Reforma tributária é populista e compromete longo prazo, diz Bernard Appy

Para economista, medidas propostas possuem “erros clássicos de desenho tributário” e mudanças indicam viés eleitoral
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Notícias de trader para trader

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: Reforma tributária é populista e compromete longo prazo, diz Bernard Appy; invistaja.info;


NTCO3 | Pat.Liq: 28691300000.0 | Mrg.Ebit: 0.0632 | Cotacao: 56.31 | Cresc.5anos: 0.0 | Liq.Corr.: 1.18 | P/VP: 2.7

ListenToMarket: Reforma tributária é populista e compromete longo prazo, diz Bernard Appy – Áudio gerado às: 10:10:42

VELOCIDADE: 1.0x | 1.95x | 2.3x

O economista Bernard Appy, fundador do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e uma das cabeças por trás da reforma tributária vista na PEC 45, classifica as atuais mudanças anunciadas pelo Ministério da Economia como “populistas” e com viés eleitoral. Para ele, há coisas boas no anúncio da equipe do ministro Paulo Guedes, mas que possuem “erros clássicos de desenho tributário”.

Segundo Appy, a proposta nem sequer poderia ser considerada uma reforma tributária, pois não tem o potencial de ampliar o ritmo de crescimento do País.

“A minha visão é que as propostas têm um efeito eleitoral positivo, mas são ruins para o crescimento de longo prazo”, diz Appy. A seguir, os principais trechos da conversa.

+Onde você pode voar agora? Corrida para salvar turismo começou

Como o sr. avalia as propostas de mudanças tributárias anunciadas pelo governo?

Existem coisas boas na proposta do governo, mas o desenho geral é bastante negativo. O que tem de bom são as mudanças nos tributos sobre aplicações financeiras, que vão na direção correta. Mas, ao mesmo tempo, faltou incluir CRI, CRA, LCI e LCA, e isso claramente foi uma decisão política. A minha visão é que as propostas têm um efeito eleitoral positivo, mas são ruins para o crescimento de longo prazo.

Há uma visão eleitoreira na proposta?

O aspecto populista é evidente no reajuste na tabela (do IR). É uma medida eleitoral. Em contrapartida, as mudanças, principalmente para as grandes empresas, tornarão o investimento no Brasil menos atraente. E isso tanto para os brasileiros quanto para os estrangeiros. A calibragem foi pesada para as empresas, pois vão reduzir o Imposto de Renda e aumentar na distribuição de lucros, que é uma ideia positiva, mas não foi bem calibrado.

Por que a proposta do governo não vai na direção correta?

As empresas estrangeiras utilizam muito os juros sobre o capital próprio. Acredito que, com as mudanças, vai ficar mais oneroso para todos. A alíquota média sobre o lucro distribuído nos países da OCDE é de 42%. No Brasil, esse número era de 15% no caso dos juros sobre capital próprio e até 34% sobre o restante. Agora, com as mudanças propostas, vai para 43%. É mais do que a média da OCDE. A calibragem vai ser mais onerosa, e em um momento de guerra tributária internacional, ainda que parcialmente moderada pelas ações do presidente americano Joe Biden.

Saiba mais:• Entenda tudo sobre a Reforma Tributária em 5 minutos

O sr. enxerga distorções na proposta?

A tributação das pessoas jurídicas que prestam serviço como sócios de empresas precisaria ser corrigida. Mas, de novo, a forma como o governo escolheu vai gerar muita distorção. Eles colocaram uma alíquota muito alta, de 20%, mas o lucro distribuído aos sócios de empresas com receita até R$ 4,8 milhões por ano é isenta até R$ 20 mil por mês. Para uma pessoa que trabalha nesse sistema e tem poucos custos, se ganhar R$ 20 mil em lucro presumido, vai pagar 7,5% de imposto. Enquanto isso, um empregado comum está pagando 27,5% por esses mesmos R$ 20 mil.

Quais os efeitos que isso pode gerar?

hotWords: longo tributária reforma prazo, populista

Seja anunciante no invistaja.info

Como eles colocaram esse limite de R$ 4,8 milhões, todos vão se organizar para entrar nesse limite de faturamento. A empresa que chegar a uma receita próxima desse valor, vai deixar de produzir para não pagar mais imposto. É um erro clássico de desenho tributário. Ou as empresas vão deixar de produzir ou vão se fragmentar. O efeito disso é a economia se organizar de maneira menos eficiente.

Qual a sua visão sobre a permissão do governo para atualizar o valor dos imóveis na declaração do IR?

Eu considero isso uma pedalada. Você teria uma receita de ganho de capital entre 15% e 22,5% e vai arrecadar 5%. Isso é para arrecadar receita e tem cara de pedalada. O governo fez isso para fechar as contas em 2022 e 2023. Você sacrifica o longo prazo pelo curto prazo.

Leia também:• Imposto de Renda: entenda a proposta que permite atualizar o valor dos imóveis na declaração

Como enxerga as discussões sobre unificação de impostos?

Vamos ver como vai andar no Congresso. A sinalização do Arthur Lira (presidente da Câmara) é de levar a unificação do PIS e da Cofins e o Imposto de Renda sem discussão. Isso realmente não é a realização de uma reforma com seriedade. Se queremos discutir uma mudança profunda e seus efeitos, não pode ser feito sem passar por uma análise.

Estamos perdendo a oportunidade de unificar mais impostos?

Obviamente, seria muito melhor do que investir na unificação somente do PIS e da Cofins. Até poderia ser da atual forma, se houvesse uma proposta de transição com todos os outros. Que fosse um imposto federal e outro subnacional e com uma transição mais rápida. Porém, essa atual proposta da CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) pode gastar o capital político sem fazer uma reforma ampla e pode até prejudicar uma reforma mais ampla no futuro.

A proposta do governo pode ser considerada uma reforma?

Eu não classificaria como uma reforma. Certamente, a proposta não atende ao objetivo de melhorar o potencial do crescimento do Brasil. Ela vai em direção oposta. Não é um bom desenho.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

palavras-chave: Reforma tributária é populista e compromete longo prazo, diz Bernard Appy; invistaja.info;

GLEBA PALHANO | economia | invistaja.info – Reforma tributária é populista e compromete longo prazo, diz Bernard Appy

REFLEXÃO: Michael Batnick, gestor de patrimônios da Ritholtz: Evitar erros catastróficos é mais importante do que construir o portfólio perfeito.

Leia também:

Caged, Pnad, relatório de emprego nos EUA e dados da China: o que acompanhar nesta semana

Como a perseguição da China aos mineradores de Bitcoin pode ser boa para a criptomoeda

Empresários se queixam de tributação em nova proposta do governo

Empresários de alto rendimento: ex-atletas falam das lições que trouxeram do esporte para também vencer nos negócios

Anuncie no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.