da Ambev no segundo trimestre de 2021.

O Bradesco BBI mantém avaliação neutra (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) para a Ambev, com preço-alvo de R$ 15,50, frente à cotação de R$ 17,43 de sexta.

B3 (B3SA3)

O Bradesco BBI comentou o fluxo líquido de investimentos estrangeiros no primeiro trimestre de 2021 na B3, que atingiu R$ 48 bilhões, o maior nível já registrado, superando o recorde anterior, de R$ 20,3 bilhões em 2014. O banco diz avaliar que, mesmo com a alta da taxa de juros, continua a acreditar que os volumes estão perto de atingir entre R$ 30 bilhões e R$ 35 bilhões em volume médio diário negociado (ADTV na sigla em inglês), e que as ações continuarão a ser um investimento atrativo, em relação a outros instrumentos de renda fixa.

(com Reuters, Bloomberg e Estadão Conteúdo)

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.

 

GLEBA PALHANO | mercados | invistaja.info – Alta do minério com retomada de produção em usinas da China; Via, Grendene, Tegma e mais notícias

REFLEXÃO: Michael Kitces, conselheiro financeiro: Invista pensando no longo prazo, não especule, mas, não ignore as flutuações do mercado.

Veja também:

Alta do minério com retomada de produção em usinas da China; Via, Tegma e mais notícias

País ainda mantém dedução ampla sobre capital das empresas

De olho no trabalho híbrido, coworkings apostam em bairros fora do centro

Próximo do fim, supercomputador Tupã vem operando na “gambiarra”

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.