PUBLICIDADE

Orçamento escancara dois “ministérios da Economia”

Um é formado por técnicos fiéis às regras fiscais, outro é constituído pela ala disposta a fazer concessões em prol da negociação política
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdo de quem vive de mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Orçamento escancara dois “ministérios da Economia”; invistaja.info;


OIBR4 | Mrg.Ebit: -0.3181 | P/Ativo: 0.21 | P/VP: 2.0 | EV/EBITDA: 27.07 | Cresc.5anos: -0.1996 | P/L: -1.48

A votação do Orçamento de 2021 evidenciou a existência de dois ministérios da Economia, um formado por técnicos fiéis às regras fiscais e outro constituído pela ala disposta a fazer concessões em prol da negociação política.

Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, a equipe econômica emitiu sinais de que era possível acomodar até R$ 16,5 bilhões em emendas parlamentares com cortes menores em outras despesas, inclusive obrigatórias, antes de a negociação degringolar para a maquiagem e para gastos de interesse parlamentar turbinados a R$ 31,3 bilhões.

A fatura original previa R$ 8,5 bilhões prometidos pela Secretaria de Governo em troca de apoio dos parlamentares e da consolidação de uma base governista no Parlamento.

Outros R$ 8 bilhões foram negociados especificamente para votar a PEC emergencial, que daria base legal à recriação do auxílio emergencial e continha gatilhos de contenção de despesas. A segunda parcela dos recursos financiaria obras de interesse dos parlamentares.

As sinalizações foram dadas apesar de cenários internos do Ministério da Economia apontarem para uma insuficiência de R$ 17,5 bilhões no teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação, indicando a necessidade de cortes em despesas – direção oposta do que foi feito pelo Congresso. O valor foi revelado oficialmente em 22 de março, mas cenários do fim de fevereiro já apontavam o estrangulamento.

Leia mais: Guedes nega “guerra” com Congresso e sinaliza veto parcial como solução para Orçamento

Acusado de contabilidade criativa por subestimar gastos obrigatórios com Previdência e subsídios ao crédito rural, o senador Marcio Bittar (MDB-AC) reagiu publicamente e disse que tudo foi feito com o conhecimento da Economia. Na segunda-feira, 5, foi a vez do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), dizer em reunião com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que a discussão do Orçamento teve “toda a participação do governo”.

Ao longo dos últimos dias, o jornal O Estado de S. Paulo tentou reconstruir os passos da negociação que resultou no Orçamento maquiado e colocou o tema na mira do Tribunal de Contas da União (TCU). Em meio às articulações para evitar a desidratação completa da PEC emergencial, restou a fatura de R$ 16,5 bilhões a ser paga no Orçamento. O acordo, negociado pelo então ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, obteve também chancela do ministro da Economia, Paulo Guedes, que foi informado dos termos de acerto.

hotWords: “ministérios escancara economia”

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Espaço

A partir daí, alguns integrantes do alto escalão da Economia começaram a “cavar” espaços dentro do Orçamento, apesar de os técnicos da “base” da pasta terem documentado no relatório a ausência de qualquer gordura. Entraram na mira o abono salarial, o seguro-desemprego, o auxílio-doença, a economia esperada com combate a fraudes no INSS e a própria reforma da Previdência.

Em conversas privadas, fontes do Ministério da Economia relatam que o acerto era abrir espaço para os R$ 16,5 bilhões com revisões nessas despesas. Nessa ala, há a avaliação de que a Secretaria de Orçamento Federal (SOF) tem sido muito conservadora ao estimar que as despesas da Previdência, na verdade, deveriam crescer R$ 8,4 bilhões por causa do reajuste maior do salário mínimo. Para esse grupo, a incorporação dos impactos mais expressivos da reforma e de medidas de combate a fraudes ainda não implementadas totalmente deixaria essa necessidade de suplementação em até R$ 2,5 bilhões.

A digital do Ministério da Economia também ficou evidente no adiamento do cronograma do abono salarial, feito com base em uma recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU). Como os trabalhadores vão receber a nova rodada do benefício em janeiro de 2022, e não mais em julho de 2021, restaram “livres” R$ 7,4 bilhões no Orçamento, que foram direcionados a emendas em vez de serem usados para cobrir o rombo já existente no teto. Procurado, o Ministério da Economia não quis se manifestar sobre os temas desta reportagem.

Além da dissonância dentro do Ministério da Economia, a quebra do acordo para a votação do Orçamento de 2021 também colocou em pé de guerra a Câmara, o Senado e o relator.

A interlocutores, Guedes tem dito que busca a conciliação em torno do assunto e que está em sintonia com Lira e Pacheco, enquanto Bittar não honrou o acordo. Apesar de negociadores do governo insistirem que o acordo para “consertar” o Orçamento foi fechado no último fim de semana, a negociação deve demorar mais e se estender até o prazo para a sanção pelo presidente, 22 de abril.

Guedes já avisou que, além dos R$ 10 bilhões indicados pelo relator, é preciso cancelar outros R$ 5 bilhões para manter os termos do acordo original. Na segunda, técnicos falaram na necessidade de o relator cancelar até mais: R$ 17 bilhões ao todo. Mesmo com essa medida, a equipe econômica precisará fazer um bloqueio adicional entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões no Orçamento após a sanção, para não descumprir regras fiscais.

Entenda o método para realizar análises e não se perder em momentos turbulentos. A série gratuita One Good Trader, com Gilberto Coelho, te ensina como – inscreva-se!

palavras-chave: Orçamento escancara dois “ministérios da Economia”; invistaja.info;

CALIFORNIA | economia | invistaja.info – Orçamento escancara dois “ministérios da Economia”

REFLEXÃO: Tim Hanson, da Motley Fool: Compre ações impressionantes por preços que não refletem sua grandiosidade.

Leia também:

“Dr. Doom”, Nouriel Roubini alerta para riscos de salto de rendimento dos títulos americanos

Câmara deve retomar polêmica sobre compra de vacinas por empresas nesta terça-feira

Trabalhadores entram em greve em SP após LG deixar setor de celular

Pandemia e crise levam empresas a adiar abertura de capital na Bolsa

Seja anunciante no invistaja.info

PUBLICIDADE

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE