PUBLICIDADE

The Guardian, NYT, Washington Post, Economist: imprensa internacional condena atuação de Bolsonaro na pandemia

Jornais criticam postura do governo brasileiro e dizem que piora na situação do País gera preocupação no mundo todo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Informação para quem vive o mercado

Edição MarketMsg e invistaja.info

palavras-chave: The Guardian, NYT, Washington Post, Economist: imprensa internacional condena atuação de Bolsonaro na pandemia; invistaja.info;


FLRY3 | EV/EBITDA: 10.72 | Liq.2meses: 46885800.0 | P/Ativo: 1.489 | Mrg.Ebit: 0.1645 | P/L: 32.0 | Liq.Corr.: 1.69

BRASIL | invistaja.info — O jornal britânico The Guardian se tornou o mais recente veículo da imprensa internacional a fazer duras críticas ao governo brasileiro diante do cenário de aumento de casos e de mortes de COVID-19 no País, que caminha no sentido oposto do resto do mundo, que avança com a vacinação e dá sinais de melhora da situação da pandemia.

Nas duas últimas semanas, alguns dos maiores jornais e revistas do mundo publicaram textos criticando o presidente Jair Bolsonaro e a postura de sua equipe no combate à Covid-19. Entre os veículos estão The Economist, Washington Post, The New York Times e The Wall Street Journal.

Em geral, a imprensa estrangeira tem mostrado muita preocupação com a situação do Brasil, apontando que a crise de saúde nacional também é uma ameaça ao resto do mundo, citando, por exemplo, a variante P1, que também se espalha para outros países.

+“Grandes desafios do Brasil estão sempre ligados ao fiscal”, diz Campos Neto

O The Guardian destacou no título de seu editorial que Bolsonaro representa “um perigo para o Brasil e para o mundo”, lembrando das declarações do presidente contra o isolamento social, uso de máscaras e aplicação das vacinas.

A publicação diz ainda que já havia preocupação desde a sua campanha presidencial por conta das declarações feitas por Bolsonaro contra minorias, mas, segundo o jornal, após sua eleição “o pesadelo se revelou ainda pior na realidade”.

“Ele não só usou uma lei de segurança nacional da época da ditadura para perseguir os críticos e supervisionou o aumento do desmatamento na Amazônia em 12 anos, mas também permitiu que o coronavírus se alastrasse sem controle, atacando as restrições de distanciamento, máscaras e vacinas”, destaca.

A The Economist também focou a maior parte de sua matéria em responsabilizar Bolsonaro pela crise de saúde no Brasil e a preocupação que isso é para outros países, com o título “A má gestão da Covid-19 pelo Brasil ameaça o mundo”.

hotWords: internacional pandemia economist: condena imprensa washington

Seja anunciante no invistaja.info

“Bolsonaro promoveu curas charlatanescas, protestou contra lockdowns e tentou impedir a divulgação de dados (sobre infecções e mortes). Ele acaba de demitir o terceiro ministro da Saúde (um general do Exército) desde o início da pandemia. Seu governo demorou a encomendar as vacinas, ainda que fabricantes como Pfizer e Janssen as tenham testado no Brasil”, diz o texto.

Sobre a troca de ministros, o Washington Post apontou que a mudança recente na Defesa indica que Bolsonaro pode estar “mirando a democracia”, sendo que “Estados Unidos e América Latina devem estar atentos para garantir a Bolsonaro que qualquer interrupção da democracia seria intolerável”.

Segundo a publicação, é por conta da “impressionante incompetência do presidente Jair Bolsonaro e seu governo”, que não há sinal de fim da crise sanitária causada pelo coronavírus no País. E o texto vai mais longe: “em vez de lutar contra o coronavírus, Bolsonaro parece estar preparando as bases para outro desastre: um golpe político contra os legisladores e eleitores que poderiam removê-lo do cargo”.

Os jornais destacam ainda o crescimento do debate político já mirando as eleições de 2022, principalmente após a volta de Lula à corrida eleitoral. E para o Guardian, só com a ameaça do petista sobre Bolsonaro já pode ser uma boa sinalização, já que faria com que eleitores da direita procurassem outro candidato menos extremista para disputar o pleito.

O tom geral, porém, da maior parte dos jornais é pedindo que Bolsonaro saia da presidência. “O presidente brasileiro já contribuiu muito para o agravamento da pandemia de covid-19 em seu próprio país e, por meio da disseminação da variante brasileira, pelo mundo. Ele não deve ter sucesso em destruir uma das maiores democracias do mundo também”, diz o Post, enquanto o Guardian conclui com :“sua partida [de Bolsonaro] seria bem-vinda, pelo bem do Brasil e do resto do planeta”.

Entenda o método para realizar análises e não se perder em momentos turbulentos. A série gratuita One Good Trader, com Gilberto Coelho, te ensina como – inscreva-se!

palavras-chave: The Guardian, NYT, Washington Post, Economist: imprensa internacional condena atuação de Bolsonaro na pandemia; invistaja.info;

BRASIL | economia | invistaja.info – The Guardian, NYT, Washington Post, Economist: imprensa internacional condena atuação de Bolsonaro na pandemia

REFLEXÃO: Ben Carlson, autor de A Wealth of Common Sense – A riqueza do senso comum, em tradução livre: Menos é mais. O processo de investimento deve ser mais importante que os resultados. Comportamento correto na hora de investir é a chave.

Leia também:

Em nova fase, AES Brasil pode triplicar alavancagem para crescer

Fiocruz diz que demanda internacional por insumos de vacinas gera alerta sobre cronograma

Orçamento escancara dois “ministérios da Economia”

“Dr. Doom”, Nouriel Roubini alerta para riscos de salto de rendimento dos títulos americanos

Publique seu negócio no invistaja.info

PUBLICIDADE

Resumo do mercado

Assine grátis nossa newsletter semanal

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Newsletter invistaja: receba um resumo semanal dos principais movimentos do mercado

Suas informações não serão compartilhadas com terceiros e também não enviaremos promoções ou ofertas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE