Ibovespa interrompe sequência de altas depois de ata do Fomc; dólar sobe a R$ 5,31

Benchmark sucumbiu às sinalizações de que já se debate uma mudança na política monetária ultraestimulativa do Fed
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Investindo como profissionais

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Ibovespa interrompe sequência de altas depois de ata do Fomc; dólar sobe a R$ 5,31; invistaja.info;


EQPA7 | EV/EBITDA: 7.63 | ROIC: 0.16 | P/L: 16.21 | ROE: 0.2106 | Liq.2meses: 10704.4 | Mrg.Liq.: 0.1197

RIO DE JANEIRO | invistaja.info — O Ibovespa fechou em queda pela primeira vez em quatro pregões nesta quarta-feira (19), depois da ata da última reunião do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto) trazer sinalizações de que já existem discussões sobre uma mudança na política monetária ultraestimulativa.

Lá fora, o Dow Jones caiu 0,48% a 33.896 pontos, o S&P 500 teve queda de 0,29% a 4.115 pontos, o Nasdaq registrou leve variação negativa de 0,03% a 13.299 pontos

Na ata do Fomc, membros do Federal Reserve disseram que quaisquer aumentos nos preços devido a gargalos devem ter apenas “efeitos transitórios” na inflação. Dois oficiais afirmaram que as pressões inflacionárias poderiam subir a níveis indesejáveis antes que o novo quadro exigisse uma reação política.

+MP da privatização da Eletrobras: analistas veem mudanças positivas em texto de relator, mas destacam pontos de atenção

Contudo, alguns oficias do Fed apontaram para a possibilidade de discutir o plano de redução do programa de compras de ativos (quantitative easing) em uma reunião futura se a economia continuar a progredir rapidamente.

“Vários participantes sugeriram que, se a economia continuasse a progredir rapidamente em direção às metas do Comitê, poderia ser apropriado em algum ponto das próximas reuniões começar a discutir um plano para ajustar o ritmo de compras de ativos”, diz o documento.

Os sinais de que o banco central dos Estados Unidos pode reconsiderar os estímulos monetários acabou catalisando um movimento de vendas em ativos de renda variável tanto em Wall Street como aqui. Os índices americanos chegaram a cair 1%, enquanto o benchmark da B3 recuou quase a mesma magnitude, mas as perdas foram mitigadas aos poucos.

O Ibovespa teve queda de 0,28%, a 122.636 pontos com volume financeiro negociado de R$ 31,63 bilhões. Na mínima, o índice chegou a bater 121.595 pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial fechou em alta de 1,17% a R$ 5,315 na compra e a R$ 5,316 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em junho registra ganhos de 1,12% a R$ 5,326 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu um ponto-base a 4,97%, o DI para janeiro de 2023 teve queda de dois pontos-base a 6,80%, o DI para janeiro de 2025 avançou um ponto-base a 8,31% e o DI para janeiro de 2027 registrou variação positiva de três pontos-base a 8,90%.

Hoje, na política, a CPI da Pandemia colhe o depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que disse não ter sido pressionado para defender o chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 usando cloroquina.

Pazuello afirmou ainda que informou ao presidente Jair Bolsonaro “o tempo todo” sobre as negociações para comprar a vacina da Pfizer e que os contatos com a empresa começaram em maio de 2020. “Durante todo o processo eu despachava com o presidente periodicamente e, nessas conversas, eu falava como estavam as negociações, inclusive com a Pfizer.”

O ex-ministro contestou o depoimento de Carlos Murillo, diretor-geral da Pfizer na América Latina, e alegou ter respondido “inúmeras vezes” à farmacêutica. “A resposta à Pfizer é uma negociação, que começa no momento da proposta e termina com a assinatura. A resposta sempre foi: ‘Sim, queremos comprar, é nosso interesse comprar da Pfizer, mas não posso comprar se não flexibilizar em tal medida, se facilitar a entrega’”, defendeu.

Nesta quarta, o brasileiro também acordou com a surpresa da operação da Polícia Federal que investiga a exportação ilegal de madeira e contou com a determinação de quebra do sigilo bancário e fiscal de Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, além do afastamento preventivo de Eduardo Bim do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

Já no Legislativo, começou hoje a votação da MP (Medida Provisória) que trata da privatização da Eletrobras (ELET3; ELET6) na Câmara dos Deputados. O modelo de privatização prevê a emissão de novas ações a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União.

Apesar de perder o controle, a União terá uma ação de classe especial (golden share) que lhe garante poder de veto em decisões da assembleia de acionistas a fim de evitar que algum deles ou um grupo de vários detenha mais de 10% do capital votante da Eletrobras.

Voltando ao exterior, no Reino Unido, dados divulgados pelo Escritório para Estatísticas Nacionais indicam que preços ao consumidor subiram 1,5% em abril, após uma alta de 0,7% em março.

Investidores acompanham com atenção os dados sobre inflação em meio à reabertura da economia britânica, que até 16 de maio havia vacinado 54,07% de sua população, de acordo com dados oficiais compilados pelo site Our World in Data.

Entre os indicadores econômicos, foram divulgados dados sobre inflação na Zona do Euro, medidos pelo IPC (Índice de Preços ao Consumidor), que marcou 1,6% em abril na comparação anual, frente à projeção de 1,6% e ao patamar anterior, de 1,3%.

CPI da Covid e Salles alvo da PF

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira investigação para apurar suspeita de crimes de corrupção e facilitação de contrabando praticados por agentes públicos e empresários do setor madeireiro, tendo como um dos alvos o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

A PF informou em nota que cumpre 35 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Pará e Distrito Federal, e que o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou o afastamento preventivo de 10 autoridades do ministério e do Ibama.

Salles está entre os alvos dos mandados de busca e apreensão; o ministro já era alvo de uma investigação no âmbito do STF, na qual foi apontado pela PF como defensor dos madeireiros.

Com relação à Covid-19, na terça (18), a média móvel de mortes pela doença em 7 dias no Brasil ficou em 1.1953, queda de 16% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registradas 2.517 mortes.

As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 64.348, alta de 9% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 35.888 casos. 39.897.840 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 18,84% da população. A segunda dose foi aplicada em 19.711.628 pessoas, ou 9,31% da população.

Na segunda, a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado ouviu o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo.

Ele negou que sua atuação tenha trazido qualquer “percalço” à obtenção de vacinas, principalmente em relação à China. Mas admitiu que o Itamaraty editou notas oficiais apontando o que considerou “comportamentos inadequados” do embaixador da China no Brasil.

As queixas do ex-titular do Ministério das Relações Exteriores devem-se a publicação no Twitter do embaixador da China com críticas à família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em postagem no Twitter. Ele reagia a publicação anterior na rede social do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente.

“O embaixador da China tinha se excedido, sobretudo, ao fazer um retuíte de uma postagem ofensiva ao próprio presidente da República. Isso é importante que se lembre. O embaixador da China fez um retuíte de um tuíte que dizia, abre aspas, ‘a família Bolsonaro é o veneno do Brasil’, fecha aspas. Isso foi extremamente ofensivo”, disse Araújo.

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), citou artigo em que o ex-chanceler faz menção a um “comunavírus”, questionando-o se isso não poderia ser entendido como ofensivo ao país asiático, um dos maiores produtores de insumos para vacinas e importante parceiro comercial do Brasil.

hotWords: 5,31 fomc; depois ibovespa sequência

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Araújo reiterou, em diversos momentos, que não entende nenhuma de suas declarações como “antichinesas”. “As autoridades chinesas jamais nos deram indicação, direta ou indireta, de que qualquer comportamento do Governo brasileiro tivesse resultado num problema”, disse.

Araújo afirmou que a pasta agia de acordo com a coordenação do Ministério da Saúde.

Questionado sobre a decisão do governo brasileiro de aderir ao consórcio Covax Facilities pelo mínimo exigido –a compra de vacinas equivalente a 10% da população, em vez do máximo permitido, 50%, Araújo garantiu que a decisão foi tomada pela Saúde.

“Essa decisão não foi minha, não foi do Ministério das Relações Exteriores, foi uma decisão do Ministério da Saúde, dentro da sua estratégia de vacinação”, garantiu. “Foi uma decisão tomada, entendo, pelo Ministério da Saúde, e não sei se coordenou com outros órgãos, mas não com o Itamaraty.”

A adesão do Brasil ao consórcio foi feita em setembro de 2020. Em dezembro, foi anunciada a decisão pelo valor mínimo –o equivalente a 42,5 milhões de doses de vacina, o suficiente para imunizar apenas 21,25 milhões de brasileiros. Até agora, o Brasil recebeu pouco menos de 4 milhões de doses pelo consórcio.

Na época, o governo brasileiro apostava no contrato para desenvolvimento da vacina desenvolvia pela parceria entre Universidade de Oxford e Astrazeneca, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz.

Ao mesmo tempo em que optou por um contrato pequeno com o consórcio, o governo arrastou por meses as negociações com a Pfizer, que foram concluídas apenas em março.

Ao ser questionado sobre quem teria dado a ordem no Ministério da Saúde, respondeu: “Não sei quem deu a ordem. Entendo que qualquer decisão do Ministério da Saúde é do ministro.” Segundo o jornal Valor, o ex-chanceler citou 13 vezes o Ministério da Saúde como origem das ações de sua pasta durante a pandemia.

Renegociação de dívidas e Censo

O plenário do Senado aprovou na terça uma medida provisória sobre a renegociação extraordinária de dívidas de empresas e pessoas físicas com os fundos constitucionais do Norte (FNO), do Nordeste (FNE) e do Centro-Oeste (FCO).

A proposta elevou para 90% o limite máximo do desconto em renegociação de dívidas com os fundos constitucionais, acima da proposta inicial do governo. Já que o conteúdo foi alterado, o texto volta para a Câmara dos Deputados.

A medida provisória expira no dia 27. Assim, deputados devem analisá-la em tempo limitado. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento citados pelo jornal Valor Econômico, esses fundos constitucionais acumulam cerca de R$ 9,1 bilhões em dívidas que seriam afetadas pela medida provisória. Desse valor, R$ 5,2 bilhões seria em dívidas rurais.

Além disso, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) alertou por meio de nota na terça que a realização do Censo de 2022 depende da liberação de recursos ainda em 2021.

Normalmente, a pesquisa é realizada a cada dez anos, com a coleta de dados entre agosto e outubro. Mas a edição de 2020 foi adiada para 2021 por conta da pandemia. Para realizá-la, no entanto, seria necessária verba de R$ 2 bilhões, que ficou de fora do Orçamento.

O Orçamento aprovado pelo governo Bolsonaro prevê somente R$ 53 milhões para o censo. A estimativa do ASSIBGE (Sindicato de Trabalhadores do IBGE) é de que sejam necessários ao menos R$ 240 milhões para as atividades preparatórias para o Censo, para viabilizar que seja realizado em 2022.

Uma decisão do STF determina a realização do Censo em 2022. Segundo o IBGE, há “necessidade urgente de recomposição do orçamento para conclusão de etapas preparatórias essenciais ao longo de 2021 (…) A prioridade, agora, é fechar a proposta, já que há necessidade urgente de recomposição do orçamento para conclusão de etapas preparatórias essenciais ao longo de 2021”.

Radar corporativo

Em destaque, a Câmara dos Deputados deve votar nesta quarta a medida provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras (MP 1031/21). O modelo de privatização prevê a emissão de novas ações a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União.

O deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), relator da medida provisória de privatização, apresentou na terça-feira suas propostas para o processo, que preveem a realização da operação apenas depois da contratação pelo governo de novas usinas termelétricas a gás.

De acordo com relatório do parlamentar, a desestatização da Eletrobras “estará condicionada à contratação prévia de geração termelétrica movida a gás natural pelo Poder Concedente”, por meio de leilão de reserva de capacidade. Essa contratação envolveria 1 gigawatt em usinas em Estado da região Nordeste e 5 gigawatts repartidos entre as regiões Norte e Centro-Oeste.

Maiores altas

Maiores baixas

Já a Ultrapar Participações anunciou a assinatura de contrato para a venda da totalidade das ações da Extrafarma (Imifarma Produtos Farmacêuticos e Cosméticos S.A.) para o grupo farmacêutico Pague Menos. O valor total da venda é de R$ 700 milhões, sujeito a ajustes devido a variações de capital de giro e à posição da dívida líquida da Extrafarma na data de fechamento da transação.

O GPA e o aplicativo de entregas iFood anunciaram uma parceria para entrega de compras nas lojas do grupo varejista, mostrando a rápida movimentação de grandes empresas no país nas compras online de produtos de supermercado, que cresceram rapidamente com a pandemia da Covid-19.

A Rede D’Or informou ainda que fará oferta primária e secundária de ações de até R$ 6,75 bilhões.

A Companhia Brasileira de Alumínio pediu na terça-feira o registro de companhia aberta, segundo informações da Comissão de Valores Mobiliários, preparando caminho para uma eventual oferta inicial pública de ações. O pedido da CBA de companhia de categoria A vem acompanhado de outro para realizar uma oferta pública de valores mobiliários, o que a habilita entre outras coisas para vender ações no mercado.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Aprenda a identificar os produtos financeiros para blindar seu patrimônio contra o “Risco Brasil”. Inscreva-se no curso gratuito.

palavras-chave: Ibovespa interrompe sequência de altas depois de ata do Fomc; dólar sobe a R$ 5,31; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Ibovespa interrompe sequência de altas depois de ata do Fomc; dólar sobe a R$ 5,31

REFLEXÃO: James Early, do Motley Fool: Explore a fraqueza cognitiva dos outros

Notícias relacionadas:

Ações da Eletrobras fecham em alta de 4% com expectativa por privatização; BRF sobe 4,5%, Vale e siderúrgicas caem com minério

Justiça do Rio de Janeiro decreta falência da MMX, de Eike Batista; ação têm negociação interrompida

Seu plano de saúde pode ficar mais barato – e os economistas já calcularam quanto; confira

Clã bilionário da mineração evita Chile com aposta na Argentina

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.