Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app

Startup reúne 10 mil assinantes no Brasil e México. Rodada atraiu de fundos conhecidos de venture capital até Peter Thiel (PayPal) e Justin Mateen (Tinder)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdo de quem vive de mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app; invistaja.info;


CEED3 | Div.Brut/Pat.: -0.18 | ROIC: -0.0706 | Liq.Corr.: 0.61 | P/Ativo: 0.634 | Pat.Liq: -5915240000.0 | P/Cap.Giro: -3.76

ListenToMarket: Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app – Áudio gerado às: 7:10:59

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

BRASIL | invistaja.info — Estabelecimentos fechados e altos índices de desemprego derivados da pandemia impulsionaram um fenômeno que já era comum nos últimos anos: a adesão dos brasileiros a aplicativos como forma de obter renda. Um contingente adicional de 11,4 milhões de brasileiros recorreram aos apps para garantir uma parcela ou a totalidade de seus ganhos. O Brasil tem hoje aproximadamente 20% de sua população adulta, 32,4 milhões de pessoas, usando algum tipo de app para trabalhar. Antes da pandemia, a porcentagem era de 13%.

Não são apenas os próprios apps que se beneficiam do movimento. Algumas startups faturam ao suportar os profissionais da gig economy, ou economia dos trabalhos flexíveis. É o caso da Kovi, que fornece aluguel de carros principalmente aos motoristas de aplicativo. Essa proposta acabou de atrair uma grande injeção de capital.

A Kovi anunciou nesta quarta-feira (18) a captação de um aporte de cerca de R$ 500 milhões (US$100 milhões). A rodada série B foi liderada pelo fundo Valor Capital Group, que investiu em negócios como Buser, Descomplica e Loft. A Prosus Ventures (antiga Naspers) entrou como co-líder. Participaram também os fundos Global Founders Capital, Globo Ventures, Maya Capital, Monashees, ONEVC, Quona e Ultra Venture Capital. Completam a rodada o family office de Peter Thiel, cofundador do PayPal, e Justin Mateen, cofundador do Tinder.

+Reforma do IR deixa R$ 200 bilhões fora da mira

O Do Zero Ao Topo, marca de empreendedorismo do (invistaja.info), conversou com Adhemar Milani. O cofundador da Kovi fala sobre o modelo de negócios da startup, sobre os objetivos com a nova captação de recursos e sobre desafios como a concorrência no mercado de locação de carros e o contexto de falta de carros novos e alta demanda por seminovos e usados.

Leia maisCarros usados e seminovos: veja como e por que as startups querem dominar esse mercado

Aluguel de carros a motoristas de app

A Kovi foi fundada em 2019. Adhemar Milani e João Costa trabalharam anteriormente no aplicativo de mobilidade urbana 99. “Entrei quando trabalhavam só com táxi e estavam desenhando o Pop, para motoristas autônomos. Foi uma escola bacana de crescimento e de aprendizado da cultura chinesa de expansão depois, com a Didi. Quando saí, eram mais de 1.000 funcionários”, conta Milani.

A experiência o fez conhecer o perfil dos motoristas autônomos: muitos buscavam um carro para começar a trabalhar, mas tinham dificuldade de conseguir um financiamento. Nas locadoras tradicionais, era preciso pagar com cartão de crédito. Muitos não tinham o plástico ou não queriam comprometer seu limite.

Pela Kovi, o aluguel desses veículos é feito online e por boleto ou cartão de crédito. A startup oferece dois planos, ambos por pagamento por quilometragem (pay per mile). O “Kovi Do Seu Jeito” tem permanência mínima de quatro semanas e fornece carros seminovos.

Já o “Kovi Max” tem permanência mínima de 12 meses, mas dá direito a um carro zero a cada renovação de contrato. Nos dois planos, o pagamento é feito semanalmente: R$ 299 para até 100km; R$ 379 para entre 101km e 500km; R$ 419 para entre 501km e 120km; e R$ 469 para quilometragem ilimitada.

“O objetivo é criar um aluguel simples e com pagamento flexível, indo do motorista que muito pouco o carro até quem vive dele. A pessoa não é, ela está como motorista de aplicativo. No mês seguinte pode arrumar um novo emprego ou começar um negócio”, diz Milani.

A Kovi tem três tipos de consumidores: o motorista em tempo integral; o motorista em tempo parcial; e usuários que não são motoristas de aplicativo, mas se interessam no modelo de carro de assinatura. Segundo o cofundador, o motorista em tempo integral tem uma renda líquida de três salários mínimos, já descontando despesas como aluguel do carro e combustível.

O usuário precisa pagar uma caução de R$ 800 antes de retirar o carro. “Isso porque existem multas que chegam até um mês depois da devolução do carro”, diz Milani. O valor volta ao usuário até três meses depois da devolução do carro. A caução pode ser parcelada em três vezes, caso o pagamento seja por cartão de crédito.

A startup não é dona dos carros fornecidos. Os seminovos são alugados com locadoras como Arval, enquanto os carros novos são obtidos por parcerias com montadoras como Nissan, Renault, Toyota e Volkswagen.

hotWords: aluguel carros recebe motoristas kovi

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

“Depois de um ano de uso pelo Kovi Max, as montadoras priorizam a venda dos carros em suas próprias redes de concessionárias de seminovos. A Kovi entra como uma solução para ter uma vertical de carro por assinatura sem precisar fazer cobrança, gestão de crédito ou manutenção”, diz Milani.

A Kovi tem 10 mil assinantes entre Brasil e México, com cerca de 40 milhões de quilômetros rodados mensalmente. A pandemia do novo coronavírus fez a startup criar diversas ações para reter motoristas, incluindo o próprio pagamento por quilometragem.

“Já tínhamos pensado nesse tipo de cobrança e o momento de pandemia foi propício para esse teste. Acabou virando nosso modelo de negócio usual”, diz Milani. A Kovi recuperou o número de motoristas que tinha antes da pandemia em outubro de 2020. No acumulado do ano, cresceu a base de clientes em 70%.

Para o cofundador, os bancos são concorrentes da Kovi, já que financiam veículos para os motoristas e os afastam do aluguel. Propostas de locadoras como Movida e Unidas competem apenas por motoristas que usam cartão de crédito. Já a Zarp Localiza também permite pagar com boleto. “Em todos os casos, defendemos como diferencial a flexibilidade da nossa locação, pelo modelo de pay per mile.”

“Nós vemos um potencial enorme na Kovi, especialmente porque o acesso ao carro ainda é uma realidade distante para milhões de pessoas na América Latina. A Kovi fornece soluções inovadoras e flexíveis que tornam o carro prontamente disponível para uma base mais ampla.

A empresa certamente está liderando o movimento de mudança desse setor não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina”, afirmou em comunicado sobre o investimento Scott Sobel, sócio-fundador do Valor Capital Group.

Investimento e planos

A startup começou sua internacionalização no final de 2019, mesmo ano em que recebeu R$ 150 milhões (US$ 30 milhões) em seu investimento série A. Parte dos recursos com a captação série B irá para expansão geográfica a outros países da América Latina, como Argentina, Chile e Colômbia. A Kovi também está de olho em países emergentes fora dessa região, como África do Sul e Turquia.

“Procuramos locais onde a concessão de crédito e a gestão de segurança dos veículos sejam problemas relevantes. Ao mesmo tempo, as montadoras nesses países devem ter interesse em alugar seus carros”, diz Milani. A nova onda de internacionalização deve começar em 2022.

Também haverá investimento em tecnologia. Algumas áreas priorizadas serão internet das coisas (IoT), usabilidade e operação. “Vamos usar o hardware do celular para coletar mais dados do usuário, como comportamento de direção e localização. Também vamos melhorar o relacionamento com o usuário por meio do ano aplicativo. Por fim, teremos mais digitalização de processos como contratos, logística, manutenção e pagamentos”, diz o cofundador.

Tanto expansão quanto tecnologia pedem mais contratações. A Kovi tem 700 funcionários e vai abrir mais vagas, chegado a 900 funcionários até o final deste ano. A frota deve ir de 12 mil veículos para 20 mil veículos. “Nosso plano ainda depende muito da volta de produção nas montadoras”, alerta Milani. No site da Kovi, apenas a categoria sedan está disponível. As categorias hatch e premium aparecem como esgotadas.

“Sofremos e continuamos imaginando que teremos impactos da falta de carros novos e da valorização de usados e seminovos. A inflação também entra nas nossas contas: afeta locação, manutenção e até preço do combustível. Então, impacta nossa lucratividade e a dos nossos motoristas. Porém, seguimos olhando macrotendências como gig economy e novos modelos de negócio para a mobilidade urbana, incluindo assinatura de carros. O aporte veio para preparar um crescimento esperado principalmente no segundo semestre de 2022.”

palavras-chave: Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app; invistaja.info;

GLEBA PALHANO | negocios | invistaja.info – Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app

REFLEXÃO: Tim Hanson, da Motley Fool: Compre ações impressionantes por preços que não refletem sua grandiosidade.

Tópicos mais acessados:

Sem acordo, Câmara adia novamente discussão sobre reforma do Imposto de Renda

Aprovação de Biden cai para menor nível no ano com domínio do Talibã no Afeganistão

Lucro de empresas listadas na B3 dispara 1.615% no 2º trimestre

Reforma do IR deixa R$ 200 bilhões fora da mira

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade