Itaú: lucro do 1º tri supera estimativas ao saltar 64%, a R$ 6,4 bi, mas resultado não empolga analistas

Qualidade fraca com diversos itens não recorrentes e preocupação com inadimplência são fatores que fizeram analistas não olharem balanço com bons olhos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdo de quem vive de mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Itaú: lucro do 1º tri supera estimativas ao saltar 64%, a R$ 6,4 bi, mas resultado não empolga analistas; invistaja.info;


BRFS3 | ROE: 0.1611 | Cresc.5anos: 0.0318 | DY: 0.0 | Pat.Liq: 8585780000.0 | P/Cap.Giro: 2.24 | P/L: 12.08

ListenToMarket: Itaú: lucro do 1º tri supera estimativas ao saltar 64%, a R$ 6,4 bi, mas resultado não empolga analistas – Áudio gerado às: 9:51:15

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASIL | invistaja.info — Quem olhar apenas para o lucro do Itaú Unibanco (ITUB4) do primeiro trimestre pode avaliar que o resultado foi bastante positivo. Porém, há detalhes no balanço que não foram avaliados positivamente pelos analistas.

O maior banco privado do país superou as estimativas ao registrar um lucro líquido recorrente de R$ 6,398 bilhões no primeiro trimestre deste ano, uma alta de 18,7% ante os R$ 5,388 bilhões apresentados no quarto trimestre de 2020 e com avanço de 63,5% sobre os R$ 3,912 bilhões de um ano antes. O consenso Bloomberg apontava para um lucro de R$ 5,7 bilhões no período.

Vale destacar que, no primeiro trimestre do ano passado, o balanço foi afetado por uma provisão de R$ 10 bilhões para perdas por conta da pandemia do coronavírus. No primeiro trimestre de 2021, por sua vez, houve uma forte queda de 59,2% no custo de crédito, que inclui as despesas com provisões, a R$ 4,1 bilhões.

+Itaú tem lucro de R$ 6,4 bilhões no 1º trimestre, alta de 64% em um ano

O retorno recorrente sobre o patrimônio líquido (indicador que mede como os bancos investem os recursos de seus acionistas, chamado de ROE) foi de 18,5%, alta de 2,4 pontos percentuais ante o fim do ano passado e avanço de 5,7 pontos sobre o período entre janeiro e março de 2020.

Para Marcel Campos e Matheus Odaguil, analistas da XP, apesar dos dados fortes, os investidores devem manter uma atenção especial à sua qualidade menos inspiradora destes resultados (confira o relatório).

“O Itaú divulgou diversos itens não sustentáveis, que ajudaram no resultado, enquanto áreas relevantes como rendas de tarifas, margem financeira com clientes e custos apresentaram desempenho abaixo do esperado. À medida que a concorrência aumenta e os reguladores se tornam mais agressivos, acreditamos que o consumo de cobertura [para perdas] e os resultados de tesouraria sejam menos relevantes para as perspectivas do setor”, apontam.

Os analistas destacam que as provisões menores contribuíram para o resultado, com o custo do crédito bancário ficando R$ 1,2 bilhão abaixo das estimativas. Como resultado, o Itaú consumiu 20 pontos percentuais do índice de cobertura – relação entre empréstimos inadimplentes e provisões – no trimestre, embora a inadimplência ainda esteja artificialmente baixa.

Já a margem financeira (NII, na sigla em inglês) com o mercado saltou 224% anualmente, para R$ 2,4 bilhões, ficando R$ 1,3 bilhão acima das estimativas da XP, impulsionado principalmente pelos resultados de trading e margens de overhedge. Porém, são dois segmentos que os analistas veem sendo menos sustentáveis ​​do que o de crédito.

Os empréstimos renegociados do Itaú, por sua vez, tiveram um desempenho ruim no período, com saldo aumentando 3% no trimestre, para R$ 36,9 bilhões. O crédito vencido entre 31-90 dias apresentou a principal preocupação, já que o segmento cresceu 8% no trimestre, para R$ 9,1 bilhões, ressaltam os analistas.

Com relação às receitas de serviços, as tarifas desapontaram, com um crescimento de 1% anualmente, para R$ 9,6 bilhões, abaixo do guidance de 2,5% a 6,5% de crescimento em 2021. As tarifas de conta corrente continuaram a ser pressionadas ao caírem 8% anualmente, para R$ 1,8 bilhão. Já a gestão de ativos teve um desempenho abaixo das expectativas e caiu 13% anualmente, a R$ 1,15 bilhão, enquanto cartões caíram 5% anualmente para R$ 2,9 bilhões, principalmente devido ao negócio competitivo de adquirência.

Por fim, estão as despesas com pessoal. Para Campos e Odaguil, o Itaú está ficando atrás de seus pares privados em termos de corte de custos, uma vez que o banco ainda aumentou suas despesas totais em 3,2% anualmente para R$ 12,5 bilhões. Eles avaliam que o Itaú poderia ter um melhor desempenho, especialmente nas despesas de pessoal, que cresceram 6% anualmente, para R$ 6 bilhões. Como os concorrentes digitais têm um custo de servir e de aquisição de clientes menor que o do Itaú, os participantes do mercado devem olhar para os custos com cuidado, destacam.

hotWords: saltar analistas resultado 64%, empolga

Seja anunciante no invistaja.info

“Ao todo, analisamos R$ 3 bilhões em resultados que acreditamos que os investidores devem olhar com atenção. Por outro lado, a taxa de imposto efetiva de 41% do banco também parece única, já que o banco teve que reavaliar os ativos fiscais diferidos que impactaram negativamente a linha”, avaliam.

O Bradesco BBI também aponta que a qualidade do resultado poderia ser melhor. Em relação à expectativa do banco, os principais destaques foram um custo de risco muito menor e a recuperação dos resultados de seguros. Na avaliação de Victor Schabbel, analista do banco, o lucro acima do esperado poderia até sustentar uma alta nas ações, mas que seria limitada devido à pressão que a deterioração da inadimplência pode exercer sobre as tendências de provisões daqui para frente.

Para Schabbel, a queda do custo do risco antecipa uma melhora das perspectivas para a inadimplência que o analista acreditava que ocorreria de forma mais gradual.

Ele aponta que o índice de inadimplência do Itaú foi de fato saudável, em 2,3% (estável em relação ao quarto trimestre de 2020).

O índice de inadimplência para créditos vencidos entre 15 e 90 dias deteriorou-se apenas 20 pontos-base no trimestre, melhor do que o aumento de 40 pontos-base do sistema em geral (o Santander Brasil viu seu indicador antecedente de inadimplência subir 80 pontos-base no trimestre).

Os bancos, cabe destacar, realizaram renegociações de dívidas em meio à crise com a pandemia do coronavírus; desta forma, a expectativa é que o nível de inadimplência registre aumento nos próximos trimestres.

Contudo, embora os indicadores atuais suportem ​​um provisionamento mais baixo (apenas 73% dos novos inadimplentes foram cobertos por despesas brutas de provisionamento), a avaliação do analista e de que a inadimplência ainda deve se deteriorar nos próximos trimestres. “À medida que a inadimplência aumenta e o índice de cobertura cai, as despesas de provisionamento não devem mais cair de forma significativa”, aponta. O analista do BBI também vê uma tendência de desaceleração da margem financeira com o mercado.

Por outro lado, o Credit Suisse avalia que, enquanto o lucro ainda precisar ter sua sustentabilidade comprovada, principalmente nas margens de mercado e provisões, as provisões ainda estão conservadoras. Assim, eles reforçam a avaliação outperform (desempenho acima da média do mercado) para os ativos ITUB4, com preço-alvo de R$ 39 para os papéis ITUB4.

O Bradesco BBI também tem recomendação outperform para os ativos, com preço-alvo de R$ 33 (alta de 18% frente o fechamento da véspera), destacando que, apesar do momentum de alta de lucros poder desacelerar com maiores provisões e menores contribuições de margens financeiras com o mercado, o valuation dos papéis está atrativo em uma base relativa como, por exemplo, em comparação aos papéis do Santander (SANB11. Já a XP reitera classificação neutra e preço alvo de R$ 29 para o incumbente.

Quer viver de renda? Estes 3 ativos podem construir uma carteira poderosa. Assista no curso gratuito Dominando a Renda Passiva.

palavras-chave: Itaú: lucro do 1º tri supera estimativas ao saltar 64%, a R$ 6,4 bi, mas resultado não empolga analistas; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Itaú: lucro do 1º tri supera estimativas ao saltar 64%, a R$ 6,4 bi, mas resultado não empolga analistas

REFLEXÃO: Robert Brokamp, da Motley Fool: Diversificação reduz os riscos, aumenta a previsibilidade e impulsiona os retornos.

Leia também:

Ibovespa Futuro recua com exterior, temporada de resultados e CPI da Covid no radar; dólar sobe

Localiza tem alta de 109% no lucro no 1º trimestre, a R$ 482 milhões; seminovos são destaque

Chegada do 5G deve expandir o uso da Internet das Coisas

Bolsonaro sanciona lei com medidas emergenciais para o setor de eventos

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *