Publicidade

Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com preocupações sobre ômicron; só quatro ações do índice tiveram alta

A Bolsa brasileira acompanhou os índices em Nova York, que cederam após restrições na Europa por conta da nova cepa
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias do mercado financeiro

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com preocupações sobre ômicron; só quatro ações do índice tiveram alta; invistaja.info;


BRIT3 | DY: 0.0 | PSR: 0.0 | Cotacao: 5.45 | Liq.2meses: 3545060.0 | ROE: 0.0 | P/Cap.Giro: 2.66

ListenToMarket: Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com preocupações sobre ômicron; só quatro ações do índice tiveram alta – Áudio gerado às: 18:31:1

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

A pandemia do COVID-19 voltou a pesar sobre o desempenho dos mercados na penúltima semana de 2021, diminuindo as chances de um mês de dezembro positivo para as Bolsas. O Ibovespa mais uma vez foi guiado pelo desempenho dos mercados no exterior, levando o maior tombo em quase um mês. Apenas quatro ações do índice terminaram a segunda-feira em alta: JBS (JBSS3), Eneva (ENEV3), Minerva (BEEF3) e Braskem (BRKM5).

“Provavelmente a variante ômicron vai impedir que aconteça o rali de fim de ano, do qual os emergentes costumam se beneficiar”, afirma Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos. Com o avanço no número de casos de Covid-19 provocados pela nova cepa, a Holanda decretou lockdown em plena semana do Natal e outros países não descartaram adotar medidas mais severas de distanciamento e restrições.

A variante ômicron piora o quadro da pandemia no período de inverno no hemisfério Norte e justamente em um momento no qual as grandes economias do mundo se preparavam para retirar estímulos.

+Ibovespa opera em forte baixa sob influência do mercado externo; restrições com variante ômicron assustam investidores

O Ibovespa também não encontrou apoio em indicadores internos, com uma agenda praticamente esvaziada nesta segunda-feira. O único destaque foi o Boletim Focus, do Banco Central, no qual os agentes reduziram ligeiramente suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2021. De 10,05% na semana passada, agora a expectativa mediana para a inflação deste ano está em 10,04%. Para 2022 a previsão foi de 5,02% para 5,03%, uma ligeira elevação.

Já em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) as projeções foram reduzidas de expansão de 4,65% para 4,58% em 2021; para 2022, as projeções foram mantidas em 0,50%.

Esta semana, a B3 e as Bolsas em NY não funcionam na sexta-feira por conta do feriado do Natal e a agenda está concentrada em dados de inflação no Brasil, medida pelo IPCA-15 (na quinta-feira, 23), e índices de sentimento do consumidor nos Estados Unidos.

O Ibovespa fechou em queda de 2,03%, aos 105.019 pontos. O volume negociado no dia ficou em R$ 24,9 bilhões, abaixo da média. O Ibovespa futuro para fevereiro de 2022 recuava 1,84%, aos 106.475 pontos.

O dólar comercial, por sua vez, fechou com forte alta. A moeda americana subiu 1,02%, a R$ 5,743 na compra e R$ 5,743 na venda. O dólar futuro para janeiro de 2022 avançava 0,74%, a R$ 5,755.

hotWords: ibovespa mais quatro tiveram sobre ômicron; queda

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

No mercado de juros futuros, os contratos tiveram forte baixa: na sessão estentida o DI para janeiro de 2023 recuou 21 pontos-base, a 11,54%; DI para janeiro de 2025 também caiu 21 pontos-base, a 10,54%; e o DI para janeiro de 2027, por sua vez, caiu 17 cinco pontos base, a 10,48%.

Nos Estados Unidos, os investidores também repercutiram os últimos comentários do senador Joe Manchin, que deixou os democratas com poucas alternativas para reavivar a agenda do presidente Joe Biden, rejeitando o pacote de impostos e despesas de US$ 1,75 trilhão.

“No geral, a notícia não apenas dificulta o panorama legislativo para Biden, mas implica também uma complicação adicional para um já complexo panorama eleitoral para os democratas nas eleições parlamentares de novembro, uma vez que o projeto era considerado a grande aposta eleitoral do partido”, avalia a equipe de análise da XP Investimentos.

O Dow Jones fechou em queda de 1,23%, a 34.932 pontos; o S&P 500 recuou 1,14%, a 4.568 pontos; e a Nasdaq fechou em baixa de 1,24%, a 14.980 pontos

As Bolsas europeias repercutiram as novas medidas restritivas adotadas em alguns países por conta da ômicron e também recuaram forte. O índice pan-europeu, que engloba ações de empresas de 17 países do continente, fechou em baixa de 1,38%.

Os preços do petróleo também reagiram à perspectiva de queda na demanda da matéria-prima, em função da nova cepa do coronavírus, e chegaram a cair mais de 5%. Na sessão estendida, o barril do Brent recuava 2,11%, a US$ 71,95 enquanto o do WTI caía 3,1%, a US$ 68,66.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

palavras-chave: Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com preocupações sobre ômicron; só quatro ações do índice tiveram alta; invistaja.info;

FARIA LIMA | mercados | invistaja.info – Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com preocupações sobre ômicron; só quatro ações do índice tiveram alta

REFLEXÃO: Rich Greifner, da Motley Fool: Pense a longo prazo, seja paciente e busque por retornos assimétricos.

Tópicos mais acessados:

Petrobras (PETR3;PETR4) testa diesel renovável com clientes e vê maior valor no refino, diz diretor

São Paulo prorroga obrigatoriedade do uso de máscaras

Âmbar, da J&F, diversifica com projeto de R$ 150 milhões em usinas solares para Swift

Balança comercial tem superávit de US$ 366,4 milhões na 3ª semana de dezembro

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade