Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 24/5

Bolsas mundiais têm leves ganhos com inflação nos EUA e Bitcoin no radar; nova baixa do minério, aquisição de fatia da BRF pela Marfrig e mais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de trader para trader

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 24/5; invistaja.info;


CGAS5 | Mrg.Liq.: 0.1529 | Liq.Corr.: 1.84 | P/Cap.Giro: 13.58 | Cotacao: 160.52 | P/VP: 22.64 | P/ACL: -3.81

BRASIL | invistaja.info — A sessão desta segunda-feira (24) começa positivamente para os principais índices, ainda com a inflação nos Estados Unidos e o desempenho instável do Bitcoin no radar. Em Ásia-Pacífico, mercados em parte positivos, cautelosos com a pandemia. No mercado de commodities, atenção para a nova queda do minério na bolsa chinesa em Dalian.

No radar corporativo, atenção para o mercado de frigoríficos: a processadora de carnes Marfrig confirmou na sexta-feira ter comprado cerca de 24,23% no capital da empresa de alimentos BRF, e disse que a operação “visa diversificar os investimentos” do grupo. Em comunicados, Marfrig e BRF confirmaram as transações, que haviam sido divulgadas antes na imprensa. O negócio somou 196,68 milhões de papéis, comprados via opções e leilões em bolsa.

Confira os destaques:

+Fiocruz recebe nova remessa de insumo para produção de vacina

1.Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos têm altas nesta segunda-feira (24), enquanto que as bolsas europeias se mantêm estáveis, em dia de mercados fechados na Alemanha devido a feriado. As bolsas asiáticas fecharam em tendência de alta.

Na semana passada, o índice S&P teve sua segunda semana consecutiva em território negativo, pela primeira vez desde fevereiro. O índice Dow teve a quarta semana negativa dentre as cinco últimas. Já o índice Nasdaq rompeu com quatro semanas consecutivas de recuo e fechou em território positivo.

Apesar do balanço semanal positivo, o Nasdaq fechou a sessão de sexta-feira no vermelho.

Atenção para o Bitcoin: na quarta-feira, os preços da criptomoeda chegaram a marcar menos de US$ 30 mil, o menor nível desde o final de janeiro.

Na sexta-feira, o vice-premiê chinês Liu He e o Conselho de Estado da China afirmaram por meio de uma declaração que acreditam que é necessária maior regulação sobre a mineração e a comercialização de criptomoedas, para “evitar a transmissão de riscos individuais para o campo social”.

Apesar de certa recuperação nos preços desde quarta-feira, no domingo a venda de Bitcoin se manteve, fazendo com que o valor da moeda desabasse para menos de US$ 32 mil, um recuo de 16%. Nesta segunda pela manhã, a criptomoeda é cotada a 36.495,28.

Em sua reunião de abril, o Federal Reserve sinalizou que pode reconsiderar suas políticas monetárias caso a economia continue a apresentar sinais de rápida melhora.

Os Estados Unidos vêm registrando geração de empregos e aceleração da inflação. Até o dia 22 de maio, 48,58% da população do país havia sido vacinada, segundo dados oficiais compilados pelo site Our World in Data.

Nesta semana, empresas de varejos devem divulgar seus resultados trimestrais nos Estados Unidos, dentre elas Gap e Urban Outfitters. Empresas de tecnologia, incluindo Salesforce e Workday, também devem reportar.

As bolsas asiáticas fecharam em sua maioria em alta, mas investidores mantêm cautela com a ressurgência de casos de Covid em algumas partes da região, assim como pressões inflacionárias nos Estados Unidos.

Em Japão, o índice Nikkei 224 subiu 0,17%, enquanto que o Topix subiu 0,44%. Na China, o índice Shanghai composto subiu 0,31%, enquanto que o componente Shenzhen subiu 0,62%; o Kospi, da Coreia do Sul, recuou 0,38%; e o Hang Seng Index, de Hong Kong, recuou 0,26%.

Na Europa, as bolsas ficam estáveis na segunda-feira. Investidores se mantêm preocupados com a inflação no continente e com a queda acentuada do Bitcoin. O índice Eurostoxx, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, recua 0,02%.

Nesta segunda ocorrerá uma reunião especial do Conselho Europeu, que deverá discutir a pandemia de Covid, o meio ambiente e as relações entre Reino Unido e União Europeia.

No mercado de commodities, o minério de ferro registra nova sessão de queda, com o contrato futuro na Bolsa de Dalian, da China, em queda de mais de 5%, seguindo as perdas em meio ao noticiário de que o governo chinês está atuando para impedir a forte valorização, como a elevação de requisitos para negociar contratos de minério de ferro.

Veja o desempenho dos principais índices às 7h30 (horário de Brasília):*S&P 500 Futuro (EUA), +0,51%*Nasdaq Futuro (EUA), +0,67%*Dow Jones Futuro (EUA), +0,42%Europa*Dax (Alemanha) – (fechado)*FTSE 100 (Reino Unido), +0,33%*CAC 40 (França), +0,14%*FTSE MIB (Itália), -0,34%Ásia*Nikkei (Japão), +0,17% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), -0,16% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), -0,38% (fechado)*Shanghai SE (China), +0,31% (fechado)Commodities e bitcoin*Petróleo WTI, +1,998, a US$ 64,86 o barril*Petróleo Brent, +2,08% a US$ 67,82 o barril*Bitcoin +1,17%, a US$ 36.084,28**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 5,21%, cotados a 1064,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 165,47 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,43

2. Agenda

Às 8h25 o Banco Central divulga o Boletim Focus, com a projeção de analistas sobre indicadores importantes no Brasil, como PIB, taxa de câmbio, inflação e taxa Selic. Às 15h serão revelados os dados da balança comercial.

Às 14h, Roberto Campos Neto participa do “eB Talks – Encontro com Roberto Campos Neto”, promovido pela eB Capital, por videoconferência.

Às 9h30, o Fed de Chicago divulga o Índice de Atividade Nacional. Às 10h, Lael Brainard, membro do Fomc (Comitê Federal do Mercado Aberto) do Fed, realiza um discurso. Às 13h, Raphael Bostic, membro do Fomc, realiza um discurso.

3. Covid no Brasil

No domingo (21), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 1.909, queda de 9% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registradas 894 mortes.

As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 65.479, alta de 8% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 37.072 casos. 41.961.572 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 19,82% da população. A segunda dose foi aplicada em 20.659.187 pessoas, ou 9,76% da população.

Segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde, os países de alta renda, que têm 15% da população mundial, adquiriram 45% de todas as vacinas disponíveis contra a Covid. Cerca de dez países, a maior parte deles, africanos, ainda não fizeram nenhuma imunização. A OMS diz acreditar que essa situação favorece o surgimento de novas variantes, e pode prolongar a pandemia.

No domingo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou de uma carreata de motoqueiros (apelidado de “motociata”), desta vez no Rio de Janeiro.

hotWords: nesta mercado 24/5 segunda-feira

Seja anunciante no invistaja.info

“Nós estamos prontos, se preciso for, para tomar todas medidas necessárias para garantir a liberdade de vocês”, disse Bolsonaro a apoiadores após o final do trajeto pela cidade. Bolsonaro pilotava uma moto e levava na garupa o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

Antes do discurso de Bolsonaro, parlamentares tiveram direito a rápidas falas assim como o ministro Tarcísio de Freitas e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Na semana passada, Pazuello prestou dois longos depoimentos na CPI da Covid no Senado, que investiga eventuais falhas do governo federal no combate à pandemia.

No ato, Pazuello apareceu em um carro de som sem máscara ao lado de Bolsonaro e outros homens, e acenou para o público. O presidente chamou Pazuello de “nosso gordinho”. Em seu depoimento durante a semana, Pazuello havia se desculpado por ter comparecido sem máscara em um shopping de Manaus.

A presença de Pazuello causou constrangimento na cúpula do Exército, já que o Estatuto dos Militares e o Regulamento Disciplinar proíbem que militares da ativa participem de atos do tipo ou que realizem outros tipos de manifestações políticas.

Na quarta-feira, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, havia dito à Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara que militares da ativa não poderiam ir a manifestações, ao contrário daqueles da reserva.

“Os da ativa não podem e serão devidamente punidos se aparecerem em manifestações políticas”, afirmou. Ele frisou que manifestações autorizadas pelo comando seriam exceções. Mas, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, o comandante do Exército, Paulo Sérgio de Oliveira, foi surpreendido pela presença de Pazuello em ato no Aterro do Flamengo.

Em seu discurso, Bolsonaro voltou a se referir à força como “meu Exército”. Ele afirmou que o Exército não obrigará ninguém a ficar em casa. O presidente afirmou: “estamos num momento de dificuldade, mas, se Deus quiser, logo ele passará”. E disse avaliar que a pandemia caminha para seu final.

“Nós temos que viver, nós temos que ter alegria também, nós temos que ter ambições, nós temos que ter esperança”, disse o presidente.

4. Guedes diz que governo quer “ir para o ataque” para as Eleições

Em entrevista publicada nesta segunda-feira no jornal Folha de S. Paulo, o ministro da Economia Paulo Guedes afirmou que o governo está gestando medidas que busquem melhorar o ambiente eleitoral em 2022. “Nós jogamos na defesa nos primeiros três anos, controlando despesas. Agora vem a eleição? Nós vamos para o ataque”, afirmou.

Guedes ressaltou que o governo pretende respeitar o teto para gastos federais presente na Constituição. Entre as medidas citadas pelo ministro estão a ampliação do Bolsa Família por meio de um fundo social alimentando por privatizações e dividendos de estatais.

Ele também afirmou não concordar com a ideia de que reformas liberais retirariam votos de Bolsonaro. “A opinião pública brasileira está madura. Quer a reforma administrativa, como queria a reforma da Previdência, como quer a reforma tributária”, disse. Ele reconheceu, no entanto, que caiu a aderência do presidente ao programa do ministério.

Além disso, contrariando a última onda de previsões, a equipe econômica para o Brasil do banco Morgan Stanley cortou sua estimativa para o PIB do país em 2021 de 3,5% para 2,8%. O país fica bem abaixo da expectativa do banco para a América Latina, de crescimento de 4,2%.

Na avaliação da equipe do banco, indicadores que retratam a oferta do país indicam uma recuperação mais forte da economia, mas podem ser um “falso positivo”. A avaliação do Morgan Stanley enfatiza a demanda mais fraca, sobretudo por conta do mercado de trabalho.

“Isso é preocupante para o consumo das famílias, que representa dois terços do PIB pelo lado da demanda, e vai pesar contra o crescimento”, afirmou em entrevista ao jornal Valor Econômico André Loes, economista-chefe para a América Latina do Morgan Stanley.

Na avaliação da equipe de Loes, a recuperação da região está a caminho, mas o Brasil é uma “notável exceção” por conta de uma nova onda da pandemia, atrasos no cronograma de vacinação e espaço limitado para estímulos fiscais.

“Nossas projeções favorecem países com melhores fundamentos, que exibem perfil de crédito mais saudável e estão melhor posicionados para se beneficiar da forte retomada nos EUA e na China”, afirmou Loes ao Valor. O destaque fica para Chile e México, que seriam os países da América Latina melhor posicionados para se beneficiarem do cenário que se delineia.

No Brasil, a redução da transferência de renda pelo governo, restrições à mobilidade, desemprego alto e rendimentos do trabalho em queda fazem com que o banco espere que o consumo das famílias se contraia 2,1% no primeiro trimestre em comparação com o quarto de 2020.

Além disso, segundo estudo realizado pela Economatica a pedido do jornal O Estado de S. Paulo, entre dezembro de 2011 e março de 2021 a dívida de empresas abertas passou de R$ 468 bilhões para R$ 1,213 trilhão, alta de 149,6%.

5. Radar corporativo

A processadora de carnes Marfrig confirmou na sexta-feira ter comprado cerca de 24,23% no capital da empresa de alimentos BRF, e disse que a operação “visa diversificar os investimentos” do grupo. Em comunicados, Marfrig e BRF confirmaram as transações, que haviam sido divulgadas antes na imprensa. O negócio somou 196,68 milhões de papéis, comprados via opções e leilões em bolsa.

“A aquisição (…) visa a diversificar os investimentos da Marfrig em um segmento que tem complementaridades com seu setor de atuação numa empresa onde a administração vem realizando uma reconhecida gestão”, disse a Marfrig, a acrescentou que “não pretende eleger membros para o conselho de administração ou exercer influência sobre as atividades da BRF”. Ela também disse que não foram celebrados contratos ou acordos sobre direito de voto.

O movimento da Marfrig evidencia a força da divisão da empresa na América do Norte, onde a demanda tem sido forte e os preços do gado, relativamente baixos. Isso impulsionou o preço das ações da empresa em relação às da BRF, cujas margens foram comprimidas pela maior dependência do Brasil.

Já a CGT Eletrosul, controlada da estatal Eletrobras, assinou contrato na sexta-feira para aquisição da participação de 49% da CEEE-T EEEL3.SA na Fronteira Oeste Transmissora de Energia (FOTE), passando a deter 100% das ações da empresa, na qual já era acionista. Segundo fato relevante da Eletrobras, a CGT Eletrosul pagará R$ 83,1 milhões à CEEE-T pela fatia no ativo, em operação que deverá ser concluída no prazo de até 30 dias.

A Eletrobras já havia informado no final de abril que exerceria direito de preferência para compra da participação da CEEE-T na FOTE, assim como da fatia de 49% da companhia gaúcha na Transmissora Sul Litorânea de Energia (TSLE). As vendas dos empreendimentos pela CEEE-T ocorrem enquanto o governo do Rio Grande do Sul prepara a realização de um leilão para venda de sua participação na elétrica. A privatização da empresa está prevista em licitação agendada para 29 de junho.

Já em comunicado de esclarecimento, a Petrobras comunicou ao mercado que “ainda não foi definido o momento da lançamento da oferta” de venda da participação na BR Distribuidora. O comunicado aponta  que a venda de sua participação remanescente de 37,5% será realizada por uma oferta secundária de ações (follow-on), conforme comunicado em 26 de agosto do ano passado.

A Totvs vai emitir R$ 1,5 bilhão em debêntures para “plano estratégico”. O objetivo da captação é levantar recursos para plano estratégica. As debêntures serão vendidas por meio de esforços restritos; papéis têm prazo de três anos.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

Aprenda a identificar os produtos financeiros para blindar seu patrimônio contra o “Risco Brasil”. Inscreva-se no curso gratuito.

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 24/5; invistaja.info;

BRASIL | mercados | invistaja.info – Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira – 24/5

REFLEXÃO: Harold Pollack, da Universidade de Chicago: Guarde entre 15 e 20% e invista em fundos de índices com taxa baixa.

Leia também:

Índices futuros americanos sobem e bolsas europeias ficam estáveis com Bitcoin e inflação no radar

De logística turbinada até maior negociação das ações: os planos da Mobly para 2021

Fiocruz recebe nova remessa de insumo para produção de vacina

Puxadas pelo minério, exportações para a China crescem 36% até abril

Seja anunciante no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.