IPCA-15 sobe 0,93% em março e tem maior alta para o mês desde 2015, puxado por alta de combustíveis

A expectativa do mercado, segundo estimativa média da Refinitiv, era de alta de 0,96% na comparação com fevereiro e de 5,55% na comparação anual
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação de quem vive o mercado

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: IPCA-15 sobe 0,93% em março e tem maior alta para o mês desde 2015, puxado por alta de combustíveis; invistaja.info;


TESA3 | P/Cap.Giro: -7.61 | Mrg.Ebit: 0.1914 | EV/EBIT: 7.23 | DY: 0.0 | Cresc.5anos: 0.0998 | Liq.Corr.: 0.92

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) subiu 0,93% em março, após registrar alta de 0,48% em fevereiro de 2021. Os dados foram compartilhados nesta quinta-feira (25) pelo IBGE.

É o maior resultado para um mês de março desde 2015, quando o índice foi de 1,24%. Já o IPCA-E, o acumulado do índice no trimestre, foi de 2,21%, a maior taxa para um primeiro trimestre desde 2016, quando foi de 2,79%.

A expectativa do mercado, segundo estimativa média da Refinitiv, era de alta de 0,96% em março na comparação com fevereiro e de 5,55% na comparação anual.

+Queiroga defende distanciamento e máscara para evitar lockdown

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito apresentaram alta em março. O maior impacto (0,76 p.p.) e a maior alta (3,79%) vieram dos Transportes, que aceleraram em relação a fevereiro (1,11%), sobretudo em decorrência do aumento nos preços dos combustíveis (11,63%). O maior impacto individual no índice do mês (0,56 p.p.) foi da gasolina (11,18%), cujos preços aumentaram pelo nono mês consecutivo. Também houve altas no etanol (16,38%), no óleo diesel (10,66%) e no gás veicular (0,39%).

Os automóveis novos (0,99%), os automóveis usados (0,30%) e o seguro voluntário de veículo (2,57%) somaram 0,06 p.p. de impacto e contribuíram para a alta nos transportes.

O subitem ônibus urbano (0,42%) teve alta em consequência do reajuste de 8,70% no preço das passagens em Recife (7,14%), vigorando desde 7 de fevereiro. Já o trem registrou aumento de 1,61%, influenciado pelo reajuste de 6,38% no preço da passagem no Rio de Janeiro (4,26%), a partir de 23 de fevereiro.

Ainda em transportes, no lado das quedas, transportes por aplicativo (-2,38%) e passagens aéreas (-2,01%) apresentaram recuo, porém menos intenso do que em relação a fevereiro, quando registraram -9,16% e -2,54%, respectivamente.

O segundo maior impacto do IPCA-15 de março foi do grupo Habitação, com alta de 0,71% e contribuição de 0,11 p.p. no resultado do mês. Destaque para o gás de botijão, que aumentou 4,60% e adicionou 0,05 p.p na pesquisa. É o 10º mês consecutivo de alta. Gás encanado (2,52%) e taxa de água e esgoto (0,68%) aceleraram em relação a fevereiro, quando registraram 1,19% e 0,45%, respectivamente.

hotWords: maior 0,93% ipca-15 alta sobe combustíveis para

Seja anunciante no invistaja.info

No caso do gás encanado, reajustes em dois locais influenciaram o resultado: um de 3,50% no Rio de Janeiro (2,10%), vigente desde 1º de fevereiro, e dois em Curitiba (19,04%), sendo um de 8,07%, em vigor desde 1º de fevereiro, e um de 15,57%, a partir de 16 de fevereiro.

Em água e esgoto, a pesquisa também captou reajustes em Fortaleza (5,77%), de 12,25%, a partir de 29 de janeiro; e em Curitiba (3,78%), de 5,11%, em vigor desde 5 de fevereiro.

Ainda em Habitação, o item energia elétrica teve alta de 0,05%, frente à queda de 4,24% no IPCA-15 de fevereiro. Durante o período de coleta, vigorou a bandeira tarifária amarela, que adiciona R$ 1,343 na conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Houve ainda reajustes de 4,66% e de 4,50% em concessionárias no Rio de Janeiro (-0,57%), ambas em vigor desde 15 de março.

O grupo de Alimentação e bebidas variou 0,12%, desacelerando em comparação com fevereiro (0,56%). Os alimentos para consumo no domicílio caíram 0,03% após sete meses consecutivos de alta, sobretudo por conta das quedas de tomate (-17,50%), a batata-inglesa (-16,20%), o leite longa vida (-4,50%) e o arroz (-1,65%). No lado das altas, as carnes aumentaram 1,72%.

A alimentação fora do domicílio desacelerou em comparação com o mês anterior, registrando 0,49% em março frente 0,56% de fevereiro. O índice foi influenciado pelo lanche (0,64%) e pela refeição (0,33%), itens que, em fevereiro, aumentaram 1,20% e 0,37%, respectivamente.

O único grupo em queda no IPCA-15 de março foi Educação, que caiu 0,51% após alta de 2,39% em fevereiro. Os demais grupos ficaram entre as altas de 0,02% em Comunicação e de 0,55% em Artigos de residência.

(com Agência de notícias do IBGE)

Participe do Treinamento gratuito Scalper Pro e entenda como extrair lucro e controlar riscos na Bolsa em operações que duram minutos ou segundos! Inscreva-se aqui.

palavras-chave: IPCA-15 sobe 0,93% em março e tem maior alta para o mês desde 2015, puxado por alta de combustíveis; invistaja.info;

FARIA LIMA | economia | invistaja.info – IPCA-15 sobe 0,93% em março e tem maior alta para o mês desde 2015, puxado por alta de combustíveis

REFLEXÃO: Eddy Elfenbein, dono do site Crossing Wall Street: Seja paciente e ignore modismos. Foque no valor e não entre em pânico.

Veja também:

Farfetch inova para atender demanda de brasileiros por moda de luxo

UE precisa de mais capacidade de produção de vacinas, diz Merkel

Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina da Janssen contra Covid-19

Capitais antecipam feriados para evitar colapso no sistema de saúde; veja o abre e o que fecha

Publique seu negócio no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade