Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 18/8

Bolsas mundiais operam à espera de ata do Fomc; Câmara adia novamente discussão sobre reforma do Imposto de Renda em meio a impasses e mais
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Conteúdo de quem vive de mercado

Edição invistaja.info e MarketMsg

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 18/8; invistaja.info;


MATD3 | EV/EBIT: 0.0 | Div.Brut/Pat.: 0.19 | Pat.Liq: 1485340000.0 | PSR: 0.0 | P/ACL: 8.61 | P/VP: 4.68

BRASIL | invistaja.info — Em mais um dia morno para a maior parte das bolsas mundiais com a preocupação sobre a variante delta do COVID-19 e as tensões geopolíticas seguindo no radar, os investidores também monitoram nesta quarta-feira (18) a ata da última reunião de política monetária do Federal Open Market Committee (Fomc), do Federal Reserve.

Atenção ainda para dados do setor de construção nos EUA.

Enquanto isso, no Brasil, para evitar derrota governista na Câmara, a reforma do Imposto de Renda foi adiada. De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, os entes querem mais R$ 18 bilhões para a aprovação da medida, o que faz com que integrantes do Ministério da Economia digam que o projeto já “não se paga”.

+Ações da Locaweb caem 7%, Mosaico sobe 6,6% e Cemig avança após resultados; Vale e siderúrgicas caem com minério

Confira os destaques da sessão:

1. Bolsas mundiais

Os índices futuros americanos e as bolsas asiáticas e europeias operam perto da estabilidade nesta quarta (18).

Na terça, as principais bolsas americanas recuaram, após a divulgação de dados do varejo abaixo da expectativa. Investidores também monitoram o impacto geopolítico da tomada de Kabul pelo Taleban, com temores sobre migrações em massa e instabilidade regional.

Os Estados Unidos registraram queda de 1,1% nas vendas no varejo em junho, em grande medida por conta de menos vendas de carros.

A expectativa de economistas ouvidos pela Dow Jones era de queda de 0,3% no mês, frente a queda de 0,7% em junho. Quando se exclui o setor automotivo, as vendas caíram 0,4%, frente à expectativa de queda de 0,2%.

Em entrevista à rede de notícias CNBC, o chefe de estratégia de investimento do Leuthold Group, Jim Paulsen, ressaltou que os novos casos de Covid continuam a aumentar, o que traz dúvidas sobre a reabertura econômica, os dados de consumo recuaram recentemente, indicadores de inflação continuam altos, e o Federal Reserve vem sinalizando redução de estímulos.

Além disso, o mercado acionário já não vem reagindo a resultados positivos das empresas, e há sinais de que as bolsas caminham para uma correção, avaliou Paulsen.

Entre as empresas que divulgam resultados nesta quarta estão Target e Lowe’s, antes do fechamento, e Cisco Systems e Nvidia após o fechamento. O aplicativo de negociações Robinhood, pivô de movimentos de compra coordenada de papéis, informa seus resultados após o fechamento do mercado.

Além disso, o Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) publica às 15h (horário de Brasília) as minutas de sua reunião relativa a julho.

A divulgação da ata deve oferecer mais detalhes em relação ao debate em andamento no Federal Reserve sobre quando encerrar os programas emergenciais da pandemia e sinalizar o nível de preocupação entre as autoridades sobre a inflação mais alta do que o esperado.

O documento é referente ao encontro realizado nos dias 27 e 28 de julho, sessão em que o Fed disse que ainda tinha fé na recuperação econômica dos EUA, mesmo com a variante Delta do coronavírus gerando um salto no número de casos de Covid-19. Desde então, a crise sanitária se intensificou, mas o crescimento do emprego permaneceu forte até julho, a recuperação doméstica dos EUA parece amplamente nos trilhos e a inflação segue acima da meta de 2% do Fed.

A expectativa é de que Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, dê mais indicações sobre uma possível retirada de estímulos à economia no Simpósio de Jackson Hole, no fim do mês.

As bolsas asiáticas se mantêm estáveis nesta quarta. No Japão, o Nikkei avançou 0,59%, após o governo do país anunciar que decidiu prorrogar o estado de emergência em Tóquio e em outras áreas até 12 de setembro, segundo informações da agência de notícias local Kyodo News.

Na China continental, o Shanghai composto avançou 1,11%, e o componente Shenzhen avançou 0,721%; em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,35%; na Coreia do Sul, o Kospi teve alta de 0,5%.

As bolsas europeias têm em sua maioria altas nesta quarta. Investidores monitoram dados de inflação no continente e aguardam pelas minutas do Federal Reserve.

No radar econômico da Europa, foi divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) relativo ao Reino Unido em julho, que se manteve na comparação mensal, abaixo da expectativa de alta de 0,3% e do patamar anterior, de alta de 0,5%. A variação anual marcou 2%, abaixo da expectativa de alta de 2,3% e do patamar anterior, de 2,5%.

Já a inflação ao consumidor relativa a julho na Zona do Euro marcou avanço de 2,2% na comparação anual, em linha com a expectativa de analistas, e acima do patamar anterior, de 1,9%. Na comparação mensal, recuou 0,1%, também em linha com a expectativa, e abaixo do patamar anterior, de alta de 0,3%.

O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, avança 0,01%, com destaque positivo para ações dos setores de viagem e lazer.

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos*Dow Jones Futuro (EUA), -0,3%*S&P 500 Futuro (EUA), -0,17%*Nasdaq Futuro (EUA), -0,05%

Europa*FTSE 100 (Reino Unido), -0,45%*Dax (Alemanha), -0,18%*CAC 40 (França), -0,37%*FTSE MIB (Itália), -0,1%

Ásia*Nikkei (Japão), +0,59%*Shanghai SE (China), +1,11% (fechado)*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,47% (fechado)*Kospi (Coreia do Sul), +0,5% (fechado)

Commodities e bitcoin*Petróleo WTI, +0,541%, a US$ 66,96 o barril*Petróleo Brent, +0,72%, a US$ 69,53 o barril*Bitcoin, -3,57%, a US$ 45.200,23Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 3,73%, cotados a 813 iuanes, equivalente hoje a US$ 125,46 (nas últimas 24 horas).USD/CNY = 6,48

2. Agenda

Brasil

14h: Bruno Funchal, secretário do Tesouro, participa de audiência na Comissão Mista de Orçamento

14h30: dados de fluxo cambial semanal

Estados Unidos

8h: Associação dos Banqueiros Hipotecários (MBA na sigla em inglês) divulga dados de juros de hipotecas com vencimento em 30 anos.

9h30: Construções de moradias iniciadas em julho

11h30: Departamento de Energia divulga estoques de petróleo da semana até dia 13 de agosto

15h: Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) do Fed publica a ata de sua última reunião

Por Dentro dos Resultados

O (invistaja.info) entrevista às 15h Julio Mottin Neto, CEO da Panvel (PNVL3) e às 18h Max Fischer, CFO da Profarma (PFRM3).

Quer fazer perguntas aos CEOs das empresas que se destacam na Bolsa? Acompanhe a série Por Dentro dos Resultados no YouTube do (invistaja.info)

3. Covid, CPI, instabilidade entre poderes e eleições

Na terça (17), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 833, queda de 10% em comparação com o patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 1.137 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 29.117, o que representa queda de 11% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 38.218 casos.

Chegou a 117.699.389 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 55,58% da população. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 51.577.522 pessoas, ou 24,36% da população.

hotWords: 18/8 nesta assuntos quarta-feira

Anuncie no invistaja.info

Na terça falou à CPI da Covid Alexandre Silva Marques, auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) responsável pelo falso relatório divulgado pelo governo Bolsonaro, que questionava a contabilização de mortes por Covid feita pelos estados.

Marques alegou que compartilhou apenas um relatório “preliminar” com seu pai, o coronel Ricardo Marques, que o teria encaminhado ao presidente de forma indevida.

Ao viralizar por meio de redes bolsonaristas, o relatório falso levava o nome do TCU e destaques. Os senadores afirmaram que Bolsonaro teria compartilhado o crime de falsificação, já que não se tratava de um documento oficial do tribunal.Nesta quarta, a CPI ouve Túlio Silveira, advogado da Precisa Medicamentos, empresa responsável por intermediar a negociação entre o governo brasileiro e a indiana Bharat Biotech pela compra da vacina Covaxin.

Além disso, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a proposta de PEC que estabelece a retomada das coligações nas eleições proporcionais de deputados, com 347 votos a favor e 135 contra. As coligações permitem a partidos se unirem em um único bloco para disputar eleições proporcionais. O fim das coligações havia sido aprovado por emenda constitucional de 2017, visando reduzir o número de partidos pequenos no Brasil.

Agora, a proposta segue para o Senado, cujo presidente, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já se manifestou contrariamente. Na terça, Pacheco também afirmou que “Precipitarmos uma discussão de impeachment, seja do Supremo, seja do presidente da República, qualquer tipo de ruptura, não é algo recomendável para um Brasil que espera uma retomada do crescimento, uma pacificação geral, uma pauta de desenvolvimento econômico, de combate à miséria e à pobreza”.

Há mais de uma centena de pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Congresso. Bolsonaro afirmou no final de semana que pretende apresentar um pedido de impeachment Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal (STF). Barroso acumula o cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em entrevista à rádio Jovem Pan na segunda, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general da reserva Augusto Heleno, disse que o Judiciário vem aumentando as tensões e que pode haver uma intervenção das Forças Armadas no país “num caso muito grave”.

Heleno citou o Artigo 142 da Constituição, que estabelece o papel das Forças Armadas e que tem sido frequentemente interpretado pelo presidente Jair Bolsonaro e por seus aliados no sentido de dar às Forças Armadas um “poder moderador” em momentos de crise entre os Poderes da República –Judiciário, Legislativo e Executivo.

Na terça, o ministro da Defesa, general da reserva Walter Braga Netto afirmou que não existe nenhuma articulação das Forças Armadas fora dos limites da Constituição.

Ele negou que tenha feito ameaças ao Senado, no episódio em que divulgou nota em reação à supostas irregularidades cometidas por militares em cargos no governo, e ao presidente da Câmara dos Deputados, no caso em que teria dito que não haveria eleição em 2022 sem aprovação do voto impresso.

Ele também disse avaliar que não houve ditadura no Brasil durante o período da ditadura militar, que durou de 1964 a 1985. “Não, não considero que tenha havido uma ditadura”, disse Braga Netto.

“Houve um regime forte, com excesso dos dois lados, mas isso tem que ser analisado na época da história, de Guerra Fria e tudo mais. Não trazer uma coisa do passado para os dias de hoje. Se houvesse ditadura, talvez muitas pessoas não estariam aqui. Execuções, ditadura, como disse um dos deputados, são em outros países”, disse o ministro.

Além disso, a avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro manteve-se em trajetória de alta e chegou a 54%, de acordo com pesquisa do instituto Ipespe para a XP Investimentos divulgada na terça-feira. A pesquisa apontou ainda que 58% dos entrevistados são contra o voto impresso, que é firmemente defendido pelo presidente apesar de ter sido rejeitado recentemente na Câmara.

Essa é a sexta pesquisa seguida XP/Ipespe que mostra elevação na avaliação negativa do governo, ainda que dentro da margem. Aqueles que consideram o governo bom ou ótimo são 23%, ante 25% na pesquisa anterior, ao passo que os que consideram a gestão regular são 20%, contra 21%.

Além disso, a desaprovação à maneira que Bolsonaro administra o país manteve-se em 63%, mesmo patamar da pesquisa anterior, ao passo que os que a aprovam são 29%, ante 31% na pesquisa anterior.

A pesquisa também indicou continuidade da dianteira nas pesquisas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial do ano que vem. Em uma das simulações, o petista aparece com 40%, Bolsonaro (sem partido) fica com 24%, Ciro Gomes (PDT) tem 10%, o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (sem partido) soma 9%, enquanto o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), têm 4% cada.

4. Reforma do Imposto de Renda e Bolsa Família

Na terça, a Câmara dos Deputados decidiu adiar mais uma vez a votação do projeto que altera a cobrança do Imposto de Renda, que ainda enfrenta resistências dentro e fora do Congresso.

Deputados demonstraram desconforto em aprovar a proposta como está, principalmente trecho que trata da taxação de dividendos em 20%. Parlamentares defendem um escalonamento, mas a demanda estaria enfrentando pouca abertura para negociação por parte do Ministério da Economia. Ao mesmo tempo, governos estaduais e municipais apontaram que o texto implica em perdas de arrecadação, o que comprometeria a prestação de serviços locais.

As capitais fizeram coro e calcularam uma perda de R$ 1,5 bilhão com a reforma. A Confederação Nacional de Municípios divulgou nota a favor do projeto de lei, mas destacando que o apoio vinha após o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ter se comprometido a pautar na Casa proposta para aumentar o FPM (Fundo de Participação dos Municípios) para compensar a perda sofrida com a redução do IR na reforma.

Segundo uma fonte do time do ministro da Economia Paulo Guedes ouvida pela agência internacional de notícias Reuters, há divergências dentro da própria pasta a respeito da qualidade do texto final e da viabilidade de a matéria avançar nesse momento em meio à saraivada de críticas recebidas tanto de entidades setoriais quanto dos entes regionais.

Na semana passada, a equipe econômica teria recebido um banho de água fria com o adiamento da votação do parecer do relator, deputado Celso Sabino (PSDB-PA).

Isso porque o governo conta com a tributação sobre dividendos um dos nortes da reforma como fonte de receita para o Auxílio Brasil, o reformulado e mais robusto Bolsa Família.

Agora, a perspectiva é de enviar o projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2022 sem incorporar quaisquer ganhos com a reforma do IR, disse uma segunda fonte da equipe.

Para isso acontecer, o texto teria que ser aprovado tanto na Câmara quanto no Senado até o fim deste mês, prazo para o envio do PLOA ao Congresso.

Mas as perspectivas têm ficado menos animadoras e mais ameaçadas pelos benefícios negociados nos bastidores para que a tramitação da reforma prospere, afirma a Reuters.

Segundo uma fonte consultada pela agência, um dos pontos de inflexão refere-se à taxação de dividendos.

A demanda é por um escalonamento, mas a equipe econômica estaria “irredutível” neste ponto, mantendo a visão de que os dividendos devem ser taxados em 20%.

Na terça, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou em live do Bradesco que a percepção do mercado vem sendo de que tanto a reforma do Imposto de Renda quanto a PEC dos Precatórios foram propostas para financiar um programa de transferência de renda mais robusto. Assim, o governo precisa passar uma mensagem mais forte sobre disciplina fiscal, afirmou.

“Esse ruído recente em torno de o que vai ser o Bolsa Família acho que na verdade está gerando muito barulho para os dados (fiscais) e reconheço que isso é um fato e que o governo precisa passar uma mensagem forte sobre isso”, disse.Por outro lado, Campos Neto disse ser preciso pontuar que o cenário fiscal brasileiro hoje é melhor do que o que havia sido esperado no meio da crise de Covid-19.

De acordo com o presidente do BC, os números mostram que o déficit primário neste ano ficará por volta de 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB) e que para 2022, ano de eleições, “não será muito maior que zero”.

Campos Neto disse ter sido informado em conversa recente com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que o déficit para o próximo ano ficará por volta de 0,3% a 0,4% do PIB.

“Mas não é isso que o mercado está precificando”, afirmou ele. “Isso tem a ver com o fato de que muito dos novos projetos o mercado teve a percepção que foram lançados de uma forma muito ligada à vontade do governo de ter um programa Bolsa Família melhor”, completou.

5. Radar corporativo

Na terça, o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Jarbas Soares Júnior afirmou que uma revisão dos valores de reparação a serem pagos pela Samarco e suas sócias pelo rompimento de barragem em Mariana (MG), que deixou 19 mortos e poluiu o rio Doce até o litoral, poderá ocorrer apenas em fevereiro de 2022, depois que as ações reparatórias previstas forem completamente revisadas. A Samarco é uma joint venture entre a Vale (VALE3) e a BHP Billiton.

O valor de referência para as renegociações é o que consta em ação movida anteriormente pelo Ministério Público de R$ 155 bilhões, reiterou a autoridade, ao participar de uma coletiva de imprensa transmitida pela internet sobre as negociações com as mineradoras.

A Alliar (AALR3) comunicou na terça-feira que a Rede D’Or (RDOR3) comprou no dia anterior 2.538.600 ações ordinárias (ONs) da empresa, no total de R$ 28,566 milhões, segundo notificação enviada pela rede de hospitais. A Rede D’Or anunciou na segunda que seu conselho de administração aprovou uma oferta pública de aquisição (OPA) para adquirir ações da Alliar por até R$ 1,36 bilhão.

A Locaweb (LWSA3) comunicou ao mercado ter aprovado o programa de recompra de ações, que terá o objetivo de adquirir até 3 milhões de ações, com programa tendo prazo previsto de dois anos.

O Conselho de Administração da JHSF (JHSF3) aprovou o cancelamento do saldo das ações mantidas em tesouraria e um novo programa de recompra de ações de sua própria emissão. Foi cancelado o montante total de 2,800 milhões de ações ordinárias de emissão da Companhia, sem redução do valor do capital Social.

A Desktop (DESK3), por sua vez, assinou um contrato para a aquisição da totalidade do capital da Net Barretos por R$ 51,5 milhões.

Já a Cielo (CIEL3) negou em comunicado as informações do jornal Valor de que o Bradesco (BBDC4) e o Banco do Brasil (BBAS3) estariam avaliando fechar o capital da companhia.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

palavras-chave: Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 18/8; invistaja.info;

FARIA LIMA | mercados | invistaja.info – Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira – 18/8

REFLEXÃO: Robert Brokamp, da Motley Fool: Diversificação reduz os riscos, aumenta a previsibilidade e impulsiona os retornos.

Veja também:

CEO da Via destaca transformação “além do varejo” da companhia e diz não entender queda das ações na Bolsa

Kovi recebe R$ 500 milhões para ampliar aluguel de carros para motoristas de app

Sem acordo, Câmara adia novamente discussão sobre reforma do Imposto de Renda

Aprovação de Biden cai para menor nível no ano com domínio do Talibã no Afeganistão

Entre em contato para anunciar no invistaja.info

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Publicidade