Bolsas em alta, nova atuação da China sobre as techs, relatório Focus e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Os destaques da sessão desta segunda-feira (13)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de investidor para investidor

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Bolsas em alta, nova atuação da China sobre as techs, relatório Focus e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje; invistaja.info;


BRBI11 | ROIC: 0.0 | P/Cap.Giro: 0.0 | P/ACL: 0.0 | EV/EBIT: 0.0 | Div.Brut/Pat.: 0.0 | P/Ativo: 1.602

BRASIL | invistaja.info — Após uma última semana de perdas, os futuros dos Estados Unidos e os principais índices da Europa registram ganhos nesta segunda-feira (13), enquanto as bolsas asiáticas fecharam em diferentes sentidos, com novo cerco da China às techs e com dados de empréstimos no país piores do que o esperado.

Por aqui, o noticiário político segue no radar em um dia de agenda econômica relativamente tranquila, com atenção para o Relatório Focus e balança comercial e em semana que será marcada pela divulgação dos dados de serviços e IBC-Br (veja o que acompanhar na semana clicando aqui).

No domingo, os movimentos MBL (Movimento Brasil Livre) e Vem Pra Rua lideraram protestos contra o governo de Jair Bolsonaro. Inicialmente convocados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo Vem Pra Rua, os protestos acabaram incorporando entidades e partidos políticos de outros campos ideológicos, na intenção de fazer frente às manifestações encabeçadas por Bolsonaro no 7 de Setembro.

+Para privatizar Eletrobras, Bolsonaro edita decreto para criar a estatal ENBpar

A adesão, contudo, foi menor, mesmo com o apoio de partidos de centro e centro-direita como o PSDB, Novo, DEM, PSD, MDB e PSL, além de siglas da centro-esquerda, como Rede, Solidariedade, PDT e Cidadania, assim como algumas centrais sindicais, com exceção da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Confira os destaques da sessão:

1. Bolsas mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros americanos operam em território positivo nesta segunda.

Na sexta, os principais índices americanos fecharam em queda, com resultados negativos do Dow e do S&P pelo quinto dia consecutivo. O Nasdaq fechou a sexta-feira com sua terceira queda diária consecutiva.

Na semana, o Dow perdeu 2,15%, e o S&P recuou 1,69%, em seu pior desempenho semanal desde junho. Além disso, o Nasdaq teve sua pior semana desde julho, com queda de 1,61%.

Dados divulgados na sexta indicaram alta de 0,7% nos preços ao consumidor em agosto frente ao mês anterior, e de 8,3% em comparação com o mesmo mês de um ano antes, a maior alta anual desde novembro de 2010.

Na terça deve ser divulgado o índice de preços ao consumidor. A expectativa de economistas ouvidos pela FactSet é de alta de 5,3% na comparação anual em agosto. Além disso, dados sobre vendas no varejo deverão ser divulgados mais para a frente nesta semana.

As bolsas americanas operam sob pressão desde a divulgação do relatório de emprego relativo a agosto, divulgado pelo Departamento de Emprego dos Estados Unidos em 3 de setembro, que ficou abaixo das expectativas. Há temores entre operadores do mercado de que a pandemia continue a prejudicar o crescimento econômico, e de que a alta da inflação leve o Federal Reserve a alterar suas políticas.

No dia 21 de setembro, o Fed iniciará a sua reunião de dois dias para discutir suas medidas. Investidores deverão buscar pistas sobre os planos para o programa de compra de títulos do banco central americano, que atualmente vem depositando US$ 120 bilhões nos mercados, mensalmente.

Apesar das perdas na semana passada, as principais bolsas operam próximo a seus patamares recordes. O Dow está 2,87% abaixo de seu recorde; o S&P, 1,92% abaixo; e o Nasdaq, 1,87% abaixo.

No ano, as três bolsas acumulam alta de dois dígitos, mas o impacto da pandemia de Covid deve reduzir o ritmo de recuperação.

Ásia

As bolsas asiáticas fecharam com desempenhos variados entre si na segunda, com destaque negativo para ações listadas em Hong Kong. Os papéis da Alibaba caíram 4,23% após uma reportagem do jornal Financial Times afirmar que Pequim deseja dividir a Alipay, do Ant Group, e forçar a criação de um aplicativo separado de empréstimos.

Outras ações de tecnologia chinesas também recuaram. A Tencent teve queda de 2,45%, e os papéis da Meituan perderam 4,47%. Assim, o índice Hang Seng Tech teve queda de 2,27%.

Os papéis de empresas produtoras de veículos elétricos também tiveram quedas após o ministro da Indústria do país afirmar que é necessária consolidação no setor, por haver fabricantes “demais” desses veículos no país. Os papéis da BYD recuaram 2,14%, e os da Xpeng, 2,35%.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, recuou 1,5% na segunda; na China Continental, o Shanghai composto avançou 0,33%; no Japão, o Nikkei teve alta de 0,22%; na Coreia do Sul, o Kospi teve leve alta, e fechou em 3.127,86 pontos.

Ainda em destaque, dados oficiais mostrarem que os novos empréstimos bancários subiram menos do que o esperado na China no mês passado. Os bancos chineses dirigiram 1,22 trilhão de iuanes (US$ 189,51 bilhões) em novos empréstimos em agosto, alta em relação a julho mas abaixo das expectativas de analistas.

Europa

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,5%, com destaque positivo para papéis dos setores de petróleo e gás, e negativo do setor de varejo.

Investidores continuam a avaliar a última decisão do Banco Central Europeu da semana passada, de desacelerar o ritmo de compra de títulos sob o seu Programa Emergencial de Compras (PEPP na sigla em inglês), em resposta a inflação mais alta e ao ritmo mais forte de crescimento do PIB na Zona do Euro.

O BCE também revisou para cima a sua previsão sobre inflação no médio prazo. O movimento veio após a divulgação de dados que indicam que a inflação na Zona do Euro teve alta de 3% em agosto, o recorde em uma década.

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos

*Dow Jones Futuro (EUA), +0,57%*S&P 500 Futuro (EUA), +0,53%*Nasdaq Futuro (EUA), +0,46%

Europa

*FTSE 100 (Reino Unido), +0,56%*Dax (Alemanha), +0,85%*CAC 40 (França), +0,74%*FTSE MIB (Itália), +0,82%

Ásia

*Nikkei (Japão), +0,22% (fechado)*Shanghai SE (China), +0,33% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,5% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), +0,07% (fechado)

Commodities e Bitcoin

*Petróleo WTI, +1,46%, a US$ 70,74 o barril*Petróleo Brent, +1,29%, a US$ 73,86 o barril*Bitcoin, -2,76% a US$ 44.653,53*Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian registram queda de 3,49%, cotados a 706 iuanes, equivalente hoje a US$ 109,37 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,46

2. Agenda

Brasil

8h25: Relatório Focus, com as expectativas de mercado coletadas pelo Banco Central.15h: Balança comercial semanal

Estados Unidos

15h: Dados de Orçamento Federal relativo a agosto

Europa

10h30: Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, realiza um discurso

China

NBS: investimento estrangeiro direto de agosto

3. Covid no Brasil

No domingo (12), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 473, patamar 30% abaixo daquele de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 292 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em 7 dias foi de 16.461, queda de 31% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 8.082 novos casos. Contudo, cabe ressaltar que o feriado prolongado da Independência pode ter influenciado para baixo os dados divulgados nos últimos dias.

Chegou a 138.121.040 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 73.189.914 pessoas, ou 34,31% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 88.811 pessoas.

No domingo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que o governo estadual recorrerá ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso não receba até terça-feira 1 milhão de doses da vacina da AstraZeneca contra Covid-19 do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde a que afirma ter direito.

A pasta nega dever essas doses ao Estado e afirma que a falta de doses do imunizante para aplicação da segunda dose em São Paulo se deve ao fato de que autoridades paulistas usaram as doses reservadas para a segunda aplicação para acelerar a primeira dose, o que a Secretaria de Saúde paulista nega.

“O Ministério da Saúde deve sim 1 milhão de doses da vacina AstraZeneca a São Paulo e terá que disponibilizar até terça-feira. Se não o fizer, como já aconteceu outras vezes, vamos ao Supremo Tribunal Federal. A mesma corte que foi atacada pelo presidente Jair Bolsonaro é quem defende a Justiça e o Direito no Brasil”, disse Doria em entrevista coletiva.

hotWords: mercado alta, relatório atuação sobre focus movimentar nova

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

O governador paulista falou no Centro de Operações da Polícia Militar antes de ir à Avenida Paulista para participar de protestos pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pelo envase no Brasil da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford, atrasou as entregas do imunizante ao PNI após a demora na chegada do insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina, que chegou apenas no final de agosto. A expectativa da Fiocruz é retomar as entregas nesta semana.

No mês passado, o governo de São Paulo obteve liminar do ministro Ricardo Lewandowski determinando que o Ministério da Saúde enviasse ao Estado vacinas da Pfizer contra a Covid-19 que o governo paulista afirmava ter direito no PNI.

Na ocasião, o ministério disse que o envio em quantidade menor era uma compensação por doses retiradas a mais por São Paulo da CoronaVac, o que o Estado nega, e uma equalização no ritmo de vacinação entre os Estados.

Em meio ao avanço da variante Delta do coronavírus, o Programa Nacional de Imunização (PNI) está sem comando desde junho, quando a então coordenadora Franciele Francinato deixou o cargo criticando a politização que se fez no país sobre as vacinas.

Desde então, governos estaduais têm tomado decisões individualmente e sem o aval do ministério, como iniciar a vacinação de adolescentes e reduzir o intervalo de doses, colocando em risco a meta nacional de vacinar todos os adultos com as duas doses até o final de outubro.

O risco principal no momento diz respeito à conclusão do esquema vacinal, uma vez que apenas 33% da população tomou as duas doses ou vacina de dose única.

4. Protestos, crise hídrica e energética e precatórios

No domingo, milhares de manifestantes realizaram atos contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em cidades brasileiras, defendendo a democracia e o impeachment do chefe do Executivo, mas também reclamando da alta dos preços de alimentos e dos combustíveis no país.

Os protestos contaram com a presença de pré-candidatos à Presidência que pretendem encampar uma terceira via alternativa a Bolsonaro e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais do ano que vem, como Ciro Gomes (PDT), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

No Rio de Janeiro, as pessoas se reuniram pela manhã na orla da praia de Copacabana, pedindo para o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), “liberar” o impeachment e criticando o ministro da Economia, Paulo Guedes, pela escalada da inflação.

Houve também protestos em Brasília, Belo Horizonte, São Luís, Manaus e Vitória. Inicialmente convocados pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo Vem Pra Rua, os protestos acabaram incorporando entidades e partidos políticos de outros campos ideológicos, na intenção de fazer frente às manifestações encabeçadas por Bolsonaro no 7 de Setembro.

A adesão, contudo, foi menor, mesmo com o apoio de partidos de centro e centro-direita como o PSDB, Novo, DEM, PSD, MDB e PSL, além de siglas da centro-esquerda, como Rede, Solidariedade, PDT e Cidadania, assim como algumas centrais sindicais, com exceção da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Após baixar o tom de sua retórica inflamada contra o Supremo Tribunal Federal (STF) na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro já havia afirmado no sábado, em discurso numa feira agropecuária no Rio Grande do Sul, que os Três Poderes da República precisam ser respeitados e que o trabalho conjunto de Executivo, Legislativo e Judiciário deve beneficiar todos os brasileiros.

Ao mesmo tempo, no entanto, Bolsonaro voltou a repetir que uma decisão do Supremo contrária à tese do marco temporal para demarcação de terras indígenas acabará com o agronegócio no Brasil.

Em discussão no STF a tese do marco temporal prevê que indígenas só poderiam reivindicar terras que ocupavam à época da promulgação da Constituição em 1988. O relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, foi o único a votar até o momento e rejeitou a tese, cujo julgamento deve ser retomado na quarta. Faltam os votos de nove ministros.

A tese que a derrubada do marco temporal acabaria com o agronegócio foi rechaçada pelo diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Ministério da Agricultura, Sergio De Zen.

egundo ele, a rejeição do marco temporal não deve afetar a expansão de produção agropecuária prevista para o Brasil, pois o agronegócio deve crescer com foco em produtividade e não somente por meio da expansão de áreas.

Além disso, na sexta o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em evento do banco Credit Suisse que conversas com o STF e os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado serão retomadas a partir desta segunda para resolver o problema dos precatórios no Orçamento do ano que vem.

“Primeira (prioridade) é o meteoro, é o precatório, a bomba judiciária. Vamos falar com o STF, com o Congresso, imediatamente na segunda-feira”, disse Guedes.

Guedes destacou que o governo precisa de previsibilidade e capacidade de execução orçamentária e que, por isso, será necessário encontrar uma saída para a conta de R$ 89,1 bilhões em precatórios em 2022.

Como são gastos de caráter obrigatório, essas despesas com derrotas definitivas sofridas pela União na Justiça acabam retirando espaço, sob a regra do teto, para outros gastos do governo, incluindo a almejada expansão do Bolsa Família.

Guedes também disse que o país está passando agora pelo pior momento da inflação, mas disse avaliar que esta irá desacelerar e fechar o ano ao redor de 7,5% a 8%, voltando ao intervalo da meta perseguida pelo Banco Central em 2022.

A previsão representa forte piora ante o último número oficial do Ministério da Economia, divulgado em julho, de uma alta de 5,90% para o IPCA em 2021. Já a perspectiva do mercado é de crescimento de 7,58% para a inflação, conforme boletim Focus mais recente, feito pelo BC junto a uma centena de economistas.

Um dos fatores que vêm pressionando a alta dos preços é a crise hídrica, que leva à alta na conta de luz. Na sexta, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) elevou sua projeção de chuvas para a principal área de geração hidrelétrica do país, Sudeste/Centro-Oeste, em setembro, além de projetar agora um avanço de 0,4% da carga para o mês, ante uma estimativa anterior de recuo de 0,2%.

Segundo nota divulgada na sexta-feira, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou em caráter emergencial, por causa da crise hídrica no país, a possibilidade de suspensão temporária de pagamentos de empréstimos tomados por geradores de energia hidrelétrica acima de 50 MW.

A possibilidade de suspensão de pagamento do valor principal e juros vale para até 7 prestações mensais consecutivas previstas para serem quitadas entre setembro desse ano e junho de 2022. O banco estima que há 26 projetos elegíveis para a suspensão da quitação dos financiamento.

Além da geração de energia elétrica, a crise hídrica afeta também a navegação em hidrovias.

Na sexta, o governo da Argentina fechou um acordo de curto prazo com a empresa belga Jan de Nul para dragar o rio Paraná. A medida que visa ajudar os navios que exportam grãos a navegar pela hidrovia, que atualmente está em seu ponto mais baixo em 77 anos.

O rio Paraná é administrado há décadas pela Jan de Nul, mas o governo entregou neste ano a gestão à Administração Nacional dos Portos da Argentina, que planeja uma nova licitação.

5. Radar corporativo

Via (VIIA3)

O conselho de administração da Via aprovou a emissão de R$ 1 bilhão em debêntures, com prazos de três, cinco e sete anos, segundo comunicado enviado pela companhia à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) neste domingo.

Os recursos, segundo a varejista, serão destinados para alongamento do perfil da dívida da companhia e reforço de caixa no âmbito da gestão ordinária dos negócios da empresa.

Petrobras (PETR3; PETR4)

A Petrobras confirmou na sexta o cronograma para o início da operação da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do Polo GasLub (antigo Comperj), em Itaboraí (RJ), em 2022, com um projeto que conta ainda com o gasoduto Rota 3 que trará o insumo do pré-sal. A informação foi anunciada na sexta-feira pelo presidente da companhia estatal, general da reserva Joaquim Silva e Luna, durante evento de assinatura de protocolo de intenções com o governo do Estado do Rio de Janeiro, no Palácio Guanabara, para cessão de áreas do GasLub.

O projeto da UPGN com o gasoduto prevê capacidade para escoar e processar diariamente 21 milhões de metros cúbicos de gás do pré-sal.

Também na sexta, a Petrobras afirmou que aprovou novos modelos contratuais para venda de gasolina A e de óleo diesel rodoviário e marítimo para as distribuidoras de combustíveis, e ressaltou que os novos contratos em nada alteram a sua política de precificação.

Segundo a empresa, os novos contratos visam simplificar alguns processos, aumentar a competitividade e trazer flexibilidade para a Petrobras na adoção de novas estratégias comerciais, à medida que a companhia deixa sua condição de quase monopolista no refino de petróleo por meio do processo de desinvestimentos em refinarias.

BRB (BSLI4)

O Banco de Brasília (BRB) pediu registro para realizar uma oferta subsequente de units, em busca de recursos para ampliar sua oferta de crédito e investir em tecnologia, enquanto o governo do Distrito Federal também aproveitará a operação para vender uma fatia no negócio.

Segundo o prospecto preliminar da oferta registrado nesta sexta-feira na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a operação será conduzida por Itaú BBA, BTG Pactual e Citi.

Rumo (RAIL3)

A Rumo anunciou na sexta-feira a conclusão de uma arbitragem com Logística Brasil, Dimitrios Markakis e Deminvest, acionistas minoritários da Brado.

A arbitragem tinha a ver com direito de liquidez previsto no acordo de Acionistas da Brado.

“Com o encerramento do referido procedimento arbitral, a Rumo adquiriu 15,42% do capital social da Brado, por cerca de R$ 388 milhões”, afirmou a Rumo.

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A Eletrobras informou aos seus acionistas e ao mercado em geral que foi publicado no Diário Oficial da União o Decreto 10.791/2021, de 10 de setembro de 2021, que cria a Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional S.A. – ENBpar.

A nova estatal, criada em razão do processo de capitalização da Eletrobras, conforme previsto na Lei nº 14.182/2021, foi desenhada como um modelo de holding e terá como objeto deter o capital social e a comercialização da usina hidrelétrica de Itaipu, ser a sócia majoritária na Eletronuclear, gerir os contratos da Reserva Global de Reversão – RGR firmados até 2016 e os seguintes programas de governo: Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica – Procel, Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica – PROINFA, Mais Luz para Amazônia e Mais Luz para Todos.

A forma de segregação dos ativos ainda está em avaliação pelo BNDES e deverá ser aprovada em Assembleia Geral Extraordinária de Acionistas da Eletrobras, conforme artigo 3º da Lei nº 14.182/2021.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Conheça o plano de ação da XP para você transformar os desafios de 2022 em oportunidades de investimento.

palavras-chave: Bolsas em alta, nova atuação da China sobre as techs, relatório Focus e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje; invistaja.info;

FARIA LIMA | mercados | invistaja.info – Bolsas em alta, nova atuação da China sobre as techs, relatório Focus e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

REFLEXÃO: Ben Carlson, autor de A Wealth of Common Sense – A riqueza do senso comum, em tradução livre: Menos é mais. O processo de investimento deve ser mais importante que os resultados. Comportamento correto na hora de investir é a chave.

Veja também:

Auxílio emergencial: trabalhadores nascidos em julho podem sacar 5ª parcela

Bolsonaro aprova resolução que reduz adição de biodiesel ao óleo diesel

Para privatizar Eletrobras, Bolsonaro edita decreto para criar a estatal ENBpar

Desigualdades agravam pandemias, alertam pesquisadores

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade